Caindo aos Pés de Jesus

Lancem sobre Ele toda a sua ansiedade, porque Ele tem cuidado de vocês. (1 Pedro 5:7)

Eduardo, de dois anos de idade, sempre foi saudável, corado, cheio de alegria, um verdadeiro presente de Deus. Durante uma viagem do Paraná a São Paulo, Brasil, ele teve febre. Ministramos um tratamento normal para febre, achando que fosse resfriado. Três dias depois, a febre persistia. Ele estava fraco e anêmico, e havia perdido quase um quilo. Nós o levamos ao doutor, e foi prescrita a medicação. Mas a febre persistia.

Consultamos outro médico. Agora não era só anemia, mas suspeita de uma infecção no coração. Foram receitados antibióticos e remédios anti-inflamatórios. Sua situação, apesar dos remédios, continuou a mesma por 15 dias. Então, consultamos outro especialista. Agora se suspeitou de leucemia. Fomos a uma cidade maior, onde os hospitais eram mais bem equipados, e nosso filho foi confiado aos cuidados de um especialista em sangue. Nem após a internação no hospital e exames foi descoberta a causa. “Desconhecida”, declarou o médico.

Depois de mais nove dias no hospital, com febre persistente, Eduardo estava muito mais magro e anêmico, recebendo penicilina e outros medicamentos por via intravenosa. Na nona noite, não sabíamos mais o que fazer, aonde ir, a quem recorrer.

Caímos de joelhos, sabendo que havíamos feito tudo ao nosso alcance. Naquela oração, suplicamos a Deus que realizasse um milagre em favor do nosso filho. Nosso pedido era a Sua direção em todas as coisas, porque desejávamos servi-Lo; mas também queríamos ter nosso filho conosco. Então, pela primeira vez em quase 40 dias, finalmente dissemos: “Senhor, seja feita a Tua vontade, e não a nossa.”

Naquela noite e na manhã seguinte, Eduardo não teve febre. Os médicos lhe deram alta hospitalar. Em casa, porém, a febre intensa retornou. Um amigo sugeriu um médico especialista em doenças infecciosas. Naquele dia, ele tomou conhecimento do caso e concluiu que Eduardo tinha um vírus no fígado. Isso lhe tirava as forças, e todos os remédios tomados até aquele ponto só haviam fortalecido o vírus. Uma medicação diferente foi prescrita e, três dias depois, nosso filho corria por toda parte, trazendo-nos alegria e a certeza de que precisamos sempre entregar a Deus todos os nossos desejos, porque Ele cuida de nós.


(Eva Maria Rossi Mello)