Amor doentio

O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, [...] não procura os seus interesses. (1 Coríntios 13:4,5)

Um rapaz se apaixonou por uma linda moça. E se enamorou dela a ponto de adoecer. Não conseguia mais dormir, emagrecia a olhos vistos, e ficou com a aparência de um doente.

Esse rapaz tinha um primo muito astuto. E este, ao visitá-lo, lhe perguntou: “O que está acontecendo com você, que fica cada dia mais magro? Por que você não me conta?” E o moço lhe contou que estava apaixonado por uma irmã sua, por parte de pai, e não sabia como se aproximar dela, pois ela não saía da casa da mãe.

Então o primo lhe deu uma ideia: “Vá para a cama e finja que está doente. Quando seu pai for visitá-lo, peça-lhe que mande sua irmã preparar-lhe comida. Daí você sabe o que fazer.”

Ele assim fez. Quando a irmã chegou, mandou que todos saíssem e pendurou na porta uma placa: “Não perturbe.” Ela, sem desconfiar de nada, entrou no quarto dele para dar-lhe a comida. Então foi estuprada.

O nome do rapaz era Amnom, filho do rei Davi, e sua irmã se chamava Tamar. A narrativa completa não está nos jornais de notícias populares, mas em 2 Samuel 13, e foi incluída nas Sagradas Escrituras para mostrar as trágicas consequências que os defeitos dos pais trazem sobre os filhos.

Quando Davi soube o que havia acontecido, ficou furioso, mas não teve autoridade moral para punir o crime sexual do filho, pois ele próprio havia dado mau exemplo, sendo culpado de adultério e homicídio. Segundo a legislação, Amnom devia ser morto, mas como filho do rei, possuía “imunidade diplomática”, e o seu crime só não terminou em “pizza” porque Absalão, irmão de Tamar, fez justiça com as próprias mãos, matando Amnom dois anos depois. Posteriormente, Absalão também foi assassinado. E essa sequência de crimes cumpriu a profecia de Natã, de que a espada não se apartaria da casa de Davi (2Sm 12:10).

A história também mostra que o “amor” de Amnom por Tamar não passava de uma paixão doentia, de caráter passageiro, que buscava apenas a gratificação sexual. Tanto é que, logo após conseguir o que queria, Amnom sentiu por ela uma aversão maior do que o amor que lhe votara. E a expulsou à força, cometendo o segundo ato de violência.

A paixão é irracional e dura pouco. O amor é racional e duradouro. Ele restaura, exalta e age com bondade.