Seis meses a leite e aveia

"Para buscarem a Deus se, porventura, tateando, O possam achar, bem que não está longe de cada um de nós." (Atos 17:27)

Em janeiro de 1974, o Pastor Malton Braff, com a esposa e três filhos pequenos, deixou a vida confortável na Suíça e aceitou um chamado para presidir a Missão Cabo Verde-Guiné Bissau, com sede na cidade da Praia, ilha de Santiago, no arquipélago de Cabo Verde.

As condições na ilha eram um tanto precárias, na época. Havia pouca água e quase não se produzia alimentos. Seus habitantes dependiam, em grande parte, dos mantimentos trazidos de navio, vindos de Portugal a cada quinze dias.

Durante um ano os navios chegaram regularmente com sua preciosa carga. Então uma ideia começou a surgir com insistência na mente do pastor Malton: “Faça estoque de alimentos! Faça estoque de alimentos!”

Ele possuía algumas economias que estava reservando para alguma emergência e não pretendia gastá-las dessa maneira. Mas aquela ideia de estocar alimentos continuou a persistir em sua mente até que ele não aguentou mais. Lançando mão de todo o dinheiro que possuía, comprou o que estava disponível no comércio local: leite em pó e aveia. Foi uma compra grande, e sua casa se encheu de caixas e latas de leite e aveia.

Tão logo ele fez esse estoque, os navios que traziam os mantimentos pararam de vir, devido a problemas políticos. Não chegou um só navio durante seis meses. Durante todo esse tempo, ele, a esposa e os três filhos se alimentaram basicamente de leite e aveia. Ao fim de seis meses, quando o estoque estava no fim, os navios retornaram, reiniciando o abastecimento à ilha.

Malton Braff tem certeza de que esse episódio não foi produto do acaso. Da mesma maneira como Deus sabia que viriam sete anos de fome sobre o Egito, e avisou Seu servo José para estocar alimentos durante os sete anos de fartura, Ele também sabia que viriam seis meses de escassez sobre a ilha de Santiago e avisou Seu servo Malton Braff para fazer a devida provisão.

Às vezes, nos sentimos perdidos em meio a uma crise, e somos tentados a pensar que Deus nos abandonou. Mas Ele manifesta Seu amor e cuidado por nós, não removendo a dificuldade, mas falando ao nosso coração e mostrando como devemos preparar-nos para enfrentá-la.

Confiemos em Deus, pois Ele “não está longe de cada um de nós”.