Pecador N° 1



Contudo a graça de nosso Senhor transbordou sobre mim. 1 Timóteo 1:14

Como podemos explicar a mudança repentina e ao mesmo tempo tão maravilhosa que acontece na vida das pessoas? Talvez você mesmo seja uma demonstração disso.

Nos versos anteriores ao texto de hoje e em várias ocasiões nas quais Paulo falou de sua vida anterior, ele confessou: “Fui blasfemo, perseguidor e insolente” (v. 13). “Dava o meu voto contra eles [os cristãos]” (At 26:10). “Perseguia com violência a igreja de Deus, procurando destruí-la” (Gl 1:13). Mas viu a si mesmo como supremo objeto da graça de Deus. Tanto que teve confiança em dizer: “Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o pior” (1Tm 1:15). Paulo nunca perdeu de vista o fato maravilhoso de que Deus o redimiu.

Em meus anos de ministério e em visitas às igrejas, encontrei muitas pessoas que haviam se convertido já como jovens ou adultos. Uma interrogação e uma mágoa pesava sobre eles ao se lembrarem do que tinham feito antes de conhecer a Cristo. Alguns tinham sido alcoólatras, dependentes químicos, ladrões, prostitutas, homossexuais e assassinos. Outros haviam se envolvido com o ocultismo. Não esqueciam facilmente o que tinham feito. Mas a graça de Deus foi ao encontro deles. Entregaram-se a Cristo. E hoje vivem vida renovada. São novas criaturas em Cristo Jesus.

Mesmo assim, ao mencionar o exemplo de Paulo para eles, alguns diziam: “Ah, pastor, eu sou pior! Fui longe demais. Nem posso contar ao senhor.”

Escute, hoje é um dia comum da semana. Quem sabe você esteja se sentindo um pecador miserável. No fundo do poço. Não desanime. A graça de Deus está indo ao seu encontro. A graça da qual disse Paulo: “transbordou sobre mim” (1Tm 1:14).

Creio que não haja melhor palavra para traduzir a provisão da graça de Deus do que o verbo “transbordar”. Traz a ideia de alguma coisa que vai exceder nossa capacidade de medir. Alguma coisa que não vai faltar; que podemos pegar à vontade – quanto e quando quisermos.

Quantos de nós já vimos fontes jorrando da montanha ou borbulhando do chão, ou fontes menores espraiando-se pelos campos, esverdeando a paisagem, trazendo vida, tornando o rio mais forte?

A graça de Deus não é servida em colherinha de chá, nem em pitadas, menos ainda em conta-gotas. Nem é como tentar se banhar em um copo d’água, mas debaixo de uma fonte gigante que jorra exuberante e permanentemente.

O convite é para que nos banhemos na graça de Deus.