Vida, Morte e Ressurreição de Cristo


Na vida de Cristo, de perfeita obediência à vontade de Deus, e em Seu sofrimento, morte e ressurreição, Deus proveu o único meio de expiação do pecado humano, de modo que os que aceitam essa expiação pela fé, possam ter vida eterna, e toda a criação compreenda melhor o infinito e santo amor do Criador. Esta expiação perfeita vindica a justiça da lei de Deus e a benignidade de Seu caráter; pois ela não somente condena o nosso pecado, mas também garante o nosso perdão. A morte de Cristo é substituinte e expiatória, reconciliadora e transformadora. A ressurreição de Cristo proclama a vitória de Deus sobre as forças do mal, e assegura a vitória final sobre o pecado e a morte para os que aceitam a expiação. Proclama a soberania de Jesus Cristo, diante do qual se dobrará todo joelho, no Céu e na Terra

Vida, Morte e Ressurreição de Cristo

Uma porta aberta conduz ao Céu, o centro do Universo. Uma voz chama o apóstolo: “Sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas” (Apoc. 4:1). Através do Espírito, o apóstolo João contempla a própria sala do trono de Deus.

Ofuscante arco-íris de esmeralda circunda o trono central, do qual provêm vozes, trovões e relâmpagos. Dignitários – vestidos em alvas vestimentas e portando coroas de ouro – acham-se assentados em tronos menores. Um cântico de doxologia enche os ares, os anciãos se prostram em adoração, lançando suas coroas de ouro diante do trono.

Um anjo, segurando um rolo selado com sete selos, clama: “Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos?” (Apoc. 5:2). Com profunda tristeza, João percebe que nenhuma criatura no Céu ou na Terra é digna de abrir o rolo. Sua tristeza converte-se em lágrimas, até que um dos anciãos o consola: “Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos” (Apoc. 5:5).

Contemplando novamente o majestoso trono, João vê um Cordeiro que tinha sido morto mas que agora vivia e tinha sobre Si o poder do Espírito. Quando esse despretensioso Cordeiro tomou o rolo, as criaturas viventes e os anciãos explodiram num novo cântico: “Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o Teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a Terra” (Apoc. 5:9 e 10). Todas as criaturas viventes, no Céu e na Terra, uniram-se ao grande coro de louvor: “Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos” (Apoc. 5:13).

O que havia de tão importante com aquele rolo? Ele registra o resgate da raça humana da escravidão de Satanás e descreve a vitória última de Deus sobre o pecado. Revela uma salvação tão perfeita que os cativos do pecado podem ser libertos de suas prisões imundas simplesmente por um ato de vontade e escolha. Muito antes de Seu nascimento em Belém, o Cordeiro exclamara: “Eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a Meu respeito; agrada-Me fazer a Tua vontade, ó Deus Meu; dentro em Meu coração, está a Tua lei” (Sal. 40:7 e 8; cf. Heb. 10:7). Foi a vinda do Cordeiro morto desde a fundação do mundo que propiciou a redenção da humanidade (Apoc. 13:8).

A Salvadora Graça de Deus

As Escrituras revelam um Deus que manifesta incomparável interesse pela salvação da humanidade. Os membros da Divindade aliaram-Se na tarefa de trazer as pessoas de volta ao relacionamento e união com o seu Criador. Jesus enalteceu o redentor amor divino, dizendo: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo aquele que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

As Escrituras declaram que “Deus é amor” (I João 4:8). Ele consegue alcançar a humanidade “com amor eterno” (Jer. 31:3). O Deus que estende o convite da salvação é Todo-poderoso, mas o Seu amor O obriga a permitir que todas as pessoas tenham a liberdade de escolha (Apoc. 3:20 e 21). Coerção, um método contrário ao Seu caráter, não pode ocupar lugar em Sua estratégia.

A Iniciativa Divina. Quando Adão e Eva pecaram, Deus tomou a iniciativa de ir procurá-los. O culpado par, ouvindo a voz de Seu Criador, não se sentiu feliz com a perspectiva de encontrá-Lo, conforme havia ocorrido antes. Pelo contrário, eles se esconderam. Ainda assim, porém, Deus não os abandonou. Persistente, chamou-os: “Onde estão vocês?”

Com profunda tristeza, Deus teve de expor as consequências da desobediência de Adão e Eva – as dores e dificuldades que eles encontrariam pela frente. Em meio à situação de completa desesperança em que eles se achavam naquele momento, Deus lhes expôs um maravilhoso plano, que lhes garantiria a vitória final sobre o pecado e a morte (Gên. 3:15).

Graça ou Justiça? Mais tarde, após a apostasia de Israel no Sinai, o Senhor revelou Seu caráter benevolente – e, ainda assim, justo – a Moisés, proclamando: “Senhor, Senhor Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração” (Êxo. 34:6 e 7).

O caráter de Deus revela uma inigualável mescla de graça e justiça, uma plena disposição de perdoar com decidida indisposição de ignorar a culpa. Somente na pessoa de Cristo é que podemos compreender como estas qualidades de caráter podem ser reconciliadas uma com a outra.

Perdoar ou Punir? Durante os períodos de apostasia do povo de Israel, Deus freqüentemente apelava para que o povo reconhecesse sua iniqüidade e retornasse para Ele (Jer. 3:12-14). Mas eles faziam ouvidos moucos às graciosas admoestações divinas (Jer. 5:3). Uma atitude impenitente, que zomba do perdão divino, torna inevitável a punição (Sal. 7:12).

Embora Deus seja misericordioso, não pode perdoar aqueles que permanecem no pecado (Jer. 5:7). O perdão possui propósito. Deus deseja converter os pecadores em santos. “Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao Senhor, que Se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar” (Isa. 55:7). Sua mensagem de salvação ecoa claramente por todo o mundo: “Olhai para Mim e sede salvos, vós, todos os limites da Terra; porque Eu sou Deus, e não há outro” (Isa. 45:22).

A Ira de Deus Contra o Pecado. A transgressão original criou na mente humana uma disposição de inimizade contra Deus (Col. 1:21). Conseqüentemente, merecemos o desprazer de Deus, que é um “fogo consumidor” contra o pecado (Heb. 12:29; cf. Hab. 1:13). A solene verdade é que “todos pecaram” (Rom. 3:23), todos são “por natureza, filhos da ira” (Efés. 2:3; cf. 5:6), e sujeitos à morte, pois “o salário do pecado é a morte” (Rom. 6:23).

A ira divina é aquilo que a Escritura identifica como a reação de Deus ao pecado e à injustiça (Rom. 1:18). Rejeição deliberada à vontade revelada de Deus – Sua lei – provoca a Sua justa ira ou furor (II Reis 17:16-18; II Crôn. 36:16). G. E. Ladd escreveu: “Os homens são eticamente pecadores; quando Deus toma em conta suas transgressões, Ele necessita considerá-los como pecadores, como inimigos, como objeto de Sua ira divina; pois se trata de uma necessidade ética e religiosa, que a santidade de Deus se manifeste em ira contra o pecado.”[1] Ao mesmo tempo, porém, Deus anseia salvar o mundo rebelde. Ele odeia o pecado, embora manifeste o mais amorável interesse por todo pecador.

A Resposta Humana. O trato de Deus com o povo de Israel culminou no ministério de Jesus Cristo, que ofereceu os mais radiantes vislumbres da “suprema riqueza” da graça divina (Efés. 2:7). João escreveu: “Vimos a Sua glória, glória como do Unigênito do Pai” (João 1:14). Paulo disse que Cristo Jesus Se tornou “da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção, para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor” (I Cor. 1:30 e 31). Assim, quem é capaz de desdenhar “a riqueza da Sua bondade, e tolerância, e longanimidade?” (Rom. 2:4). Não é de admirar que Paulo salientasse que a bondade de Deus “é que te conduz ao arrependimento”.

Até mesmo a resposta humana ao oferecimento de salvação que Deus lhe faz, não provém do próprio homem, mas está sediada em Deus. Nossa fé não é mais que um dom de Deus (Rom. 12:3); o mesmo ocorre com o nosso arrependimento (Atos 5:31). Nosso amor manifesta-se em resposta ao amor de Deus (I João 4:19). Não podemos salvar a nós próprios de Satanás, nem do pecado, nem do sofrimento, nem da morte. Nossa justiça nada mais é do que trapos de imundícia (Isa. 64:6). “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo... Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Efés. 2:4, 5, 8 e 9).

O Ministério da Reconciliação em Cristo

As boas novas são que “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (II Cor. 5:19). Essa reconciliação restaura o relacionamento entre Deus e a raça humana. O texto aponta o fato de que o processo reconcilia os pecadores com Deus, e não Deus com os pecadores. A chave da questão é conduzir os pecadores de volta a Deus, em Jesus Cristo. O plano divino de reconciliação constitui a maravilha da condescendência divina. Ele tinha todo o direito de deixar que a humanidade perecesse.

Conforme já observamos antes, foi Deus quem tomou a iniciativa de restaurar as relações interrompidas entre a humanidade e Ele próprio. Paulo mostrou que “quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte do Seu Filho” (Rom. 5:10). Conseqüentemente, “nos gloriamos em Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem recebemos, agora, a reconciliação” (Rom. 5:11).

O processo de reconciliação tem sido associado com o termo expiação. “Em inglês, o termo correspondente, ‘atonement’, originalmente significava ‘at-onement’, ou seja, um estado em que as partes estavam ‘at one’, ‘de acordo’. Portanto, o termo denota a harmonia de um relacionamento, e sempre que algo estremeceu as relações, a harmonia resultará de um processo de reconciliação. Compreendido sob o ponto de vista de seu significado original, ‘expiação’ denota apropriadamente um estado de reconciliação que põe fim a um estado de estremecimento.”[2]

Muitos cristãos limitam o significado do termo “expiação” exclusivamente aos efeitos redentores da experiência de Cristo manifestados pela encarnação, sofrimentos e morte. Nos serviços do santuário, contudo, a expiação envolvia não apenas a morte de um cordeiro sacrifical como também incluía o ministério sacerdotal em que o sangue era conduzido até o santuário (cf. Lev. 4:20, 26 e 35; 16:15-18, 32 e 33). De acordo com esse uso bíblico, portanto, a expiação pode referir-se tanto à morte de Cristo quanto ao Seu trabalho intercessório no santuário celestial. Ali, como Sumo Sacerdote, Ele aplica os benefícios de Seu perfeito e completo sacrifício expiatório à tarefa de alcançar a reconciliação dos seres humanos com Deus.[3]

Vincent Taylor observou também que a doutrina da expiação possui dois aspectos: “(a) o ato salvador de Cristo e (b) a apropriação de Seu trabalho pela fé, tanto individual quanto coletiva. Esses dois aspectos juntos constituem a Expiação.” A partir desse ponto de vista, ele conclui que “a expiação é realizada tanto por nós quanto em nós”.[4]

Este capítulo focaliza a expiação relacionada com a morte de Cristo. A expiação associada ao Seu ministério sumo sacerdotal, será analisada num capítulo posterior (veja o capítulo 23 deste livro).

O Sacrifício Expiatório de Cristo

O sacrifício expiatório de Cristo no Calvário marcou o ponto de mudança no relacionamento entre Deus e a humanidade. Embora ainda permaneça um registro dos pecados das pessoas, como resultado da reconciliação Deus não mais considera esses pecados contra os seus praticantes (II Cor. 5:19). Isso não significa que Deus desistiu de aplicar a punição, ou que o pecado não mais provoque a Sua ira. Em vez disso, significa que Deus encontrou um meio para garantir perdão ao pecador arrependido, embora mantendo ainda perante o Universo o elevado padrão de justiça de Sua eterna lei.

A Morte de Cristo – uma Necessidade. Para que o Deus de amor pudesse manter Sua justiça e retidão, a morte expiatória de Jesus Cristo tornou-se uma “necessidade moral e legal”. “A justiça de Deus requer que o pecado seja levado a julgamento. Portanto, Deus necessita executar o juízo do pecado, e logo, do pecador. Nessa execução, o Filho de Deus assumiu o nosso lugar, o lugar do pecador, de acordo com a vontade de Deus. A expiação era necessária porque o homem se encontrava sob a justa ira de Deus. Aqui encontramos o cerne do evangelho do perdão aos pecados e o mistério da cruz de Cristo: a perfeita justiça de Cristo satisfaz adequadamente a justiça divina, e Deus dispõe-Se a aceitar o auto-sacrifício de Cristo em lugar da morte do homem.”[5]

Pessoas que não se dispõem a aceitar o expiatório sangue de Cristo não podem receber perdão de pecados, de modo que continuam sujeitas à ira de Deus. Disse João: “Quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus” (João 3:36).

Portanto, a cruz é uma demonstração tanto da misericórdia quanto da justiça de Deus. “A quem [Cristo] Deus propôs, no Seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a Sua justiça, por ter Deus, na Sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da Sua justiça no tempo presente, para Ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus” (Rom. 3:25 e 26).

O Que é Realizado Pelo Sacrifício Expiatório? Foi o próprio Pai que apresentou Seu Filho como “propiciação” ou “expiação” (Rom. 3:25). O uso que o Novo Testamento faz de hilasterion (propiciação), nada tem a ver com a noção pagã de “aplacar um Deus irado” ou de “apaziguar um Deus vindicativo, arbitrário e caprichoso”.[6] O texto revela que “Deus, em Sua misericordiosa disposição, apresentou a Cristo como propiciação para Sua justa ira face à culpa humana, porque Ele aceitou a Cristo como representante do homem e o divino substituto que recebeu Seu julgamento do pecado”.[7]

A partir dessa perspectiva, podemos compreender a descrição que Paulo faz de Cristo como “oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave” (Efés. 5:2; cf. Gên. 8:21; Êxo. 29:18; Lev. 1:9). “O auto-sacrifício de Cristo é agradável a Deus porque este sacrifício removeu a barreira erguida entre Deus e o homem pecador, já que Cristo suportou plenamente a ira de Deus diante do pecado do homem. Através de Cristo, a ira de Deus não é convertida em amor, mas é desviada do homem e dirigida contra Si próprio.”[8]

Romanos 3:25 também revela que, através do sacrifício de Cristo, o pecado é expiado ou remido. A Expiação focaliza-se naquilo que o sangue expiatório efetua pelo pecador arrependido. Ele experimenta perdão, remoção da culpa pessoal e purificação do pecado.[9]

Cristo Assume a Responsabilidade Vicária Pelo Pecado. A Escritura apresenta a Cristo como Aquele que “suporta” os pecados da humanidade. Em profunda linguagem profética, Isaías estabeleceu que “Ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; ... o Senhor fez cair sobre Ele a iniqüidade de nós todos. ... Ao Senhor agradou moê-Lo, fazendo-O enfermar. ... [Ele] levou sobre Si o pecado de muitos” (Isa. 53:5, 6, 10 e 12; cf. Gál. 1:4). Paulo tinha em mente essa profecia quando afirmou que “Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras” (I Cor. 15:3).

Esses textos destacam um importante conceito no plano da salvação: os pecados e culpas que nos macularam, podem ser transferidos para Aquele que suporta os nossos pecados, tornando-nos puros (Sal. 51:10). As cerimônias pertinentes aos sacrifícios do santuário do Antigo Testamento, revelam esse papel desempenhado por Cristo. Lá, a transferência dos pecados do culpado para a inocente vítima simbolizava a sua transferência para Cristo, Aquele que suporta os nossos pecados (veja o capítulo 4 deste livro).

Qual é a Função do Sangue? O sangue desempenhava papel central nos sacrifícios expiatórios dos serviços do santuário. Deus tomou providências para a expiação quando disse: “Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma” (Lev. 17:11). Após a morte do animal, o sacerdote tomava de seu sangue e o aplicava ao santuário, antes que o perdão pudesse ser concedido.

O Novo Testamento revela que as cerimônias do Antigo Testamento, que tinham como objetivo obter perdão, purificação e reconciliação através do sangue substituinte, foram cumpridas por intermédio do sangue expiatório de Cristo, sacrificado no Calvário. Em contraste com aqueles métodos antigos, o Novo Testamento diz: “Muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a Si mesmo Se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo!” (Heb. 9:14). O derramamento de Seu sangue realizou a expiação pelos pecados (Rom. 3:25). João disse que, em virtude de Seu amor, Deus “enviou o Seu Filho como propiciação [hilasmos] pelos nossos pecados” (I João 4:10).

Em resumo, “o ato objetivo de reconciliação de Deus tem sido realizado através do propiciador e expiador sangue (auto-sacrifício) de Jesus Cristo, Seu Filho. Portanto, Deus ‘é tanto o providenciador quanto o recipiente da reconciliação’”.[10]

Cristo, o Resgate

Quando os seres humanos caíram sob o domínio do pecado, tornaram-se sujeitos à condenação e maldição da lei de Deus (Rom. 6:4; Gál. 3:10-13). “Escravos do pecado” (Rom. 6:17), sujeitos à morte, era-lhes impossível escapar. “Ao irmão, verdadeiramente, ninguém o pode remir, nem pagar por ele a Deus o seu resgate” (Sal. 49:7). Somente Deus está revestido do poder de resgatar. “Eu os remirei do poder do inferno e os resgatarei da morte” (Osé. 13:14). De que modo Deus os redimiu?

Através de Jesus, que testificou, quanto a Si próprio, não haver vindo “para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos” (Mat. 20:28; I Tim. 2:6), Deus “comprou” a Igreja com “Seu próprio sangue” (Atos 20:28). Em Cristo “temos a redenção, pelo Seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da Sua graça” (Efés. 1:7; cf. Rom. 3:24). Sua morte visava “remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para Si mesmo, um povo exclusivamente Seu, zeloso de boas obras” (Tito 2:14).

O Que é Conseguido Através do Resgate? A morte de Cristo ratificou a propriedade de Deus sobre a humanidade. De acordo com a expressão de Paulo, “não sois de vós mesmos... porque fostes comprados por preço” (I Cor. 6:19 e 20; cf. I Cor. 7:23).

Por intermédio de Sua morte, Cristo rompeu o domínio do pecado, extinguiu a escravidão espiritual, removeu a condenação e a maldição da lei e tornou disponível aos pecadores arrependidos a vida eterna. Pedro diz que os crentes foram redimidos “do vosso fútil procedimento que vossos pais vos legaram” (I Ped. 1:18). Paulo escreveu que aqueles que foram libertados da escravidão do pecado e de seus frutos mortais, agora se encontram no serviço de Deus com seus frutos “para a santificação e, por fim, a vida eterna” (Rom. 6:22).

Ignorar ou negar o princípio do resgate seria “perder de vista o próprio coração do evangelho da graça e negar o mais profundo motivo de nossa gratidão ao Cordeiro de Deus”.[11] Este princípio é central ao cântico de doxologia ouvido pelo apóstolo junto ao trono celestial: “Porque foste morto e com o Teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a Terra” (Apoc. 5:9 e 10).

Cristo é o Representante da Humanidade

Tanto Adão quanto Cristo – “o último Adão” ou “segundo Homem” (I Cor. 15:45 e 47) – representam toda a humanidade. Ao passo que o nascimento natural marca todas as pessoas com os resultados da transgressão de Adão, todo aquele que experimenta o nascimento espiritual recebe os benefícios da perfeita vida e do perfeito sacrifício de Cristo. “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo” (I Cor. 15:22).

A rebelião de Adão resultou em pecado, condenação e morte para todos. Cristo inverteu a tendência descendente. Em Seu grande amor, submeteu-Se a Si próprio ao julgamento divino do pecado e tornou-Se o representante da humanidade. Sua morte substitutiva providenciou a libertação da penalidade do pecado e o dom da vida eterna para os pecadores arrependidos (II Cor. 5:21; Rom. 6:23; I Ped. 3:18).

A Escritura ensina claramente a natureza universal da morte substitutiva de Cristo. Pela “graça de Deus”, Ele experimentou a morte por todos (Heb. 2:9). A semelhança de Adão, “todos pecaram” (Rom. 5:12), e em conseqüência todos devem provar a morte – a primeira morte. A morte que Cristo experimentou em favor de todos foi a segunda morte – a plena maldição do pecado (Apoc. 20:6; veja o capítulo 26 deste livro).

A Vida de Cristo e a Salvação

“Porque, se nós, quando inimigos, fomos reconciliados com Deus mediante a morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela Sua vida” (Rom. 5:10). Custou a vida de Cristo, bem como Sua morte, o estabelecer uma ponte sobre o abismo provocado pela transgressão. Ambas – vida e morte – são necessárias e contribuem para a nossa salvação.

O Que Pode Realizar Por Nós a Vida Perfeita de Cristo? Jesus desenvolveu uma vida pura, santa e cheia de amor, ao repousar inteiramente em Deus. Essa vida preciosa Ele compartilha – como um dom – com todos os pecadores arrependidos. Seu caráter perfeito é retratado como as vestes festivas (Mat. 22:11) ou um manto de justiça (Isa. 61:10) que Ele oferece para cobrir os imundos trapos simbolizados pelas tentativas humanas em alcançar a justificação (Isa. 64:6).

A despeito de nossa corrupção humana, quando nos submetemos a Cristo o nosso coração se une ao Seu coração, nossa vontade emerge em Sua vontade, nossa mente se torna uma com a Sua mente, nossos pensamentos são levados cativos a Ele; vivemos a Sua vida. Somos cobertos com o manto de Sua justiça. Quando Deus contempla o crente e penitente pecador, Ele não vê a nudez e deformidade do pecado, e sim o manto da justiça formado pela perfeita obediência de Cristo à santa lei.[12] Ninguém pode ser verdadeiramente justo, se não estiver sob a proteção desse manto.

Na parábola das vestes festivais, o convidado que entrou no salão do banquete com seus próprios vestidos não foi lançado fora em virtude de incredulidade. Ele aceitara o convite para o banquete (Mat. 22:10). Mas o fato de vir não era suficiente. Necessitava as vestes especiais. Semelhantemente, a mera crença na cruz não é suficiente. Para que possamos mostrar-nos apresentáveis diante do Rei, necessitamos também da vida perfeita de Cristo, de Seu caráter de justiça. Na qualidade de pecadores, não apenas necessitamos que nossos pecados sejam cancelados, como ainda carecemos que nossa “conta bancária” seja restaurada. Necessitamos mais que a libertação das cadeias: necessitamos ser adotados junto à família do Rei. O ministério mediatório do ressurreto Salvador possui o duplo objetivo de perdoar e de vestir – ou seja, a aplicação de Sua morte e vida à nossa própria vida, para que possamos estar em pé diante de Deus. No Calvário, a expressão “está consumado” assinalou o término de uma vida perfeita e de um perfeito sacrifício. Os pecadores carecem de ambos.

A Inspiração da Vida de Cristo. A vida terrestre de Cristo também ofereceu à humanidade um modelo de como viver. Pedro, por exemplo, recomenda-nos como exemplo o modo como Cristo respondeu aos abusos a que foi submetido (I Ped. 2:21-23). Ele, que foi feito à nossa semelhança e submetido a todos os pontos de tentação aos quais nós somos, demonstrou que aqueles que se submetem ao poder de Deus não necessitam continuar em pecado. A vida de Cristo provê certeza de que podemos viver vitoriosamente. Paulo testificou: “Tudo posso nAquele que me fortalece” (Filip. 4:13).

A Ressurreição de Cristo e a Salvação

“Se Cristo não ressuscitou”, disse Paulo, “é vã a nossa pregação, e vã, a vossa fé... e ainda permaneceis nos vossos pecados” (I Cor. 15:14 e 17). Jesus Cristo ressuscitou fisicamente (Luc. 24:36-43), ascendeu ao Céu na qualidade de Deus-homem e iniciou Sua crucial obra intercessória como nosso Mediador à mão direita de Deus Pai (Heb. 8:1 e 2; veja o capítulo 4 deste livro).

A ressurreição de Cristo providenciou para a cruz um significado que os discípulos, em sua visão restrita, não conseguiram vislumbrar na sexta-feira da crucifixão. Sua ressurreição transformou aqueles homens numa força poderosa que mudou o curso da História. A ressurreição – jamais podendo ser separada da crucifixão – tornou-se o ponto central de sua missão, Eles proclamaram o Cristo crucificado e agora vivo, Aquele que triunfara sobre as forças do mal. É nesse ponto que reside o poder da mensagem apostólica.

“A ressurreição de Cristo”, escreveu Philip Schaff, “é enfaticamente uma questão-teste da qual depende a genuinidade ou a falsidade da religião cristã. Ela é ou o maior milagre, ou o maior engano registrado pela História.”[13] Wilbur M. Smith comentou: “A ressurreição de Cristo é a própria cidadela da fé cristã. Esta é a doutrina que subverteu o mundo no primeiro século, que ergueu o cristianismo acima do judaísmo e das religiões pagãs do mundo mediterrâneo. Assim sendo, dela depende praticamente tudo aquilo que é vital e singular no Evangelho do Senhor Jesus Cristo: ‘Se Cristo não ressuscitou, é vã a vossa fé’ (I Cor. 15:17).”[14]

O ministério atual de Cristo acha-se enraizado em Sua morte e ressurreição. Embora o sacrifício expiatório de Cristo fosse suficiente e completo, sem a ressurreição não poderíamos ter a certeza de que Cristo havia concluído vitoriosamente Sua divina missão sobre a Terra. O fato de haver Cristo ressuscitado, confirma a realidade da vida após a sepultura e demonstra a confiabilidade das promessas de vida eterna nEle, feitas por Deus.

Os Resultados do Ministério Salvador de Cristo

O ministério expiatório de Cristo afeta não apenas a raça humana, como também todo o Universo.

Reconciliação Por Todo o Universo. Paulo revela a magnitude da salvação de Cristo na e através da Igreja: “Para que, pela Igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Efés. 3:10). Além disso, ele garante que aprouve a Deus, através de Cristo, reconciliar “consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a Terra, quer nos Céus” (Col. 1:20). Paulo revelou os estupendos efeitos desta reconciliação: “Para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos Céus, na Terra e debaixo da Terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai” (Filip. 2:10 e 11).

A Vindicação da Lei de Deus. O perfeito sacrifício expiatório de Cristo reivindicou a justiça e a bondade ou retidão da santa lei de Deus, bem como o Seu gracioso caráter. A morte e resgate de Cristo satisfez as demandas da lei (no sentido de ser necessária a punição do pecado), ao mesmo tempo que justificou os pecadores através de Sua graça e misericórdia. Paulo escreveu: “Com efeito, condenou Deus, na carne, o pecado, a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rom. 8:3 e 4).

Justificação. A reconciliação se torna efetiva somente quando o perdão oferecido é aceito. O filho pródigo reconciliou-se com o pai no momento em que aceitou o amor e o perdão oferecidos pelo pai.

“Aqueles que aceitam pela fé o fato de que Deus reconciliou o mundo consigo através de Cristo, e que se submetem a Ele, receberão de Deus o inapreciável dom da justificação, que é fruto imediato da paz com Deus (Rom. 5:1). Não mais constituindo objeto da ira de Deus, os crentes justificados tornam-se objeto do favor de Deus. Dispondo de pleno acesso ao trono de Deus através de Cristo, recebem o poder do Santo Espírito para quebrar todas as barreiras ou muros de separação e hostilidade entre os homens, simbolizados pelas hostilidades que existiam entre os judeus e os gentios. (Efés. 2:14-16).”[15]

A Futilidade da Salvação Pelas Obras. O divino ministério de reconciliação revela a futilidade dos esforços humanos no sentido de obter a salvação por intermédio das obras da lei. A compreensão da graça divina conduz à aceitação de justificação disponível por intermédio da fé em Cristo. A gratidão daqueles que experimentaram o perdão, converte a obediência em algo prazenteiro; as obras, em tal situação, jamais representarão o fundamento da salvação, e sim, o seu resultado.[16]

Um Novo Relacionamento Com Deus. Somos conduzidos a um relacionamento mais profundo com Deus quando experimentamos a Sua graça, a qual nos oferece a perfeita vida de obediência de Cristo, Sua justiça e Sua morte expiatória como dons. Gratidão, louvor e regozijo se manifestam, a obediência se torna um deleite, o estudo de Sua Palavra um genuíno prazer, e a mente estará sempre disposta a constituir um lugar de habitação do Espírito Santo. Ocorre um novo relacionamento entre Deus e o pecador arrependido. Trata-se de um companheirismo baseado no amor e na admiração, em vez de ser fruto de temor e obrigação (cf. João 15:1-10).

Quanto mais entendermos a graça de Deus à luz do Calvário, menos lugar encontraremos para nossa própria justiça e melhor perceberemos quão abençoados nós somos. O mesmo poder que operou em Jesus Cristo, quando Ele ressuscitou dentre os mortos, transformará a nossa vida. Em vez de fracasso, experimentaremos vitória diária sobre o pecado.

Motivação Para Ação Missionária. O insondável amor revelado no ministério reconciliador de Deus através de Jesus Cristo, motiva nosso testemunho missionário aos outros. Quando o experimentamos em nós mesmos, não podemos conservar em segredo o fato de que Deus não levará em conta, contra a pessoa, os pecados daqueles que aceitaram o sacrifício substitutivo de Cristo. Teremos prazer em repassar aos outros o comovente apelo do evangelho: “Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus. Aquele que não conheceu pecado, Ele O fez pecado por nós; para que, nEle, fôssemos feitos justiça de Deus” (II Cor. 5:20 e 21).

Referências:
[1]. George E. Ladd, A Theology of the New Testament (Grand Rapids, MI: Wm. B. Eerdmans, 1974), pág. 453.
[2]. “Atonement”, SDA Bible Dictionary, edição revista, pág. 97.
[3]. Para uma análise ampla deste conceito bíblico, veja Seventh-day Adventists Answer Questions on Doctrine (Washington, D.C.: Review and Herald, 1957), págs. 341-355.
[4]. Vincent Taylor, The Cross of Christ (Londres: Macmillan, 1956), págs. 88 e 89.
[5]. Hans K. LaRondelle, Christ Our Salvation (Mountain View, CA: Pacific Press, 1980), págs. 25 e 26.
[6]. Raoul Dederen, “Atoning Aspects in Christ’s Death”, em The Sanctuary and the Atonement, edição de Arnold V. Wallenkampf e W. Richard Lesher (Washington, D.C.: [Biblical Institute of the General Conference of Sevent-day Adventists], 1981), pág. 295. Ele acrescenta: “Entre os pagãos, a propiciação era imaginada como uma atividade pela qual o adorador se habilitava a si próprio para prover aquilo que seria capaz de modificar o pensamento do deus. Ele simplesmente subornava seu deus para que este se lhe mostrasse favorável. Nas Escrituras, a expiação-propiciação é vista como a aspersão do amor de Deus” (Ibidem, pág. 317).
[7]. LaRondelle, pág. 26.
[8]. Ibidem, págs. 26 e 27.
[9]. Dederen, pág. 295.
[10]. LaRondelle, pág. 28. A citação, nesta referência, foi de H. G. Link e C. Brown, “Reconciliation”, The New International Dictionary of New Testament Theology (Grand Rapids, MI: Zondervan, 1978), vol. 3, pág. 162.
[11]. LaRondelle, pág. 30.
[12]. Veja E. G. White, Parábolas de Jesus, pág. 312.
[13]. Philip Schaff, History of the Christian Church (Grand Rapids, MI: Wm. B. Eerdmans, 1962), vol. 1, pág. 173.
[14]. Wilbur M. Smith, “Twentieth-Century Scientists and the Resurrection of Christ”, Christianity Today, 15 de abril de 1957, pág. 22. No tocante a argumentos sobre a historicidade da ressurreição, veja Josh McDowell, Evidence That Demands a Verdict (Campos Crusade for Christ, 1972), págs. 185-274.
[15]. LaRondelle, págs. 32 e 33.
[16]. Veja Hyde, “What Christ’s Life Means to Me”, Adventist Review, 6 de novembro de 1986, pág. 19.