Isto Não Me Importa

Uma liga de temperança que se havia organizado em S. Luís, nos Estados Unidos, solicitou uma pequena contribuição de um rico fazendeiro da vizinhança. A sua resposta foi a seguinte: "Isto é coisa que não me importa."

Alguns dias depois esse fazendeiro dirigiu-se à estação da estrada de ferro a fim de esperar sua esposa e suas duas filhinhas, que deviam chegar nesse dia. Ia justamente pensando com visível contentamento sobre o seu estado de prosperidade, quando, chegando à estação, sua atenção foi distraída desse assunto pela palavra "descarrilamento," que lhe soou aos ouvidos.

Teria acaso sucedido alguma desgraça? O Sr. X. começou a inquietar-se. Desta vez a coisa lhe importava.

A instantes perguntas suas conseguiu saber que, retirado dali uns 50 quilômetros, havia ocorrido um desastre de estrada de ferro. Incontinenti telegrafou a S, Luís.

- 500 dólares por uma locomotiva!

Resposta: - Impossível.

- 1.000 dólares por uma locomotiva?

Resposta: - Máquinas disponíveis acabam de partir, conduzindo médicos ao local do sinistro.

Lívido de comoção, o Sr. X. começou a medir a largos passos a plataforma da estação Decorreu uma meia hora que lhe pareceu uma eternidade. Afinal o comboio chegou.

Num vagão de carga, que havia sido transformado em ambulância, o infeliz fazendeiro encontrou os cadáveres mutilados de sua mulher e de uma filha, e no outro carro a sua segunda filha em estado desesperador.

Decididamente: O caso lhe importava!

E qual fora a causa deste desastre?

Alguns cálices de cachaça que um dos empregados havia tomado.

Quem ousará afirmar que a questão do álcool não lhe importa?