Contanto que Eu Seja Sincero

A seguinte história poderá ser lida com proveito por aqueles que se inclinam a seguir rotineiramente velhos costumes, tranqüilizando a consciência com este dito: "Contanto que eu seja sincero, tudo está bem."

O moinho ao qual Jacó e Davi haviam levado o seu saco de trigo nesse dia estava bastante ocupado. Jacó e Davi viviam num pequeno sítio que distava uns oito quilômetros da estrada de ferro central, e não estavam por isso nem um pouco contristados por terem que esperar algumas horas pela farinha. Tinham assim ocasião de observar alguma coisa da vida e do movimento do "bairro," como se chamava aquela parte da vila onde estavam a taberna, a loja e o moinho. Perambulando de um lado para outro, viam e ouviam muita coisa. Finalmente começou a cair uma forte chuva, e eles volveram ao moinho a fim de tomar uma refeição e ver se seriam logo despachados.

O filho do moleiro e o do negociante estavam empenhados numa forte discussão, que não tardou em atrair atenção de Jacó. Davi saiu a fim de ver o que era feito do trigo. Entretanto o filho do moleiro procurava convencer o filho do negociante da importância de examinar as verdades contidas na Bíblia. Este, porém, se recusava a todo argumento, objetando: "É indiferente o que o homem crê, contando que seja sincero."

O tom vigoroso e franco do mancebo agradou a Jacó e ele desejava que pudesse discutir também assim. "Não importa o que o homem crê, contanto que seja sincero," disse Jacó de si para si, enquanto tentava imprimir na mente aquela discussão sobre religião.

O Sol ia já em declínio, quando os dois rapazes receberam o seu trigo.

- Vocês têm um caminho muito mais longo a percorrer do que eu lhes desejaria, disse o moleiro, olhando para uma nuvem negra que subia no horizonte, obscurecendo o céu. Aí vem água bastante para o meu moinho.

O cavalo saiu num trote largo e logo eles haviam desaparecido numa curva da mata. A escuridão aumentou, porém, rapidamente, e a noite havia fechado quando chegaram à encruzilhada, onde era importante saber que caminho cumpria tomar. Um deles era o mais comumente usado. Neste caminho havia uma boa ponte que atravessava o rio da divisa, o qual cresce muito com as chuvas. Era este o caminho mais seguro, conquanto fosse o mais longo. O outro era uma picada através da floresta, de que costumavam servir-se os lavradores que moravam do outro lado da cidade, a fim de encurtar o caminho. Por este caminho só era possível atravessar o rio no ponto em que ele dava vau.

- Papai disse que devíamos tomar a estrada principal caso viéssemos tarde, observou Davi.

- Vamos! disse Jacó; o cavalo havia parado na encruzilhada como para dar tempo aos rapazes de refletir sobre o caminho que deviam tomar. Jacó estava de fato um pouco confuso; as curvas do caminho, que eram ladeadas de matas, e a escuridão da noite ocultavam os objetos que poderiam servir de guia. Isto, adicionado ao pouco conhecimento que tinham do caminho, tornou-os hesitantes, conquanto Jacó, que era o mais velho, não quisesse confessá-lo, por simples orgulho.

Logo que o cavalo parou, ele tornou a fustigá-lo, exclamando:

- Estamos certos!

- Estás seguro? perguntou Davi.

- Sim, conheço este caminho.

- Eu não o conheço, disse Davi; deixa-me apear e ir até onde está aquela luz, a fim de pedir informações a gente que ali mora.

- Não temos tempo a perder, respondeu Jacó. Creio firmemente que esta é a estrada principal, Davi, e isto basta, podes confiar em mim.

- A tua fé decisiva não tornará certo o caminho, observou Davi.

- Não tenho dúvida alguma a este respeito, cala-te! bradou Jacó.

- Penso que deveríamos perguntar primeiro a fim de termos certeza, tornou Davi.

Jacó, porém, instigou o cavalo, e as palavras de Davi foram ditas ao vento, que em fortes rajadas perpassava a floresta como prenúncio da tempestade que ameaçava desabar. Entretanto o cavalo corria quanto lhe permitiam as forças. Jacó estava perfeitamente satisfeito com a rápida decisão que havia tomado no tocante ao caminho, e quanto mais se adiantavam, tanto mais convencido estava de que era o caminho certo. Agora o rugido do rio sobrelevava o sussurro das frondes das árvores.

- Instiga ainda uma vez o cavalo e num momento teremos transposto a ponte, exclamou Jacó, e que me dirás então tu, meu velho rapaz?

- Quisera que já estivéssemos do outro lado, murmurou Davi, e dali a instantes Jacó, Davi, o saco, cavalo e o carro rodavam para dentro do rio intumescido, envolto em trevas completas, com a tempestade suspensa por cima da cabeça, e sem nenhum auxílio humano numa extensão de alguns quilômetros. É escusado descrever os primeiros momentos desta súbita interrupção de sua viagem. Jacó pôde finalmente agarrar-se ao tronco de uma balsa, tendo as rédeas em sua mão. "Davi, Davi!" bradou ele com toda a força dos pulmões.

- Graças a Deus, exclamou Davi cá estou!

Mas o trigo? Esse bem depressa se tinha tornado numa pasta que era levada pela corrente das águas.

- Não faz diferença o que o homem crê, contanto que seja sincero, exclamou Jacó, todo encharcado e humilhado. É a maior mentira que o diabo jamais inventou. Estar no caminho certo é que é o essencial. A sinceridade não preserva a ninguém da possibilidade de estar errado ... não, decididamente. De que serve ao homem toda a sua sinceridade? Ela não o pode livrar de nenhum apuro.