Equívoco de Jesus?

Poderiam me explicar os textos de Mateus 16:28 e 24:34? Eles parecem sugerir que Jesus teria Se enganado com respeito ao tempo de Sua segunda vinda.


1. Mateus 16:28: “Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui se encontram, que de maneira nenhuma passarão pela morte até que vejam vir o Filho do homem no Seu reino.”

Os teólogos liberais vêem nessa predição nada mais que um equívoco ou engano de Jesus com respeito ao tempo de Sua segunda vinda. Mas, se admitíssemos isso, reduziríamos Jesus a alguém que prometeu o que não tinha certeza, se deu mal e acabou morrendo numa cruz romana, como mais um messias embusteiro e malogrado.

É interessante notar como os três evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) registram o relato da Transfiguração logo após essa predição de Jesus. Como se sabe, os primeiros manuscritos bíblicos não estavam divididos em capítulos e versículos. Assim, o verso 28 de Mateus 16 deve estar relacionado à Transfiguração, mencionada logo a seguir (17:1-8), e não ao assunto da recompensa (16:24-26), a ser dada por ocasião da segunda vinda de Cristo (16:27).

Vê-se que a Transfiguração ilumina o texto de Mateus 16:28 e mostra que Jesus estava Se referindo, não ao momento de Sua segunda vinda, mas à Sua glória, no reino que Ele implantará quando o mal for para sempre destruído (F. D. Nichol, Comentário Bíblico Adventista del Séptimo Dia, v. 5, p. 425,426). Ou seja, os discípulos estariam vivos para terem um vislumbre do Cristo glorioso, tal como visto por Pedro, Tiago e João no momento da Transfiguração (17:2). Naquele alto monte eles tiveram uma pálida idéia de como será a glória de Jesus em Seu reino, a ser implantado quando o diabo, seus anjos e os pecadores forem destruídos, depois do milênio.

2. Mateus 24:34: “Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isso aconteça.”

Essa é outra predição vista pelos teólogos liberais como indicativa do equívoco de Jesus quanto à ocasião de Sua vinda.

A expressão que causa problemas para a interpretação desse texto é “não passará esta geração”. Várias são as interpretações sugeridas para esse verso de Mateus, especialmente para a expressão “esta geração”. Eis as principais (R. N. Champlin, O Novo Testamento Interpretado, v. 1, p. 566):

1. Jesus teria Se equivocado, porque a Parousia (Sua segunda vinda) não teve lugar no período de uma geração, no caso, a geração dos apóstolos.

O problema com essa interpretação é que, se Jesus Se equivocou, então Ele não pode ser o Filho de Deus e, como tal, divino. Deus não Se equivoca em Suas predições. Com exceção das profecias condicionais, todas as demais se cumpriram ou ainda se cumprirão. Também o verso a seguir (24:35) refuta essa interpretação de que Jesus teria Se equivocado: “Passará o céu e a terra, porém as Minhas palavras não passarão.”

2. A expressão “esta geração” poderia se referir ao povo judeu, o qual não desapareceria, mas continuaria até o fim do mundo e à segunda vinda de Cristo.

Essa interpretação é interessante, mas contraria o emprego usual da palavra “geração” (genea), que, geralmente, indica um período aproximado de 40 anos, ou a extensão do período de uma vida ( Mt 1:17; 23:36; At 13:36, etc). Além disso, o texto em questão não parece indicar as idéias de “raça”, “povo” ou “nação” (outros possíveis significados da palavra grega genea).

3. “Esta geração” poderia ser uma referência à geração dos apóstolos, no primeiro século, que presenciou a destruição do Templo e da cidade de Jerusalém pelos romanos, no ano 70 d.C.

O problema com essa interpretação é que Jesus incluiu Sua segunda vinda no contexto do capítulo 24 de Mateus, onde se encontra o verso 34 (confira 24:27, 30, 31,37-44), e essa vinda ainda não ocorreu.

4. Com a expressão “esta geração” Jesus poderia ter em mente a última geração que estará viva, antes de Sua Segunda Vinda, geração essa que presenciará os últimos sinais, antes que a presente era chegue ao fim.

Porém, fica difícil aceitar tal interpretação, visto que Jesus fez menção também aos sinais que diziam respeito à destruição do Templo e da cidade de Jerusalém, no ano 70 d.C. (24:2,15-20).

5. A expressão “esta geração” poderia ter dupla aplicação: uma à geração dos apóstolos, no primeiro século, e outra à última geração, antes da segunda vinda de Cristo.

Essa parece ser a interpretação mais condizente com o contexto de Mateus 24.

Não devemos nos esquecer de que a pergunta dos discípulos (24:3) foi dupla: 1) “Quando sucederão estas coisas?” (destruição do Templo), e 2) “Que sinal haverá da Tua vinda e da consumação do século?” Isso implica em uma resposta dupla: 1) a geração dos apóstolos “não passaria” sem presenciar a destruição do Templo e da cidade de Jerusalém, e 2) a geração que presenciar os últimos sinais, antes do fim do mundo (a “consumação do século”), também “não passará”, mas presenciará a segunda vinda de Cristo (Comentário Bíblico Adventista del Séptimo Dia, op. cit., v.5, p. 491).

“Essa geração”, que verá o retorno glorioso de Cristo, será a nossa? Não sabemos, pois que “a respeito daquele dia e hora ninguém sabe” (Mt 24:36).

Ozeas C. Moura, doutor em Teologia Bíblica e editor na Casa Publicadora.