Esperando em Deus
                          Sara


Risos. Foi assim que Sara, cujo antigo nome era Sarai, reagiu quando Deus lhe disse que ela se tornaria mãe com a idade de noventa anos. Abraão, seu marido, tinha noventa e nove. O riso de Sara parecia conseqüência tanto da alegria quanto do espanto. Não há nada errado com o riso, mas Sara negou que tinha rido (Gênesis 18: 12 à 15). Encarar, tratar o assunto de forma direta funciona muito melhor com Deus.

Sara tinha muito o que aprender sobre como tratar um assunto de forma direta. Ela e seu marido, Abraão, tinham recebido uma promessa de Deus de que gerariam um filho. O lado complicado é que teriam de esperar muitos anos para que essa promessa fosse cumprida. Já passados da idade de gerar um filho, haviam esperado bastante pela promessa de Deus – e nada de um bebê! Temendo o passar do tempo, fizeram um plano próprio.

Era comum oferecer uma serva quando a esposa não concebia. Assim, Sara propôs esse plano, oferecendo sua serva Hagar ao marido. Pela lei, a criança pertenceria a Sara. Mas "o tiro saiu pela culatra”. Hagar tornou-se orgulhosa de sua gravidez, Sara rejeitou Ismael, o filho e, conseqüentemente, ele e Hagar foram banidos da família (Gênesis 16: 4 à 16; 21: 9 à 14; 25: 12 à 18).

Finalmente, o filho prometido chegou para Abraão e Sara. Deram -lhe o nome de Isaque, que quer dizer "Riso" (Gênesis 21: 1 à 8). Sara e Isaque tornaram-se muito unidos, o que pode ser comprovado pela grande tristeza de Isaque pela morte de Sara (Gênesis 24: 67).

Isaque foi o pai de Jacó e Esaú e o avô de doze homens que deram origem as doze tribos de Israel. Dessas doze tribos descendeu toda a nação israelita, o povo escolhido por Deus (Gênesis 25: 1 à 11; 49: 29 à 33; Isaias 51: 1 e 2). No Novo Testamento, todos os cristãos, pela fé, tornam-se povo de Deus (Romanos 4.15-17).

Mas esse final feliz não apagou o dano causado pela impaciência de Sara e Abraão. Os árabes, descendentes de Ismael, filho de Hagar, ainda hoje lutam contra os israelitas, descendentes do filho de Sara.

Também em outras ocasiões, Abraão e Sara não confiaram em Deus. Aos sessenta e cinco anos de idade, Sara saiu de casa rumo a Canaã, com seu marido, de setenta e cinco anos Gênesis 12: 4 e 5). A recolocação deles incluiu certo tempo no Egito.

Enquanto estavam lá, Abraão pediu que Sara dissesse que era sua irmã para que os egípcios não o matassem para ficarem com ela. Quando o rei a tomou como esposa, a família dele contraiu doenças horríveis. Devido a sua mentira Abraão teve um grande problema. Mas ainda assim não aprendeu a lição, pois mais tarde fez a mesma coisa com o rei Abimeleque em Gerar (Genesis 20: 1 à 18).

Apesar de todos esses erros, o livro de Romanos descreve Abraão e Sara usando termos elogiosos como: Abraão nunca "enfraqueceu na fé" nem "duvidou da promessa de Deus por incredulidade" (Romanos 4: 19 e 20).

Eles aprenderam a confiar em Deus. Sara, Abraão e Isaque demonstraram que Deus cumpre suas promessas no devido tempo (Romanos 4: 18 à 25; 9: 6 à 9). Em vez de fazer as gerações futuras sofrerem as conseqüências de sua impaciência, você também pode aprender a esperar em Deus e a obedecer-lhe.



Para saber mais a respeito de Sara, leia Gênesis 11: 29 à 23: 20; 24: 34 à 38; 24: 66 à 25: 11; 49: 29 à 33; Isaias 51: 1 e 2; Romanos 4: 18 à 25; 9: 6 à 9.