Combater o Bom Combate

Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. 1 Pedro 5:8

Que é isso?, perguntei para mim mesma. Senti a pele arrepiar e os músculos formigarem, ao olhar para a criatura. Meu primeiro pensamento foi de que era uma cobra. Mas, ao me acalmar um pouco, percebi que era um lagarto grande, um lagarto de aparência muito saudável, de uns trinta centímetros de comprimento. E eu não o queria no meu banheiro principal!

Eu sabia que era inútil pedir ajuda, porque era eu a única ajuda de que dispunha. Assim, pensei rápido e decidi fechar todas as portas para a área e depois pegar a lanterna para ver se ele corria para baixo ou para trás dos móveis. Também pegaria a vassoura para segurá-lo – e, sim, algum recipiente para emborcar em cima dele. Eu não queria matá-lo – só o queria fora da minha casa, imediatamente!

O lagarto se revelou um bicho trabalhoso, a despeito do fato de que era realmente pequeno, pelo menos comparado comigo. Abria os maxilares e tentava abocanhar a vassoura que se aproximava. Realmente precisei de tudo o que havia reunido para a batalha. Ele corria de um lugar para outro, numa tentativa desesperada de se ver livre de mim.

Felizmente, consegui por fim prendê-lo sob as fibras da vassoura; depois, com cuidado e firmeza, arrastei-o para a área aberta do piso, onde o prendi sob um cesto de lixo. Colocando uma pá sob o cesto de lixo, consegui levar o lagarto, o cesto e a pazinha à porta mais próxima que dava para o exterior da casa, onde o libertei.

Observei o lagarto por alguns instantes, mas ele não se moveu. Então o cutuquei com o cabo da vassoura. Ele se virou para ela, e sua boca se arreganhou, desafiadora. Sim, ele estava vivo e aparentemente sem ferimentos. Logo percebeu que se encontrava ao ar livre, em segurança, e se afastou correndo.

Depois de encerrada a provação, perguntei a mim mesma: Luto com o mesmo empenho e diligência para livrar minha casa espiritual do pecado? Sim, Satanás gosta de atacar e rugir. E, sim, ele está muito vivo. Mas, graças a Deus, ao lidar com Satanás, posso pedir o socorro do Céu. Essa será uma batalha na qual não estarei sozinha.

(Mildred C. Williams)