O Queijo Gratuito do Diabo


“...julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal” (I Tessalonicenses 5:21 e 22).

Recurso Visual: Uma ratoeira com mola.

Meu vizinho costumava manter um rato em um pote. Bem, não era exatamente tão mau quanto possa parecer. Ele pegava jarras de mais de três litros, enchia-as com feno e fazia buracos na tampa. Então pegava um ratinho cinza do mato e o colocava na jarra. Ele não era mau, pois alimentava e dava de beber aos ratos. Depois de observar como faziam seus ninhos e os pequenos túneis no feno, ele os libertava. No pior dos casos, era como se o camundongo permanecesse por um tempo em um “quarto de hotel de vidro”.

Os camundongos podem ter uma sorte muito pior quando entram nas casas das pessoas. O que o pequeno camundongo não sabe é que há queijo gratuito em cada ratoeira, mas há também um preço terrível a ser pago, mesmo que seja por um bocadinho de queijo!

O mesmo se dá com os seres humanos. Os maus hábitos iniciam quando você belisca o “queijo do diabo” e, assim como o camundongo, logo descobre que terá de pagar um preço terrível. Os amigos podem oferecer-lhe uma tragada de cigarro. Eles sempre dizem sempre a mesma coisa: “Vamos lá, uma simples tragada não irá matá-lo!” Então você cede e dá uma tragada. Seus amigos estavam certos, isso não o matou. Dias depois, você dá outra tragada. Ao fazê-lo, você está mordiscando “o queijo do diabo” novamente. Então, fuma todo um cigarro e, antes que se dê conta, foi pego na armadilha! (Para provocar um efeito mais dramático, solte a mola da ratoeira.)

Os maus hábitos iniciam quando você mordisca o “queijo do diabo”. Os amigos podem oferecer-lhe vinho ou cerveja. E eles dizem sempre a mesma coisa: “Vamos lá, um gole apenas da bebida não irá matá-lo!” Você cede e prova. O gosto é horrível! Mas, dias depois, você toma outro gole e então outro. Novamente, você está mordiscando o “queijo do diabo”. Depois você tenta tomar toda uma garrafa e, antes que se dê conta, foi pego na armadilha! (Dispare novamente a mola da ratoeira.)

Os maus hábitos iniciam quando você mordisca o “queijo do diabo”. Os amigos podem oferecer-lhe algum tipo de droga. E lá vêm eles novamente, dizendo a mesma coisa: “Vamos lá, um pouquinho só não irá matá-lo!” Você cede e experimenta. O gosto é terrível! Mas, dias depois, você prova um pouco mais. Você está mordiscando o “queijo do diabo”. Depois de provar mais um pouco, você é apanhado na “ratoeira”! (Repita a mesma ação.)

O “queijo do diabo” tem um efeito colateral grave. Ele produz resultados mortais. Se você come desse “queijo gratuito”, ele irá prendê-lo na sua “ratoeira”. Essa é uma armadilha que poderá feri-lo mortalmente! (Dispare outra vez a mola da ratoeira).

Lembre-se de que cada ratoeira tem um pedaço gratuito de queijo. As “ratoeiras” do diabo sempre têm “queijo gratuito”, mas, de igual forma, como ocorre com outras ratoeiras, ela se destina a pegá-lo! As crianças espertas afastam-se desse “queijo”! Por isso, devemos seguir o conselho bíblico: “...julgai todas as coisas, retende o que é bom; abstende-vos de toda forma de mal” (I Tessalonicenses 5:21 e 22).