Morte por afogamento

"Assim, o Senhor livrou Israel, naquele dia, da mão dos egípcios; e Israel viu os egípcios mortos na praia do mar." (Êxodo 14:30)

Bem cedo, pela manhã, homens, mulheres e crianças viram centenas de corpos espalhados na praia do Mar Vermelho. Não houve um só sobrevivente. Os mortos pertenciam ao exército egípcio.

A Bíblia revela que aquela catástrofe não foi acidental. Antes que o povo de Israel atravessasse o mar, Deus disse a Moisés: “Não temais; aquietai-vos e vede o livramento do Senhor que, hoje, vos fará; porque os egípcios, que hoje vedes, nunca mais os tornareis a ver” (Êx 14:13). Portanto, os corpos dos soldados do Faraó foram jogados na praia devido a um plano premeditado de Deus. Ele avisou a Moisés que faria isso.

Mas esse não era o objetivo de Deus para aqueles egípcios. Através de Moisés Deus deu a Faraó a oportunidade de cooperar com Ele, e ajudá-lo a libertar Israel. E para lhe dar um vislumbre do Seu poder, começou a operar maravilhas pela mão de Moisés.

Não adiantou. Faraó não quis se deixar convencer. Então seguiu-se uma série de pragas, de gravidade progressiva, que devastaram o Egito. Através de rãs, piolhos, moscas, pestes, úlceras, saraiva, gafanhotos, trevas, Deus tentou afastar Faraó e seu exército do Mar Vermelho. Deus estava fazendo o possível para evitar que o exército de Faraó perecesse no mar.

Finalmente Deus fez um último esforço para convencer o Faraó a libertar os israelitas: obrigou-o a ajoelhar-se diante do caixão de seu filho mais velho. Junto à sepultura do príncipe herdeiro ele resolveu deixar o povo ir. E o povo de Israel saiu.

Mas, em seguida, ele voltou à sua incredulidade. Convocou o seu exército e mandou-o atrás do povo de Israel. Foi somente então, depois de Faraó ter desperdiçado todas as oportunidades divinas e ter pecado contra o Espírito Santo, que Deus fez com que os soldados desse governante se afogassem nas águas do Mar Vermelho. Deus não queria que houvessem essas mortes. Mas a dureza de coração do Faraó levou a essa perda de vidas.

O laudo do Instituto Médico Legal da época, sobre a morte dos soldados do Faraó, pode ter sido: Morte por Afogamento. Já o veredito divino sobre a conduta desse monarca foi: Persistente endurecimento do coração à voz do Espírito Santo.

“Hoje, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb 3:7, 8).