Ele Não Está Aqui!

“O anjo disse às mulheres: “Não tenham medo! Sei que vocês estão procurando Jesus, que foi crucificado. Ele não está aqui; ressuscitou, como tinha dito.” (Mateus 28:5, 6)

Estávamos reunidos na sede de acampamento Mount Aetna, nas redondezas de Washington, durante a Semana Santa. Com a equipe do Ministério Jovem da Associação Geral, estavam também os diretores do Ministério Jovem de cada Divisão da igreja no mundo, aproximadamente 25 pessoas ao todo.

No domingo pela manhã, o pastor Richard Barron, então associado do Departamento Jovem da Associação Geral, realizou o devocional. Com seu jeito peculiar de falar, retórica rica e imaginação brilhante, cumprimentou a todos: “Cavalheiros, quero lembrar a vocês que hoje é o domingo da Páscoa, dia da ressurreição.” E acrescentou: “Havia no Céu uma agitação incomum, como se alguma coisa importante estivesse para acontecer. Gabriel se aproximou do Pai e perguntou: ‘Senhor, posso ir? Posso ir, Senhor?’ E quando Deus deu a ordem, Gabriel saiu com a velocidade da luz. Quando estava se aproximando de Júpiter, começou a frear. Ao chegar à Terra, o impacto foi tão grande que a terra tremeu, a pedra que fechava a sepultura de Jesus rolou e o Filho de Deus ressuscitou.”

É verdade, ninguém podia deter o Filho de Deus na sepultura. As palavras dos anjos às mulheres foram: “Não tenham medo. [...] Vocês estão procurando Jesus, o Nazareno, que foi crucificado. Ele ressuscitou!” (Mc 16:6).

A ressurreição marcou o início de uma nova criação. Tudo na natureza parecia, de maneira eletrizante, estar traduzindo a vida nova que Jesus trazia. A luz do Sol brilhava com mais força e intensidade; os pássaros cantavam mais forte. As flores desabrochavam com mais beleza; cada botão se abria com mais vigor. A fonte jorrava com mais força. Mães sorriam e bebês paravam de chorar.

Quando os discípulos receberam a notícia, foram tomados por novo vigor. Respiravam uma atmosfera de vitória e conquista. Era uma realidade boa demais para se acreditar. Aquele domingo se tornou um dia de alegria e celebração. Aquela manhã foi testemunha da maior manifestação de triunfo: a morte não teria mais a palavra final.

Se Jesus ressuscitou, todas as promessas dEle se cumprirão; tudo aquilo que Ele disse que faria, Ele fará.

Glória a Deus! Ele vive!