Em um belo sítio, morava uma família muito feliz: o papai, a mamãe e um garotinho chamado Beto. O pequeno tinha um gato chamado Léo e um cachorro chamado Nico.

Desde que Beto era um bebezinho os animais já gostavam dele. A mamãe colocava a criança na rede para dormir, e se ele acordasse chorando, lá vinham seus amigos correndo. Nico, por exemplo, colocava a focinho e empurrava a rede para Beto parar de chorar. Eles se tornaram grandes amigos.

Beto foi crescendo ciente da importância de sempre tratar bem dos animais. Ele dava comida e água, colocava a cama deles no sol, limpava a sujeira... Enfim, eles se divertiam muito e estavam sempre juntos.

- - Olhem pessoal, esse é o meu amigo beto!


Lá no sítio onde Beto morava não havia água encanada. Sempre que Fosse preciso, sua mãe ia até o poço, onde havia um balde amarrado numa corda. Ela desenrolava a corda, jogava o balde no fundo e puxava novamente. Então, o balde vinha cheio de água. Como a poço não era muito fundo, seu pai não se preocupou em tampá-lo. Porém, o casal sempre repetia:

- Beto, nunca chegue perto do poço sozinho, porque é muito perigoso. Se você cair lá dentro, não terá como sair e pode até morrer afogado.

Mas o garoto gostava muito de ver sua mãe tirando água. Sempre que ela ia até o poço, lá iam Beto, Léo e Nico.

Quando o garoto estava com cinco anos, uma coisa terrível aconteceu. Ele, desobedecendo às ordens dos seus pais, resolveu ir sozinho até o poço para dar uma olhadinha. Seus amigos inseparáveis a acompanharam. Naquele instante, seu pai fazia tarefas do sítio, enquanto sua mãe cuidava de Bia, Irmã de Beto, que tinha nascido há poucos meses.

Chegando ao poço, Beto pegou o balde e começou a desenrolar a corda.


Chegando ao poço, Beto pegou o balde e começou a desenrolar a corda.

Quando estava tudo desenrolado, o pequeno, pensando em jogar o balde no poço, se inclinou para frente. Sem equilíbrio, caiu dentro da cavidade e começou a gritar:

- Socorro! Alguém me ajude, por favor!

Meu amigo Memiliano e um outro garoto que estavam escutando a história ficaram muito preocupados, dê uma olhada.


Do lado de fora, Nico e Léo ficaram desesperados. Miados e latidos em alto volume. Sua mãe escutou a barulho e correu para fora, chamando o papai:


- Os bichos estão desesperados, querido! Corra, alguma coisa aconteceu com o Beto! Ele correram e chegaram rápido.

- Beto, agarre no balde e segure com toda sua força - gritou a mãe.

Pronto. Eles conseguiram puxar a balde e Beto veio pendurado na corda. Que susto! A sorte é que o poço não era muito fundo.

Depois da tensão, Beto pulou para o colo da mãe e lhe deu um abraço bem forte. Em seguida, recebeu um banho quente, e foi direto para debaixo do cobertor. Assustado, ficou sentado quietinho no sofá, junto aos fieis escudeiros Léo e Nico, e se desculpou com seus pais:

- Me desculpem. Eu nunca mais vou desobedecer vocês. Aprendi a lição - disse.

- Sim, filho. Saiba que se o proibimos de fazer alguma coisa, é porque sabemos do perigo que você corre. A preocupação existe para a seu bem - disse o pai.

- Estou contente que tudo tenha terminado bem - disse a mamãe. - Mas levei um susto enorme! Sabe a que eu percebi também? Você tem amigos realmente especiais! O Nico e o Léo salvaram sua vida hoje. E isso é porque você sempre cuidou deles com muito carinho e amor.

Acho que hoje você aprendeu duas lições muito importantes, filho: primeiro, nunca desobedeça seus pais; e segundo, trate sempre bem os animaizinhos, e procure se tornar amigo deles. A amizade deles é muito sincera e um dia pode salvar a sua vida!

E principalmente, não se esqueça de agradecer ao seu grande Amigo que te ama muito e sempre te protege.


E você já agradeceu a Deus hoje?