Parecidos por fora

"Mas Ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço." (Mateus 25:12)

Dois soldados alemães, agachados lado a lado, ergueram a cabeça sobre a trincheira, observaram atentamente a escuridão, e então se agacharam de novo.

Os dois haviam nascido na mesma vila da Bavária, tinham sotaque idêntico, possuíam a mesma graduação e falavam com o mesmo fervor sobre a luta para defender a pátria e a honra do imperador. Alguns dos seus companheiros, gracejando que os dois estavam começando a ficar parecidos, os apelidaram de “gêmeos”.

Os gêmeos passaram a noite cheios de temerosa expectativa. Então, quando o sol começou a iluminar o horizonte, os franceses atacaram com toda a fúria. Balas passaram assobiando sobre a cabeça dos gêmeos, bombas explodiram no chão, e a confusão foi total.

Imediatamente as tropas imperiais se levantaram para enfrentar o inimigo. Os gêmeos se ergueram também. Mas enquanto um deles avançou, envolvendo-se em combate corpo-a-corpo, o outro fugiu!

Gêmeos? O perigo mostrou que embora eles fossem muito semelhantes por fora, por dentro eram tão diferentes que quando a fumaça se dissipou, um foi condecorado por bravura e o outro fuzilado por covardia.

Dentro da igreja há, também, dois grupos de pessoas muito parecidas por fora: as roupas são imaculadas, o sorriso cativante e as palavras amáveis. Ambos professam as mesmas crenças, leem a Bíblia, promovem as mesmas verdades espirituais e aguardam a volta de Jesus.

Mas quando Jesus voltar, dirá a um desses grupos, por melhor que seja sua aparência externa: “Em verdade vos digo que não vos conheço.” Este é o grupo que não estará preparado para Sua vinda e representa as virgens imprudentes da parábola (Mt 25:1-13).

Como a parábola bem o demonstra, a aparência externa não é suficiente. O que realmente têm importância é “o seu Espírito no homem interior” (Ef 3:16). Nessa parábola, tanto os salvos como os perdidos parecem idênticos em suas formas, cerimônias e profissão de fé.

Mas a metade deles não possui o ingrediente mais importante, que é o poder do Espírito Santo no coração.

E essa é uma diferença maior do que a que existe entre uma medalha de honra e um pelotão de fuzilamento, como no caso dos gêmeos. Trata-se da diferença entre vida eterna e morte eterna.