Um Bom Começo Não É Suficiente

“Então Salomão acordou e percebeu que tinha sido um sonho.” (1 Reis 3:15)

Numa corrida, um bom começo e uma boa largada são importantes, mas não são suficientes para um bom resultado final. Há muitas pessoas que começam dieta, exercícios diários ou um projeto para melhorar a casa. Com o tempo, a dieta fica irregular, o exercício perde a frequência e a melhoria da casa nunca termina. Um bom começo é importante, mas o prêmio é para aquele que cruza a linha de chegada.

Salomão começou seu reinado bem jovem e com o pé direito. Num sonho, Deus apareceu para ele e o desafiou a pedir qualquer coisa que quisesse. Ele pediu o dom do discernimento, um coração atencioso e responsivo e sabedoria.

Algumas pessoas são espertas e astutas. Outras são bem formadas e têm bom preparo acadêmico; mas sabedoria é diferente. Por mais que estudemos, não há livro que dê resposta para toda situação difícil que enfrentamos. É nessas horas que a sabedoria se faz necessária. É o que aconteceu com Salomão, no caso das duas mães que disputavam a maternidade de uma criança, quando não havia teste de DNA para comprovar de quem era o filho. Sua decisão não foi a de um repente gênio, mas a de uma pessoa objetiva, a mais adequada e no melhor momento.

Salomão, além de ser sábio, se tornou também muito rico. Era um grande colecionador e patrono das artes. Escreveu três mil provérbios e mil e cinco cânticos, e os livros de Eclesiastes, Cantares e Provérbios, este último um verdadeiro tratado de sabedoria.

Qual foi o erro de Salomão? Deixou de andar nos caminhos do Senhor. Por conveniência política, casou-se com centenas de mulheres estrangeiras que não adoravam a Deus, e construiu altares para os deuses delas – e adorava com elas.

Salomão não foi o primeiro nem será o último a nos ensinar que, mesmo que tenhamos tido um bom começo, não nos está assegurado um final feliz e com êxito. Temos que continuar bem até cruzar a linha de chegada.

No fim da vida, Salomão “desceu ao túmulo como homem arrependido; mas seu arrependimento e lágrimas não conseguiram apagar [...] os estigmas de seu infeliz afastamento de Deus” (Vidas que Falam [MM 1971], p. 200).

O conselho que Davi deu para Salomão também serve para nós: “Obedeça ao que o Senhor, o seu Deus, exige: ande nos Seus caminhos e obedeça aos Seus decretos, aos Seus mandamentos [...]; assim você prosperará em tudo o que fizer e por onde quer que for” (1Rs 2:3).