O Sermão de Alice

Filipe de Melo havia estado gravemente doente. Ninguém mais nutria esperanças por sua vida, contudo tornou a convalescer. Seu médico, que ao mesmo tempo era seu íntimo amigo, aconselhou-o a tomar um quarto em casa de uma família junto à praia do lago.

- O regime de hotel não lhe convém; se quiser, lhe arranjarei um cômodo em casa de família, onde receberá ao mesmo tempo todos os cuidados necessários.

- Como quiser, respondeu Filipe com ar fatigado. Antes houvesse morrido quando estava às portas da morte, assim agora já não daria mais incômodo a ninguém!

O Dr. Moreira encarou-o um tanto assustado e disse: - É justo isto, Sr. Filipe? O senhor está preparado para morrer?

- Não se sensibilize por isso, Dr. Moreira; é a verdade, não estou preparado para morrer. Faça conforme entender com relação ao cômodo. Sou-lhe reconhecido por tudo.

Numa bela vila, à margem do lago, o Dr. Moreira encontrou uma casinha atraente e pitoresca, cercada de ulmeiros. Dessa casa descortinava-se uma bela vista sobre o lago, cujas vagas vinham quebrar-se de encontro aos rochedos da margem. Gozava-se aí de um ar esplêndido e o Dr. Moreira estava firmemente resolvido a fazer o possível para trazer para aí o seu amigo. Essa casinha era a residência de verão de uma viúva abastada. Não possuía quartos de aluguel, mas depois de lhe haver o Dr. Moreira apresentado o caso do seu amigo, empenhando-se com ela para recebê-lo, ela, afinal, anuiu. Tomaram-se, pois, as disposições necessárias para transferir para aí o Sr. Filipe.

Logo após os primeiros dias de sua estada ali começou a experimentar sensíveis melhoras. O sítio agradava-lhe muito e a senhora Araújo atraía-o pela sua amabilidade. Possuía ela uma filha de sete anos, a única que lhe restara de quatro que tinha tido. Era uma menina galante e encantadora e Filipe não tardou em travar relações de amizade com ela. Passava hora inteiras sentada junto ao seu leito, até que ele pôde andar, e então faziam passeios juntos à praia do lago.

Corria o verão muito calmo e essa tranqüilidade muito apreciava a Filipe, tanto do ponto de vista físico como moral. Era rico e havia conduzido sempre uma vida frívola, até que a morte lhe arrebatou a mãe. Depois desse golpe adoecera. E agora, que sentia convalescer-se sob a doce influência desse retiro, sentia também um desejo de mudar de vida; não sabia, porém, definir ainda bem aquilo por que sua alma anelava.

Entretivera muitas vezes longas conversações com a pequena Alice, e na tarde em que ele resolvera partir, esta lhe disse:

- Sinto muito que o senhor vá embora.

- Não deve sentir; você tem ainda sua mãe e tantos outros que a amam, ao passo que eu já não tenho ninguém, disse Filipe com um acento triste.

- Oh! está enganado, replicou a pequena; eu amo o senhor, e o Senhor também.

- Ah! sim, acredito que você me ame, volveu Filipe; mas Deus - oh! não, Alice, Deus poderá amar meninas boas como você, mas sou ruim demais para que um Ente tão elevado me possa amar!

- Mas, Sr. Filipe, está escrito na Bíblia que Deus é amor. Eu também não sou boa. Mamãe muitas vezes me chama traquinas; diz-me, porém, que Deus apesar de tudo me ama e que perdoa a mim e a todos que Lhe suplicam.

- E crê você isso? perguntou-lhe o Sr. Filipe com ar de curiosidade.

- Naturalmente, porque Deus assim diz e mamãe também.

- Oh! que fé abençoada! murmurou o Sr. Filipe, e, elevando a voz, acrescentou: Mas eu, como digo, Alice, sou ruim demais e devo melhorar-me antes que Deus me possa amar.

Alice meneou a cabecinha coberta de cachos e disse:

- O senhor não pode melhorar-se a si mesmo; é Jesus que o deve tornar melhor; há uma passagem que diz ... ó mamãe, que bom que a senhora veio neste instante; como é aquela passagem que diz que Deus ama os pecadores?

A Sra.Araújo citou a passagem do segundo capítulo da epístola aos Efésios: "Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo Seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos) e nos ressuscitou juntamente com Ele e nos fez assentar nos Céus, em Cristo Jesus ... Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus."

- S senhor vê?! exclamou Alice, satisfeita; o senhor mesmo não pode fazer isto! Deus o ama e lhe dá tudo.

O Sr. Filipe sorriu e disse baixinho:

- Não maravilha que Jesus dissesse: "Deixai vir a Mim os pequeninos."

- Mas Jesus disse ainda mais, acrescentou a Sra. Araújo: "Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no reino dos Céus."

O Sr. Filipe olhou-a admirado e a Sra. Araújo compreendeu que a verdade lhe havia ferido o coração.

Algumas semanas depois recebia uma carta do Sr. Filipe, em que este lhe dizia: "Experimentei o amor de Deus. O sermão de Alice e as suas observações me determinaram a renunciar o meu orgulho e a crer como uma criança."