O Cristo de que Necessito

Vós sois dEle, em Cristo Jesus, o qual Se tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor. (1 Coríntios 1: 30, 31)

O caráter e a missão de Jesus Cristo podem ser apreciados sob dois aspectos distintos: o de Cristo como Salvador e o de Cristo como Senhor. O primeiro é a revelação do amor de Deus; o segundo é a revelação da Sua justiça. O primeiro agrada, o segundo não.

Amar para ser amado é natural. Porém, não é natural amar para ser mandado. Enquanto o senhorio de Cristo contraria a índole humana, Seu amor a satisfaz plenamente porque oferece aparente fuga para as faltas e atua como bálsamo suavizante para a consciência atribulada.

Um pregador encontra simpatia entre os ouvintes quando apresenta a ternura, a misericórdia e o amor de Deus. Porém, já não é um pregador tão apreciado se enfatizar a soberania de Deus, a doutrina da santidade e da obediência, reforçando os princípios da honestidade, da fidelidade e da pureza. Acontece o mesmo, se ele apresenta Cristo como Salvador e também Mestre e Senhor de nossa vida.

Cristo é Amigo e Salvador, mas é também Mestre e Senhor. Não basta receber amor. É preciso conhecer as condições pelas quais esse amor pode ser manifestado, apreciado e sentido pela alma transformada.

Assim, o evangelho completo é o evangelho do amor e da justiça, dos privilégios e responsabilidades, do Cristo Salvador e do Cristo Senhor.

Um belo caráter é forjado pela combinação de dois elementos gêmeos: o amor e a obediência. As flores se tornam mais apreciadas quando combinam a beleza de suas cores com a estrutura do seu caule. A flor é agradável de se apreciar, o caule não tanto, especialmente se tiver espinhos. Mas, mesmo assim, não deixa de ser necessário.

A pessoa de Cristo tem sido identificada e apresentada mais como Amigo e Salvador do que como Senhor e Mestre. É a flor sem o caule capaz de apoiar-se? Não se forma um caráter para o Céu com um preparo unilateral. O evangelho é o poder de Deus que nos induz à adoração e à submissão, que aproxima o homem da Pessoa de Cristo como Amigo, para ajoelhar-se na Sua presença e obedecê-Lo como Mestre e Senhor.

O caráter do cristão é uma espécie de tecido feito com os fios do amor e da obediência, manipulados pelas mãos de Cristo, o grande Tecelão de nossa vida.

REFLEXÃO: “Assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura” (2Co 5: 17).