Também Sou uma Pessoa

Então Pedro começou a falar: “Agora percebo verdadeiramente que Deus não trata as pessoas com parcialidade.” Atos 10:34.

Se uma figura inanimada vale mil palavras não proferidas; então, o impacto de uma lição silenciosa ensinada ao vivo e em cores com certeza valerá ainda mais.

Não reconheci o homem sujo, com feridas infectadas, manchado de urina, desabrigado, que estava sentado na calçada do lado de fora do supermercado. Passei correndo, enquanto ele me olhava com um sorriso animado, sem dentes, gritando “Oi, oi!”, tentando chamar minha atenção para que eu lhe desse uma esmola. Ignorei totalmente sua saudação em alta voz.

Quando saí, depois de fazer minhas compras, ele me olhou com olhos remelentos e perguntou: – Diga-me, eu não a conheço de algum lugar? – Parei e olhei realmente para ele, e então me lembrei de suas idas freqüentes à igreja, aos sábados.

Tenho certeza de que meu rosto estava vermelho, enquanto respondia: – Sim, lógico, o senhor me conhece, sim – disse eu. – Da igreja.

Ele possivelmente não ficou sabendo da angustiosa culpa que me cortou o coração por tê-lo ignorado. A despeito de sua aparência exterior, ele era uma pessoa criada à imagem de Deus, exatamente como eu. Foi-me mostrado ali, em cores, um quadro de como eu me apresentava diante de Deus, sem Cristo como meu intercessor.

Com minha vida imunda, infectada e manchada de pecado, Cristo não apenas me lavou e limpou através do Seu sangue, mas ainda agora intercede por mim diante de Deus. Tomou providências para que eu me tornasse co-herdeira com Ele. Como, então, ousaria eu demonstrar discriminação? Certamente não estava sendo como Cristo desejava que eu fosse. Pensei no texto: “Pois em Deus não há parcialidade” (Romanos 2:11).

O dólar que dei ao homem sem teto representou uma esmola para ele, mas meu sorriso lhe afirmou o meu reconhecimento de seu valor intrínseco, como criatura de nosso Deus, que acabava de ensinar-me uma lição significativa. Minha oração é que Deus sempre me ajude a ter consciência do fato de que toda pessoa é preciosa aos Seus olhos, não obstante sua aparência exterior.

(Dorothy D. Saunders)