O Guarda-Florestas e o Capitão de Ladrões

Houve, anos atrás, um guarda-florestas chamado Grimez, que habitava em solitário retiro nas florestas montanhosas da Prússia. Sua família era composta da mulher, sua velha mãe e uma filha de doze anos, mais ou menos. As senhoras eram cristãs devotas, mas ele era incrédulo. Não acreditava em Deus e zombava muitas vezes das orações de sua mulher, que ele dizia serem produto de uma "louca confiança em Deus."

Em uma noite tempestuosa de outono, o vento assobiava através das árvores. O guarda, que saíra de manhã, ainda não voltara. As duas mulheres estavam sentadas ao fogo. Por causa da sua demora, elas estavam já um tanto assustadas. Sabia-se que uma quadrilha de ladrões infestava o bosque, de forma que havia, de fato, perigo. O guarda era funcionário do rei da Prússia, e era seu dever guardar a floresta apesar de todos os perigos. Essa quadrilha, porém, já tinha sido presa, com exceção do chefe, que lograra fugir aos esforços do guarda. Agora o grande perigo era esse chefe, que, irado contra o guarda que lhe destruíra a quadrilha, jurara vingança. E por que aquelas mulheres sabiam disso, o seu temor era de todo justo. Estavam, pois, ansiosas, sem poder falar de outra coisa, até que por fim a senhora mais velha disse:

- Não vale a pena estar assim falando e temer tanto a respeito do chefe de nossa família: será muito melhor procurar consolo e paz na Palavra de Deus e pedir a proteção do nosso Pai que está no Céu, sem cuja vontade nem um cabelo cai de nossa cabeça. A mulher foi então buscar a velha Bíblia e leu o Salmo 71, em voz bem alta. As palavras deste Salmo lhes serviram de muito consolo, como a todos aqueles que em circunstâncias idênticas, lançam mão do apoio da Palavra Inspirada. "Em Ti, Senhor, confio; nunca seja eu confundido ... Sê Tu minha habitação forte, à qual possa recorrer continuamente ... pois Tu és a minha rocha e a minha fortaleza. Livra-me, ó meu Deus, das mãos do homem injusto e cruel."

Acabada a leitura do Salmo, leu ela um hino de acordo com as palavras de Davi. Dobraram então os joelhos em fervorosa oração, contando a Deus os seus temores e pedindo a Sua poderosa proteção, em favor delas e do seu amado que se achava em tamanho perigo. Oraram também pelos doentes e pelos pobres do lugar e não se esqueceram de pedir a graça de Deus em favor também dos malfeitores, especialmente daquele que jurara exterminar o chefe daquela família, para que Deus lhe mudasse o coração perverso e o desviasse do mau caminho. Feito essa oração, desapareceu-lhes do coração, como por encanto, todo o temor e apreensão. Pouco depois ouviam elas os passos do guarda, que se aproximava de casa. Estava são e salvo. Todas ficaram muito satisfeitas e ele não menos, pois que enquanto elas estavam assim em oração, estivera bastante temeroso por elas, não sucedesse que em sua ausência, o perigoso ladrão as surpreendesse e matasse.

Antes de se deitarem, a mulher do guarda contou-lhe quão ansiosas tinham ficado em sua ausência, e da oração que tinham feito a Deus para que o guardasse no cumprimento do dever, incólume dos perigos, e para que as guardasse também. Ele sorriu, como sempre fazia quando lhe falavam de Deus, e disse que sua mulher era louca, pois que as suas orações não tinham valor algum. Pela sua parte, preferia confiar nas suas armas infalíveis e em seus cães fiéis. E assim se pôs a examinar as portas e janelas a ver se estavam bem fechadas, carregou a sua arma de fogo e soltou os cães, julgando então que podia dormir tranqüilo, sem recear mal algum.

Uma hora depois, quando toda a família dormia já, saiu de debaixo de um banco um homem de aparência rude e feroz. Era o ladrão temido. Esse homem havia penetrado na casa às ocultas, ao pôr do Sol, enquanto não havia ninguém em casa, ocultando-se debaixo daquele banco. Ali permaneceu ouvindo tudo o que se disse em relação à sua pessoa. Ele tinha vindo ali, como é de imaginar, para tomar vingança, matando toda a família quando esta estivesse dormindo. Agora, pois, podia executar o seu plano. Ah! mas havia um empecilho. Ele foi quietinho à mesa e pôs sobe ela a faca afiada que trazia consigo, pegou a Bíblia que a mulher do guarda lera no culto da noite e que ainda estava aberta no Salmo que tinha sido lido. Aquelas palavras tinham operado sobre ele um efeito prodigioso. Experimentou então lê-lo à fraca luz da Lua, mas não o conseguiu, e fechando o livro, perplexo, ao pé da mesa, não sabia que fazer, por mais que tentasse vencer o seu estado de vacilação. Duas ou três vezes pegou a faca para executar o tremendo desígnio que ali levara, mas punha-a outra vez sobre a mesa. Pensou nas palavras consoladoras do Salmo e temeu cometer o ato. Então depôs outra vez a faca em cima da mesa e tomou consigo a Bíblia, abriu de mansinho a janela e saiu silenciosamente, que nem os cães o pressentiram. Pulou depois a cerca e desapareceu na escuridão do bosque.

Quando de manhã o guarda e a família vieram do quarto e encontraram aberta a janela e a faca em cima da mesa, notando também o desaparecimento da Bíblia, ficaram deveras surpresos. A janela aberta era sinal de que alguém estivera em casa; a faca mostrava que o plano dessa pessoa era matar; a falta da Bíblia indicava que esse livro precioso tinha sido, de qualquer forma, o salvador da casa.Toda a casa foi examinada, nada faltando, porém, senão a Bíblia. Eis aí um mistério que desafiava toda a argúcia para dar-lhe explicação plausível. A mulher do guarda dava larga à sua alegria e gratidão Aquele que os salvara. Até o marido incrédulo não podia negar que nem os cães nem as armas os tinham salvo. E deixou de rir da mulher, pensando que, de fato, há alguma coisa profunda na religião.

Depois daquela noite, não mais se ouviu falar do ladrão temível daquele bosque. Quando rebentou, logo depois, a guerra entre a Prússia e a França, houve sanguinolentos combates. Entre os que caíram no campo de batalha, estava um capitão prussiano, que não era outro senão o guarda-florestas desta história. Os soldados prussianos, supondo-o morto, abandonaram-no no campo. Um pescador, que cautelosamente vinha passando por perto, ouviu os gemidos do pobre ferido e atracou o seu barco à praia. Achando ali, banhado de sangue, o capitão prussiano, chamou um companheiro e o transportaram para o barco, conduzindo-o para a outra margem do rio, onde havia grande número de cabanas. Para uma delas dirigiram os passos, em busca de socorro para o ferido. O pescador e sua mulher trataram cuidadosamente do capitão. O bom pescador, julgando que seria conveniente, escreveu à mulher do capitão, convidando-a para vir tomar conta de seu marido e, tendo ela vindo em companhia da filha, alojou-se numa cabana vizinha, cedendo a sua ao capitão com a família, até o seu completo restabelecimento.

Durante a sua enfermidade, o capitão pensou na maravilhosa salvação que Deus operara naquela noite memorável. Pensou também na maneira por que tinha sido tratado até ali dos seus ferimentos. Em tudo isso pôde ver a mão de Deus e começou a orar seriamente, tornando-se cristão.

Depois de restabelecer-se, tratou de preparar-se para voltar para a sua casa, mostrando então desejo de pagar ao pescador toda a sua generosa hospitalidade. Este nada quis aceitar. Contou então ao guarda que a sua dívida em relação a ele era muito menor do que a sua própria. "Sou-lhe devedor," disse, "de um grande tesouro que tirei de sua casa e agora quero devolvê-lo." Foi então para dentro de sua cabana e trouxe de lá uma Bíblia.

A mulher do guarda reconheceu imediatamente naquela Bíblia, a que tinha desaparecido misteriosamente naquela noite, sem que se pudesse achar uma explicação possível. Ela apertou ao coração o velho livro amado, e o pescador contou a seguinte história; "Vejo que me não reconheceu," disse ele, fitando o guarda-florestas; "mas eu sou o ladrão que tanto trabalho deu até que foram apanhados os seus companheiros. Fiquei muito encolerizado contra o senhor por causa disso e jurei vingar-me. Entrei em sua casa uma tarde ao escurecer, com o propósito deliberado de matar o senhor e toda a família. Fiquei longo tempo oculto debaixo de um banco, esperando o momento oportuno para realizar o meu projeto. Contra a vontade fui forçado a ouvir a leitura do Salmo 71, em voz alta, pela sua senhora. Esse Salmo exerceu uma influência maravilhosa sobre mim.

"Ao orar ela, essa influência cresceu mais. Parecia que mão invisível me detinha de cometer o ato que intentava. Formou-se em mim o desejo ardente de ler esse livro. Por muitas semanas guardei-o escondido perto de sua casa, no bosque. A Bíblia se me tornou excelente companheiro e com sua leitura pude ver quão grande pecador sou eu e que grande Salvador é Jesus Cristo. O mesmo Salvador que perdoou o ladrão na cruz teve de mim compaixão e me recebeu no Seu reino. Deixei então o teatro das minhas façanhas e encontrei aqui emprego de pescador. Como Deus fez de mim uma nova criatura, desejo viver vida nova e minha mulher está-me ajudando a servir a Deus. Temos tudo o que desejamos em relação a esta vida e a bênção da esperança de uma vida futura. Tudo isso foi feito pela Bíblia que achei em sua casa aquela noite. O senhor, meu caro guarda-florestas, confiou nas suas armas e nos seus cães e eles absolutamente não o puderam guardar. Foi somente a Palavra de Deus que o guardou de embeber eu em seu corpo a lâmina de uma faca. Foi o mesmo Deus que o guardou aquela noite, que o salvou agora nesta guerra. Não me agradeça coisa alguma, mas dê louvores ao Deus misericordioso que por Sua Palavra nos salvou."