O Eclipse

Mas para vós outros que temeis o Meu nome nascerá o sol da justiça, trazendo salvação nas suas asas. (Malaquias 4:2)

No dia 29 de março de 2006, a Lua causou um eclipse total do Sol, um evento que não se repetirá por 83 anos. Aqui, na Bereia bíblica, esperávamos apreciar uma visão de 82%, não o fenômeno completo, que seria visível na Grécia, somente na minúscula ilha de Kastelorizo.

O grande dia raiou sem nada, aparentemente, que o distinguisse de qualquer outro dia. Entretanto, muito gradualmente, uma meia-luz começou a insinuar-se sobre a cidade, a atmosfera ficou notavelmente mais fresca enquanto o dia avançava, e a Lua lançou sua sombra escura entre nós e o Sol. Por volta do meio-dia, havia uma escuridão estranha, nevoenta; uma atmosfera fria e irreal; e a agitação beirou o temor enquanto as pessoas se reuniam do lado de fora, em pequenos grupos, para assistir ao fenômeno. E então acabou. A luz, com intensidade crescente, baniu as trevas, a atmosfera clareou e o Sol, novamente, refulgia num céu sem nuvens.

Muitos, entre nós, não esperam ver outro eclipse total do Sol, mas com que frequência experimentamos nossos pequenos “eclipses” pessoais na vida diária? Um dia, enquanto o Sol da Justiça está brilhando em nossa vida e nos deleitamos, felizes, no Seu cálido amor, acontece. Gradualmente a luz diminui, e uma escuridão fria se introduz em nosso coração. Olhamos para cima, para o nosso “Sol”, mas surge uma sombra entre Ele e nós, uma sombra negra e ameaçadora, e nos sentimos rejeitados, frios, desanimados, embora não entendamos o porquê.

Nessas ocasiões, é proveitoso recordar algumas verdades eternas. Primeira, essas experiências são inevitáveis e chegam para todos nós, às vezes. Não são permanentes. Elas vêm e vão. Mais importante, porém, é nos lembrarmos de que, embora Satanás imponha sua hedionda sombra entre nós e nosso Sol da justiça, apagando Seu calor e luz e esfriando nosso coração com sua maligna presença, o Sol continua lá e ainda espalha sobre nós a calidez do Seu amor, mesmo que, por algum tempo, não a sintamos. Por fim, não nos esqueçamos de que outros serão influenciados por nosso estado de espírito e conduta. Assim, quando esses dias surgirem, aguardemos paciente e alegremente até que a sombra má seja removida e, mais uma vez, desfrutemos o brilho do Seu amor.


(Revel Papaioannou)