Milagre Sobre a Ponte das Américas

O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem e os livra. Salmo 34:7.

Eu voltava do trabalho naquele belo domingo de junho. Enquanto meu esposo e eu íamos pela estrada, apreciando as belezas da natureza, entabulamos uma interessante discussão. Estávamos quase na metade da Ponte das Américas, quando nossa conversa se interrompeu inesperadamente. Para nosso horror, um carro na pista contrária se inclinou, depois ziguezagueou sobre a faixa dupla e veio justamente em nossa direção.

Meu esposo exclamou: “Pai, tem misericórdia!” Eu estava paralisada demais para proferir uma oração. Simplesmente fechei os olhos. Ele pisou no freio e nós dois aguardamos a colisão iminente.

Os poucos segundos que transcorreram pareceram horas, antes que eu ouvisse meu esposo suspirar: “Obrigado, Jesus!” Somente então abri os olhos. Onde estava o carro que vinha velozmente para bater no nosso? Como foi que ele atravessou as faixas duplas para voltar à pista certa? Essas perguntas sem resposta e o milagre que ocorreu serão explicados por nosso anjo da guarda quando estivermos no Céu e ele nos contar o restante da história.

Experiências como essa nos garantem que Deus é, sim, um Pai amoroso, vigilante, que cuida constantemente dos Seus filhos. Ouço alguém dizer: “Mas, irmã Olga, às vezes acontecem coisas ruins. O que a senhora me diz do acidente que ceifou a vida do sobrinho da Bárbara? Ou da tragédia na qual pereceram três membros da família Costa?”

Minha resposta é simplesmente: “Não posso explicar, porque não sei.” O que realmente sei é o fato inalterável de que o amor de Deus é tão grande que Ele morreu por nós.

Permita-me partilhar uma citação anônima que li dias atrás e que me ajudou a conviver com essas provações e a tristeza que enfrentamos diariamente. O autor declara: “Deus não nos protege da dor que o pecado espalhou por toda a raça, pois, se o fizesse, como conheceríamos a profundidade da Sua sabedoria, graça e amor? Deus não nos guarda das tormentas da vida; Ele caminha conosco no meio delas.”

Querido Pai, concede-nos fé para confiar em que estás sempre conosco, mesmo que não entendamos tudo.

(Olga Corbin de Lindo)