John Wesley seu encontro com os Morávios

Diário de 25/01/1736

No mesmo navio, "Simmonds", em que Wesley e seus companheiros viajaram para Georgia, 25 morávios sob a liderança do bispo Davi Nietchmann, também se dirigiam para o novo mundo. Wesley mal havia se instalado no seu camarote quando decidiu aprender o alemão para poder se comunicar com essa gente. Apenas três dias após o embarque, ele se referiu, em seu diário, aos morávios como "pessoas que deixaram tudo pelo Mestre, e que têm realmente aprendido dele, sendo mansos e humildes, mortos para o mundo, cheios de fé e do Espírito Santo."

Diversos eventos durante a viagem confirmaram para ele a primeira impressão. Eles faziam, aparentemente com alegria, tarefas tidas como as mais humildes, dizendo que "fazia bem aos seus corações altivos". Mas foi numa tempestade feroz, que aterrorizou os passageiros ingleses e até os tripulantes, que Wesley notou a grande coragem dos alemães. Mesmo no auge da tempestade, continuaram seu culto costumeiro, nem parando de cantar, apesar de tudo indicar que o navio não fosse aguentar a força do mar em revolta.

Após o culto, Wesley perguntou a um deles se não havia ficado com medo. Ele respondeu singelamente: "Graças a Deus, não." Não inteiramente satisfeito, Wesley indagou sobre as mulheres e crianças. A resposta veio: "Não, nossas mulheres e crianças não têm medo de morrer."

Mais tarde, quando chegaram a terra o pregador Morávio, Spangenberg, perguntou a John:

"Você conhece Jesus Cristo?" Esta pergunta perturbou-o durante os dois anos seguintes.

De regresso a Inglaterra, John Wesley procurou o pregador Morávio, Peter Böhler, que lhe deu o célebre conselho: "Pregue a fé até conseguir tê-la; e depois, porque já a tem, pregará a fé".


Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem. Porque por ela os antigos alcançaram bom testemunho. ( Hebreus 11:1 e 2)