Conversa ao Pé da Fogueira – 2

“Quando [os discípulos] desembarcaram, viram ali uma fogueira.” (João 21:9)

Esta seção em minha Bíblia tem o título de “Jesus restaura a Pedro”, e é uma espécie de modelo daquilo que Jesus faz todos os dias na vida de milhares de pessoas, inclusive na sua e na minha. A história se passa também ao pé de uma fogueira. Mesmo que vários discípulos tivessem participado dessa pesca, nem todos permaneceram ali. Por uma providência que só Deus sabe como arranjar, levando as pessoas para longe quando um amigo tem que conversar com o outro para ajudá-lo, todos se retiram da cena, ficando apenas Jesus e Pedro.

Será que Pedro poderia voltar a ser o que era antes, recuperando sua credibilidade? Será que podemos voltar atrás do nosso erro? Será que Pedro estava se lembrando de outra fogueira algumas semanas antes? Nesta hora, ele nem levantava os olhos. De outras vezes tão intempestivo, afoito e pronto a falar, agora estava silencioso. Cutucava a fogueira e mexia nas brasas porque não sabia o que dizer.

Jesus tomou a iniciativa e quebrou o silêncio, num tom de voz próprio de um diálogo amistoso. Jesus não disse: “Pedro, eu contava com você. De todos os discípulos, você foi o único que disse que ia ficar comigo até o fim e foi embora, justamente no pior momento!”

O diálogo foi bem outro: “Pedro, você Me ama de verdade? Mais do que a seus amigos? Mais do que a esses barcos? Mais do que a sua família?” Mas Pedro não estava com muita disposição para falar, e nem mesmo levantava o olhar para conversar com Jesus. Mexia nas brasas para esconder os soluços, e Jesus respeitou esse momento.

Quando perguntou novamente, Pedro respondeu: “Senhor, eu sou Teu amigo.” Ah! Jesus havia rompido o selo de autoconfiança do discípulo. Agora Pedro podia olhar diretamente para Jesus. “Senhor, Tu sabes tudo. Sabes o que está em meu coração. Eu não quero errar de novo.”

É sempre assim. No escorregão, na queda, Jesus toma a iniciativa e Se aproxima de nós. A pergunta que Ele fez para Pedro é a que também faz para nós: “Você permite que Eu o ame?”

Como Ele está mais interessado na direção em que você está indo do que onde você esteve, então não temos por que ficar envelopados ou enredados em sentimentos de autocondenação. Devemos nos tornar acessíveis a Jesus. Ele vai dizer: “Deixe que Eu o ame. Conheço as suas esperanças. Não precisa tentar fazer nada para ganhar Meu amor. Tudo o que Eu quero é que Me permita amar você.”

É verdade! Nada como um encontro ao pé da fogueira!