Vizinhos Cordiais

Porque Eu vos dei o exemplo, para que, como Eu vos fiz, façais vós também. João 13:15

Nossos vizinhos, Virgínia e Elmer, pararam para conversar durante sua caminhada vespertina pela estrada de terra que passa na frente da nossa casa. Bateram à nossa porta da sala, nesta remota região da Virgínia. Corri para convidá-los a entrar. Como ansiamos por visitantes inesperados que passem para conversar um pouquinho!

Temos vizinhos maravilhosos! Todos se conhecem ao longo das estradinhas dessa região rural. E as famílias, via de regra, não se mudam para outro lugar, mas se instalam na mesma área, muitas vezes na mesma propriedade que pertencia a seus pais. É um relacionamento amável e sadio que as famílias têm e compartilham. Saí de casa muitos anos atrás para freqüentar a universidade numa cidade grande, e não havia razão para voltar, a não ser para recordar os momentos agradáveis. As pessoas do Norte não se ligam tão intimamente quanto no Sul, penso eu. Até mesmo as sepulturas e os minicemitérios aninhados junto às casas testificam da proximidade familiar. Jamais deixariam o lugar onde suas raízes se estenderam.

Nossos vizinhos sabiam tudo sobre nós, antes mesmo de nos mudarmos para lá – a notícia oral era transmitida àqueles que se assentavam em bancos gastos ao redor de fogões bojudos nos mercados de esquina. Mas, ao nos instalarmos naquele ambiente rural, descobrimos que havia espaço para forasteiros e não-parentes. Os vizinhos fizeram com que nos sentíssemos bem-recebidos enquanto desencaixotávamos a mudança. Paravam para apresentar-se e fazer amizade.

Enquanto Virgínia e Elmer saíam, mencionei que eu ficaria feliz em ajudá-los, ou a qualquer outro dos vizinhos, se alguma vez precisassem de algum tipo de auxílio.

– Você já ajudou – disse Virgínia –, pelo simples fato de morar aqui!

Ser aceito e amado é o maior dom que alguém pode desfrutar. É assim que Jesus Se sente a nosso respeito. Enquanto esteve na Terra, andando entre os homens, Ele nem sempre foi aceito e amado pelas pessoas que criou. Mesmo assim, Ele nos ama e aceita. Deu-nos um exemplo maravilhoso de viver cristão, em tudo o que disse e fez.

(Laurie Dixon-McClanahan)