Você não pode mudar

Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas? Então, poderíeis fazer o bem, estando acostumados a fazer o mal. (Jeremias 13:23)

O escritor Mark Leyner escreveu certa vez um artigo no qual perguntou: “Pode uma pessoa realmente mudar?” E ele próprio respondeu: “Não. Não existe tal coisa como um homem transformado.”

De certo modo, Mark Leyner tem razão. Você e eu não podemos mudar. E quando a pessoa não quer mudar, ela não muda, mesmo que “ressuscite alguém dentre os mortos” (Lc 16:31). Quando Lázaro foi ressuscitado por Jesus, os principais sacerdotes resolveram matar, não só Jesus, mas também Lázaro (Jo 11:53; 12:10).

Nicodemos também pensava assim: se você é judeu, é judeu; se é gentio, é gentio. Nada pode mudar isso. Mas o que Jesus queria ensinar a esse fariseu sincero, é que os sinais e milagres que Ele operava não eram tão importantes como a mudança do coração do homem, que só poderiam ser descritas como um novo nascimento.

A mudança que se opera em nós, quando aceitamos o evangelho, não é produto deste mundo ou de esforço pessoal. Eu não posso mudar, assim como não pode o etíope mudar a sua cor, nem o leopardo as suas manchas. Mas o que Mark Leyner não conseguia entender, o apóstolo Paulo entendia. Quando permito a operação do Espírito de Deus em mim, Deus muda meu coração, e “já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim” (Gl 2:20).

O famoso pianista judeu, Arthur Rubinstein, foi certa vez entrevistado na televisão por Golda Meir, que na ocasião era primeira-ministra de Israel. Em determinado momento, ela lhe perguntou: “Mencione o maior evento de sua vida.” Rubinstein respondeu: “Foi quando aceitei, em meu coração, a Jesus, o Messias. Desde então minha vida mudou, e passei a desfrutar alegria e paz.”

Golda Meir não esperava essa resposta, e recostou-se em sua cadeira com uma expressão de espanto.

Pelo poder de Deus “homens e mulheres têm quebrado a cadeia do hábito pecaminoso. Têm renunciado ao egoísmo. O profano tem-se tornado reverente; o bêbado, sóbrio; o pervertido, puro. Pessoas que tinham a semelhança de Satanás, transformaram-se na imagem de Deus. Essa transformação é em si mesma o milagre dos milagres” (Educação, p. 172).

Se você não acredita nisso, pergunte a Maria Madalena, a Mateus, Paulo, Pedro, ou a alguém que você conhece pessoalmente. A prova de um verdadeiro encontro com Cristo é sempre uma vida transformada.