Memória curta

Cedo, porém, se esqueceram das Suas obras e não Lhe aguardaram os desígnios. (Salmo 106:13)

A mídia tem afirmado, com insistência, que a memória coletiva do brasileiro é curta, e as pessoas se esquecem das coisas muito depressa. Um exemplo é o caso do Mensalão, ocorrido em 2005, e que muitos já não se lembram bem. Isso para não falar de outros escândalos, como o dos “anões” do orçamento federal, o escândalo da mandioca, os dólares na cueca, e outros, já relegados ao esquecimento.

O problema da memória curta não é peculiaridade dos brasileiros. A imprensa em Portugal usa o mesmo termo para qualificar muitos dos seus cidadãos. Esta é, na verdade, uma característica da humanidade, cujos registros remontam aos tempos antigos.

Vejam, por exemplo, o caso do copeiro-chefe de Faraó, que teve um sonho, na prisão, e José, após dar a interpretação correta, lhe pediu: “Porém lembra-te de mim, quando tudo te correr bem; e rogo-te que sejas bondoso para comigo, e faças menção de mim a Faraó, e me faças sair desta casa” (Gn 40:14).

Mas tão logo o copeiro foi reintegrado ao cargo, esqueceu-se completamente de José. Só se lembrou dele dois anos depois, quando o próprio Faraó teve um sonho e ficou perturbado.

O povo de Israel foi libertado da escravidão egípcia pelo poder de Deus. Vários milagres foram operados, como a passagem em seco pelo mar Vermelho, a água que saiu da rocha, o maná, a coluna de nuvem durante o dia e a coluna de fogo à noite. No entanto, enquanto Moisés se demorava no monte Sinai, recebendo as tábuas da lei e outras instruções, Deus lhe disse após quarenta dias: “Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste sair do Egito, se corrompeu e depressa se desviou do caminho que lhe havia Eu ordenado” (Êx 32:7, 8).

Memória curta. Depressa se esqueceram das maravilhas operadas por Deus. São inúmeras as referências bíblicas que narram o mesmo fato nas seguintes palavras: “Os filhos de Israel fizeram o que era mau perante o Senhor e se esqueceram do Senhor, seu Deus” (Jz 3:7). “Porém esqueceram-se do Senhor, seu Deus” (1Sm 12:9). “Porquanto te esqueceste do Deus da tua salvação e não te lembraste da Rocha da tua fortaleza” (Is 17:10). “Porque Israel se esqueceu do seu Criador e edificou palácios” (Os 8:14). Por isso são igualmente abundantes as admoestações: “Lembra-te” e “não te esqueças”.

Você também tem memória curta? Pois lembre-se de não esquecer de nem um só dos benefícios divinos.