A epístola de João para a senhora eleita

Verso Central: “Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho” (2Jo 9).

Leituras da semana: Êx 20:1-17; Rm 6:17; 2Ts 2:10; Hb 13:2; 2Jo; Ap 2:14, 15; 14:12

I - Introdução

Em muitos aspectos, a segunda epístola de João se assemelha à primeira. Embora seja menor, é usado o mesmo vocabulário, ocorrem os mesmos temas e prevalece a mesma preocupação pelos crentes. Um toque pessoal também é encontrado em ambas.

Porém, em contraste com a primeira epístola, a segunda é claramente traçada em forma de epístola, com introdução e conclusão formal. O corpo principal contém elogios, uma exortação ao amor e a andar de acordo com os mandamentos, e uma seção que trata dos anticristos. A brevidade de 2 João, como também 3 João, pode ter sido ditada pelo tamanho de uma folha de papiro. Se isso for verdade, o apóstolo deve ter pesado as palavras cuidadosamente conforme o Espírito Santo o movia a escrever.

Prévia da semana: Qual é a mensagem básica de 2 João, e como se assemelha à primeira? Como se relaciona o conceito de amor com o conceito de verdade? Qual é o vínculo entre o amor e a guarda dos mandamentos? Por que João leva tão a sério a questão dos falsos ensinos? Por que João orienta os membros a não oferecer hospitalidade aos falsos mestres?

II - Em amor e verdade

1. Leia 2 João. Que semelhanças você encontra comparando-a com 1 João? Qual é a mensagem essencial?

Uma leitura superficial de 2 João sugere que a epístola foi dirigida a um grupo de crentes (e não a uma única mulher). Isso faz muito sentido porque, em outros lugares do Novo Testamento, a igreja é retratada como uma mulher (Ef 5:22-32; Ap 12:1-6). Esses crentes, portanto, são cristãos maduros, não filhos literais.

2. Que palavra é repetida várias vezes na introdução de 2 João 1-4? Que aplicação dá João a essa palavra? Veja também 2Ts 2:10.

Note, também, que João usa a palavra verdade em combinação com amor nos versos 1 e 4. A fim de entender a natureza do amor verdadeiro entre os cristãos, é necessário um qualificativo, a verdade. O amor pode ser interpretado sob um ponto de vista puramente emocional, até mesmo sensual e superficial. O amor cristão é “verdadeiro” amor, expresso no contexto da verdade.

Quando falamos sobre a verdade, somos lembrados de Deus; de Jesus, que é a verdade (Jo 14:6); e do Espírito Santo. Assim como o Espírito Santo está com os crentes para sempre (Jo 14:16), também a verdade está com eles para sempre (2Jo 2). Em última instância, tanto a verdade como o amor apontam para Deus e se pertencem mutuamente na fé e na experiência cristã.

Ao mesmo tempo, verdade e amor parecem formar o tema principal de 2 João. O amor é mais discutido nos versos 5 e 6. A verdade é necessária para discernir os enganos e seus resultados (v. 7, 8) e para permanecer no ensino de Cristo (v. 9, 10).

Frequentemente, consideramos o conceito de amor como algo bom em si mesmo, não importando o contexto. No entanto, em que circunstâncias o amor pode ser muito destrutivo? Você já experimentou a realidade de como o amor, fora da verdade, pode ser terrível? Como essa experiência o ajuda a entender melhor a importância do amor no contexto da verdade, em vez de fora dela?

III - Andando conforme os mandamentos (2Jo 4-6)

O verso 4 é um encorajamento tanto para a igreja como para João. É estimulante e encorajador aos membros da igreja ouvir que o presbítero se regozija muito que eles “andem na verdade”. Isso os motiva a continuar a vida cristã “na verdade, de acordo com o mandamento que recebemos da parte do Pai”. O mandamento de andar na verdade pode ser encontrado em 1 João 3:23, onde ele nos chama a crer em Jesus e amar uns aos outros.

3. Como o amor e os mandamentos estão relacionados? Veja 2Jo 5, 6. Por que essa relação é importante especialmente para nós? Veja também Ap 14:12.

Depois da alegria (v. 4) vem um pedido que é ao mesmo tempo uma exortação (v. 5, 6). João fala novamente de um mandamento (v. 5). Esse é o mandamento (singular) de amar uns aos outros. Então, ele parte do conceito de “mandamento” para o conceito de “amor” e, realmente, esse mandamento tem o amor como seu conteúdo.

No verso 6, ele continua de modo inverso; isto é, ele parte do amor para os mandamentos (plural). O amor se mostra na guarda dos mandamentos de Deus. Em outras palavras, temos este mandamento que é amar uns aos outros, e revelamos esse amor guardando os mandamentos.

4. Como a guarda dos mandamentos (Êx 20:1-17) revela o amor de uns para com os outros?

É interessante que algo como a guarda da lei, as regras, e detalhes das normas esteja ligado tão intimamente com o amor. Mas é perfeitamente lógico. O amor não é só o que sentimos; também é o que fazemos, é como agimos; é como nos relacionamos com os outros. Entretanto, muito mais do que guardar os Dez Mandamentos, apenas, o amor verdadeiro não pode ser separado dos princípios encontrados neles.

Pense em alguém que você ama. Como você trata essa pessoa? Que coisas você diz para revelar seu amor? Como você pode demonstrar mais claramente seu amor por essa pessoa? Como, às vezes, seu egoísmo interfere na maneira de mostrar esse amor da maneira que você sabe que deveria?

IV - Ultrapassando a doutrina de Cristo (2Jo 7-9)

5. Qual é a advertência de João a respeito dos enganadores? Quais são as consequências de seguir falsas doutrinas? 2Jo 7-9

Nos versos 7-9, voltamos aos enganadores e sua falsa compreensão de Jesus. Parece ser a mesma situação que já encontramos em 1 João. É muito triste quando alguém deixa a igreja e se torna um dos “enganadores”. É verdade, muitos ainda permanecem na verdade (v. 4), mas um pastor lamenta por todos os que abandonam Deus e Sua igreja.

Os ensinos dos anticristos a respeito de Jesus eram diferentes dos ensinos dos apóstolos. Os membros da igreja precisam tomar cuidado a fim de não ser afetados por eles e seus falsos ensinos. Neste texto, João é muito claro, também, afirmando que os crentes podem se extraviar, e que não existe essa realidade de “uma vez salvo, salvo para sempre”.

6. Por que é importante manter-se na “doutrina de Cristo”? 2 João 9. Veja também Mt 16:12; At 2:42; Rm 6:17; Ap 2:14, 15.

João não se ilude imaginando que a doutrina não tem importância. Para ele, os falsos ensinos podem levar à perda da vida eterna. Assim, a doutrina é importante!

Na passagem de hoje, obviamente, é o ensino dos apóstolos sobre Jesus que está sendo desafiado. Os que aceitam esse ensino bíblico e permanecem fielmente nele têm o Pai e o Filho. Deus o Pai e Jesus são colocados no mesmo nível. A rejeição do ensino sobre Jesus leva à perda do relacionamento com o Pai.

Qual foi sua experiência com falsos mestres e doutrinas falsas? Você conseguia ver, especialmente no princípio, aonde esses ensinos o poderiam ter levado? O que você aprendeu dessas experiências que poderia ajudar outros que têm dificuldades com algo semelhante?

V - Negligenciando a hospitalidade? (2Jo 10, 11)

A Bíblia dá grande valor à hospitalidade (Hb 13:2; 1Pe 4:9). Jesus Se misturava com coletores de impostos, fariseus e outros que talvez nem sempre tivessem uma teologia ou um estilo de vida corretos.

. Como esse comportamento se ajusta com a recomendação de João de não receber em casa certas pessoas e nem lhes dar boas-vindas? 2Jo 10, 11? Veja também Mt 10:14, 15; 18:15-17

Embora a hospitalidade seja uma virtude cristã, existem limitações. Se a hospitalidade pode levar a apoiar direta ou indiretamente falsas doutrinas, deve ser abandonada. No primeiro século d.C., os mestres perambulavam de igreja em igreja, pregando em vários lugares e se hospedando com membros da igreja que deveriam lhes fornecer alimento e alojamento.

Se esses mestres propagavam doutrinas falsas, a hospitalidade era entendida como um apoio à sua posição e ajudavam realmente seu trabalho. Além disso, os membros da igreja que estavam vacilando entre o ensino apostólico e as ideias falsas podiam ficar confusos ou até mesmo tomar uma decisão errada se vissem um membro preeminente da igreja permitindo que um enganador ficasse em seu lar.

João não está propondo odiar essas pessoas nem evitar qualquer contato com eles, mas devemos estar cientes do fato de que nosso comportamento pode ser entendido como endosso a ideias contrárias à verdade. Se for esse o caso, devemos ser muito cuidadosos.

Tem sido sugerido que, nos versos 10 e 11, João estava preocupado não tanto com o comportamento individual dos crentes como com o da igreja toda, e que a “casa” mencionada no verso 10 não é um lugar de habitação particular mas o lugar em que a igreja se reúne para adoração. A igreja não deve encorajar um mestre que prega heresia.

Em resumo, a recepção a um falso mestre seria percebida como encorajamento ao que ele ou ela apresenta. Hoje, podemos ter perdido o senso de quão problemáticas as heresias podem ser. Alguns consideram que até mesmo falar sobre “heresia” é crítico ou arrogante, embora as Escrituras falem com frequência sobre esse assunto. João nos lembra que existe uma diferença básica entre a verdade e o erro.

Pense no efeito de suas ações sobre os outros. Pense com quanta facilidade seu exemplo pode influenciar outros para o bem ou para o mal. Que tipo de exemplo de Cristo você apresenta? Como você pode fazer melhor?

VI - Comunicação pessoal (2Jo 12, 13)

Com os versos 12 e 13, chegamos ao fim de 2 João. Esses versos formam a conclusão da epístola e nos permitem ver o interesse pessoal de João em seu público e seu desejo de encontrar esses crentes pessoalmente.

7. Que vantagens existem em falar pessoalmente, em vez de escrever uma epístola? Que sugestão você encontra na expressão “para que nossa alegria seja completa”? Veja também At 2:42-47

A mensagem que João comunica é forte. No que se refere aos anticristos, João não deixa espaço para negociação nem meio-termo. Somos lembrados da atitude de Paulo quando escreveu aos Gálatas (Gl 1:6-9).

João pode ter compartilhado sua mensagem oralmente, mas também existem vantagens para uma forma escrita de comunicação:

· As epístolas dos apóstolos eram consideradas de especial importância e autoridade e eram levadas a sério.
· A epístola pode ter alcançado o público antes que fosse possível uma visita pessoal. A urgência da situação exigia uma resposta rápida.
· A mensagem foi preservada para outras igrejas e gerações posteriores que se achavam em situações semelhantes. Realmente, João pediu que a epístola fosse compartilhada com outras igrejas (v. 13).
· Uma epístola pode ser esboçada muito cuidadosamente e frequentemente pode ser mais precisa que uma apresentação oral.
· O Espírito Santo o impeliu a registrar sua mensagem por escrito.

Apesar de tudo isso, João ainda queria encontrá-los pessoalmente.

VII - Estudo adicional

Leia as passagens seguintes: Gl 2:11-16; 1Tm 4:1-7; 2Tm 2:14-19; Ap 2:1-3, 12-16, 18-25.

“O apóstolo [João] ensina que, conquanto devamos manifestar cortesia cristã, estamos autorizados a chamar o pecado e os pecadores por seu verdadeiro nome – que isto é coerente com o verdadeiro amor. Conquanto tenhamos de amar as pessoas por quem Cristo morreu e trabalhar por sua salvação, não devemos condescender com o pecado. Não nos unamos com os rebeldes chamando a isso amor. Deus exige de Seu povo atual que permaneça, como o fez João em seu tempo, inflexivelmente pelo direito, em oposição aos erros destruidores das pessoas” (Santificação, p. 65).

“A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo do ser sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus” (Educação, p. 57).

Perguntas para consideração

1. Discuta a idéia de que doutrina ou ensino não é tão importante, que questões como ser bondosos, amorosos e receptivos é o que importa. O que devemos pensar sobre essa idéia?
2. O que você faz com respeito à questão de “chamar o pecado pelo seu nome exato”? Como podemos lidar com os membros errantes sem ser críticos ou condenatórios? Ao mesmo tempo, não estamos nos esquivando do dever cristão quando não confrontamos irmãos ou irmãs da igreja que estão fazendo o que é errado? Como podemos tratar com essa questão difícil?
3. Como vai sua igreja local na área da hospitalidade em geral? Como você pode ajudar a igreja a melhorar nessa questão, se necessário?

Respostas sugestivas para as perguntas:

Pergunta 1: Reforça a fé em Cristo como Filho de Deus, a permanência na verdade, o amor mútuo e adverte contra o anticristo.
Pergunta 2: A importância da “verdade”.
Pergunta 3: Os mandamentos se resumem no amor.
Pergunta 4: Os mandamentos nos proíbem de fazer mal ao próximo e, ao fazermos isso, estaremos amando-os.
Pergunta 5: Existem muitos enganadores, que podem levar-nos a perder a salvação.
Pergunta 6: A doutrina expressa aquilo em que cremos.
Pergunta 7: O contato pessoal permite interação, modulação da voz e oferece maior possibilidade de diálogo.