Até que Ele venha

Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a Sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo. João 5:28 e 29.

Em um pequeno cemitério inglês existe uma tumba, na qual se vê um anjo, esculpido em mármore. Em uma das mãos, ele segura uma chave posicionada na direção de um cadeado. Com a outra mão, ele protege os olhos, enquanto olha para cima. E na base da tumba, está gravada a inscrição: "Até que Ele venha."

A intenção do escultor era que víssemos, através dos olhos dos anjos, a glória de Deus por ocasião da vinda de Cristo, quando as sepulturas serão abertas e os crentes ressurgirão para a vida eterna. A morte não é o fim. A tumba não é uma urna eterna. Para os que crêem na Bíblia, a morte é um curto descanso que durará até a volta de Jesus.

A Bíblia descreve a morte como um sono 53 vezes. Ao falar da morte de Lázaro para os Seus discípulos, o Mestre simplesmente declarou: "Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou despertá-lo." João 11:11. Jesus ressuscitou Lázaro milagrosamente para demonstrar Seu poder sobre a sepultura. Não precisamos temer a morte. Nosso amado Salvador põe um sinal na tumba de cada filho Seu.

Um dia, nosso Senhor vai descer à Terra. O céu será iluminado com Sua glória. Ele vai irromper entre nuvens. Assim como chamou Lázaro pelo nome, séculos atrás, também chamará nossos amados pelo respectivo nome. As sepulturas serão abertas, e eles também sairão. Mas haverá uma diferença significativa. Quando Lázaro foi ressuscitado, ele não recebeu um corpo imortal, glorioso. Ressuscitou para testemunhar o poder do Senhor, mas morreu outra vez. Quando nossos entes queridos forem ressuscitados, eles serão ressuscitados com corpos imortais e gloriosos, para nunca mais morrerem.

Uma nova vida pulsará em suas veias. Eles se levantarão com todo o vigor da juventude. Serão absolutamente perfeitos. E nós, os que estivermos vivos, também seremos transformados em um instante para receber nossos corpos imortais e gloriosos. Que esperança! Que promessa! Que ela conforte, hoje, o nosso coração.