Miriã
              Inveja e descontentamento


“Arão e Miriã tinham ocupado posição de grande honra e de chefia em Israel. Ambos eram favorecidos com o dom de profecia e, por determinação divina, tinham estado ligados a Moisés no livramento dos hebreus. “E pus diante de ti a Moisés, Arão, e Miriã” (Miq. 6:4), são as palavras do Senhor pelo profeta Miquéias. A força de caráter de Miriã cedo se mostrara, quando criança vigiara ao lado do Nilo a pequena cesta em que estava escondido o bebê Moisés. De seu domínio próprio e tato Deus Se servira como instrumento para preservar o libertador de Seu povo. Dotada abundantemente dos dons da poesia e música, Miriã dirigira as mulheres de Israel no cântico e na dança, à margem do Mar Vermelho. Na afeição do povo e honras do Céu, estava ela apenas abaixo de Moisés e Arão. Entretanto, o mesmo mal que a princípio trouxera discórdia no Céu, surgiu no coração desta mulher de Israel, e ela não deixou de encontrar quem com ela simpatizasse em seu descontentamento.” Patriarcas e Profetas, p. 382.

Miriã era uma mulher de caráter nobre, dotada com dons de profecia, música e poesia, liderava as mulheres de seu povo… se vivesse em nossos dias, seria eleita diversas vezes para ocupar o cargo de Diretora do Ministério da Mulher. Contudo, Miriã falhou em permitir que a inveja tomasse conta de sua mente. Permitiu que o Eu se gloriasse, a assim que se sentiu ameaçada, enquanto líder, pecou.

“Na designação dos setenta anciãos, Miriã e Arão não tinham sido consultados, e seus ciúmes despertaram-se contra Moisés. Por ocasião da visita de Jetro, enquanto os israelitas estavam a caminho do Sinai, a pronta aceitação por parte de Moisés do conselho de seu sogro despertou em Arão e Miriã um receio de que sua influência junto ao grande chefe excedesse à deles. […] Cedendo ao espírito de descontentamento, Miriã achou motivos de queixa nos acontecimentos que Deus de maneira especial dirigira. O casamento de Moisés lhe fora desagradável. O haver ele escolhido uma mulher de outra nação, em vez de tomar esposa dentre os hebreus, foi uma ofensa à sua família e ao orgulho nacional. Zípora era tratada com mal-disfarçado desprezo.” Patriarcas e Profetas, p. 382 e 383.

Aquela menina que um dia havia sido sensível e corajosa o suficiente para se colocar diante da filha de Faraó agora era obrigada a aprender uma lição de humildade através de uma das formas mais desagradáveis de sua época: “E a nuvem se retirou de sobre a tenda; e eis que Miriã ficou leprosa como a neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que estava leprosa.” Números 12:10.

E não foi somente para ela essa lição: “Esta manifestação do desprazer do Senhor destinava-se a ser um aviso a todo o Israel, para reprimir o crescente espírito de descontentamento e insubordinação.

“Se a inveja e descontentamento de Miriã não houvessem sido repreendidos de maneira assinalada, disto teria resultado um grande mal.” Patriarcas e Profetas, p. 385.

O que podemos aprender com estes dois momentos da história de Miriã?

Primeiramente, que somos chamados por Deus a ocuparmos uma posição em Sua obra, e devemos usar os dons que Ele nos concede, com fidelidade e sem temor em relação às conseqüências que isso possa nos custar aqui nessa Terra – “A música de Miriã, a coragem e piedade de Débora, a afeição filial de Rute, a obediência e fidelidade de Samuel, a austera retidão de Elias, a influência enternecedora e subjugante de Eliseu – foram todas necessárias. Assim, agora, quem participar das bênçãos de Deus deve responder por um serviço ativo; toda dádiva deve ser empregada na propagação de Seu reino, e glória de Seu nome.” Parábolas de Jesus, p. 301.

Podemos aprender também que ao permitirmos que inveja e descontentamento tomem conta de nossa mente, estamos agindo como instrumentos de Satanás para atrapalhar a obra de Deus! Mas, a lição mais importante que tirei dessas histórias e que creio ser fundamental para nós hoje é a de que nosso caráter deve ser aperfeiçoado diariamente. Devemos olhar a todo tempo para Cristo e buscarmos um caráter semelhante ao dEle. O fato de termos agido com coragem e fidelidade no passado, e termos mostrado nobreza de caráter em algum momento de nossa vida não é garantia de que nosso caráter está de acordo com a vontade de Deus. O aperfeiçoamento do caráter é uma obra que deve ser executada diariamente, com muita oração e disposição em ouvir a voz do Espírito de Deus!

Deus nos abençoe!


(Karyne M. Lira Correia)