O que você faz quando adoece?

Respondeu-lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Lucas 5:31

Quando alguém adoece, pode adotar uma das seguintes atitudes: 1. Não procurar ajuda de ninguém; 2. Procurar só ajuda humana; 3. Buscar só a ajuda divina; 4. Buscar tanto a ajuda humana quanto a divina.

A esposa de Mahatma Gandhi estava gravemente enferma, com pneumonia, mas Gandhi se recusou a administrar-lhe penicilina, argumentando que substâncias estranhas não deviam ser introduzidas no corpo. Como resultado, a esposa morreu.

Uma tragédia semelhante se abateu sobre a família de Larry Parker. Eles ficaram arrasados quando o seu filho, de apenas onze anos, morreu de diabete. E por que o menino morreu? Porque a família, aconselhada por seu pastor e amigos, decidiram suspender as doses de insulina e apenas confiar no poder da oração.

Esses exemplos parecem transmitir com clareza a verdade de que quando você dispõe de recursos humanos, mas não faz uso deles, as consequências são trágicas. Temos hoje um acervo extraordinário de recursos médicos, e Deus certamente não deseja que desprezemos esses recursos, trocando-os pela oração, e esperando de braços cruzados que Ele faça tudo enquanto não fazemos nada. É preciso unir a ajuda humana com a divina, em vez de optar por uma com exclusão da outra.

Por outro lado, a Bíblia registra o caso do rei Asa, que teve uma doença grave nos pés (alguns pensam ter sido gangrena), mas não recorreu ao Senhor. Ele confiou apenas nos médicos de seu tempo, que eram pouco mais do que curandeiros, e morreu também (2Cr 16:12, 13).

Teríamos algum exemplo bíblico de alguém que uniu os recursos humanos com os divinos para a sua cura? Sim. Em atendimento à oração do rei Ezequias, e sob a orientação do profeta Isaías , foi colocada uma pasta de figos sobre a úlcera do rei e ele recuperou a saúde (2Rs 20:7). O recurso humano disponível mais a ajuda divina, restauraram-lhe a saúde.

Podemos agora concluir que os remédios humanos mais a oração sempre salvarão o doente? Não, nem sempre. Há algumas condições que precisam ser preenchidas. Amanhã veremos mais sobre isso.


Condições para ser curado

Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo, em nome do Senhor. E a oração da fé salvará o enfermo. Tiago 5:14, 15

Um capelão americano contou que muitos pacientes que davam entrada no hospital se sentiam culpados por isso. Eles desabafavam dizendo: “Se eu tão-somente tivesse tido a necessária fé, poderia ter sido curado pelo poder da oração, evitando assim despesas médicas e hospitalares!”

Mas essa atitude é incorreta, pois embora Deus deseje operar milagres ainda hoje, há certas condições que precisam ser observadas:

1. Tanto quanto possível, Ele quer que façamos a nossa parte. Caso contrário a operação de milagres nos encorajaria à preguiça.

2. Deve-se unir a cura à educação e reforma. Se o doente contraiu uma enfermidade devido à transgressão das leis naturais, ele deve ser orientado a corrigir seus hábitos de vida, pois Deus não é honrado em curar alguém apenas para que este continue a viver erroneamente e contrair novamente a mesma doença da qual já foi curado uma vez.

3. Deus nos ouve se pedirmos alguma coisa segundo a Sua vontade (1Jo 5:14, 15). Mas algumas coisas que desejamos ardentemente, inclusive a cura, podem não estar de acordo com a vontade de Deus (W. Endruveit, Movimento Carismático, p. 55).

4. Embora Deus tenha poder para curar, Ele nem sempre o faz, porque uma doença pode ser usada por Deus como instrumento de correção para produzir frutos (2Co 4:17). Algumas das mais necessárias e preciosas lições da vida são aprendidas através do sofrimento. O apóstolo Paulo é um exemplo de alguém que por três vezes orou pedindo cura para seu “espinho na carne”, mas não foi atendido como queria. A resposta divina foi: “A Minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12:9).

E qual foi a reação do apóstolo Paulo diante dessa recusa? Passou o resto da vida choramingando e reclamando? Não. Ele se conformou dizendo: “De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo” (v. 9).

Dessa experiência podemos concluir que precisamos confiar na sabedoria divina e aceitar Sua decisão. Se Ele decidir não nos curar, devemos nos conformar e crer que isto também é para o nosso bem eterno.