Temas importantes em 1 João

Verso Central: “Amados, agora, somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que haveremos de ser. Sabemos que, quando Ele Se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque haveremos de vê-Lo como Ele é” (1Jo 3:2).

Leituras da semana: Mt 5:13; Jo 14:6; Ef 4:25-5:21; 1Tm 3:15; 1Jo

I - Introdução

De toda a tragédia que resultou do 11 de setembro de 2001, os ataques terroristas em Nova Iorque e Washington, D.C., houve um resultado positivo: para muitos, representou o toque fúnebre para o relativismo moral. A matança a sangue frio de milhares, em pleno dia, diretamente em nossos aparelhos de TV, trouxe a muitos em tempo real o horror envolvido nesse assassinato em massa. De repente, ficou óbvio que um mal como esse nunca poderia ser justificado com base na cultura. Em 11 de setembro, as pessoas viram a face de um mal moral, mal que transcendeu toda cultura, todas as tradições, todas as épocas e, de repente, para muitos a natureza objetiva da moral, particularmente do mal, finalmente se mostrou como nunca antes.

Evidentemente, para João, o relativismo moral nunca entrou em questão. Ele sabia que havia a verdade absoluta, e esta estava centralizada em Cristo. Nesta semana, vamos recapitular alguns dos temas importantes de 1 João, inclusive a natureza da verdade, que sempre forma o fundamento da moralidade.

Prévia da semana: O que João ensina sobre a obra da Divindade? Que imagens ele usa para transmitir a idéia de como deve ser a igreja? Qual é a única base de nossa salvação? O que João ensina sobre a verdade?

II - A Divindade

Em 1 João, nos é dado um vislumbre da Divindade: o Pai (1Jo 2:16), o Filho (v. 23) e o Espírito Santo (1Jo 5:6). Mas a ênfase principal está em Jesus e no Pai. A epístola diz que Deus é luz e que as trevas (o mal) não existem nEle. Diz que Deus é justo e que Ele é amor. Realmente, nossa habilidade de amar depende de Deus, que é amor. A relação de Deus com os crentes se expressa pela palavra filhos, que em si mesma revela o amor e cuidado que Ele tem por nós. Em resumo, 1 João pinta para nós um quadro muito positivo e esperançoso de como é nosso Deus.

Mas o capítulo nos diz algo mais. Diz o que o Senhor está fazendo por nós. É aqui que deve estar nossa real esperança e encorajamento.

1. De acordo com 1 João, o que Deus fez por nós e o que está sendo feito agora por nós?
                  a. 1Jo 1:9                       b. 1Jo 2:1, 2
                  c. 1Jo 2:27                     d. 1Jo 3:8
                  e. 1Jo 4:8-10                   f. 1Jo 5:11
                  g. 1Jo 5:14


A epístola se refere à vinda de Cristo em forma humana, bem como Sua morte por nós, que nos oferece a oportunidade de ter vida eterna. Ao mesmo tempo, Sua morte derrotou as obras do diabo, nosso inimigo. De acordo com 1 João, Deus perdoa nossos pecados, nos purifica, intercede por nós e nos dá vida eterna. Ele nos oferece segurança e nos faz Seus filhos. A base desse ensino é que unicamente a cruz e o sangue de Jesus nos salvam, nada mais.

III - A Igreja

No Novo Testamento, a igreja é apresentada sob várias imagens como: sal (Mt 5:13), coluna (1Tm 3:15), edifício ou casa (Ef 2:21, 22), templo (1Co 3:16, 17), mãe (Ap 12:1, 2), noiva (Ap 21:2) e corpo de Cristo (Ef 1:22, 23).

2. Em 1 João, embora a palavra igreja em si não apareça, o conceito está presente. Que imagem no livro nos ajuda a entender melhor como deve ser a igreja em toda parte?
                  a. 1Jo 2:9-11                     b. 1Jo 2:13, 14
                  c. 1Jo 2:12, 18                   d. 1Jo 3:1


Em 1 João, parece que a igreja é descrita principalmente como uma família. Existe o Pai celestial (12 vezes). Além disso, o próprio João é um tipo de pai, chamando os membros da igreja de “filhinhos” (1Jo 2:18). Os membros da igreja são filhos (13 vezes), pais e jovens (duas vezes cada), e irmãos (13 vezes).

Estas expressões sugerem certo tipo de intimidade, um relacionamento próximo e amor mútuo, e dão a idéia de familiaridade. Todos são necessários, e todos têm um lugar na família de Deus. Além disso, a família inclui a Divindade. Consequentemente, essa comunidade tem uma dimensão horizontal e outra vertical. Como membros da igreja, somos literalmente parte da família de Deus.

3. Qual é a chave para o que significa ser parte da família de Deus? 1Jo 4:7

Como você descreveria seu relacionamento com a família da igreja? Você é um filho teimoso? Um pai dominante? Mãe amorosa? Bebê impotente? Que mudanças você precisa fazer a fim de ser uma parte mais produtiva dessa família especial?

IV - Salvação

Desde o Gênesis até o Apocalipse, a Bíblia tem tudo a ver com Jesus. Mas não com Jesus em um vazio. É com Jesus e a redenção. É com o que Deus fez em favor da humanidade caída. É com o surpreendente sacrifício próprio de Deus a fim de nos restaurar ao que originalmente nos foi dado, e mesmo mais. Em resumo, a Bíblia trata da salvação, e esse é um tema-chave também em 1 João.

4. De acordo com os textos seguintes, como nos foi dada a salvação?
                  a. 1Jo 1:9                   b. 1Jo 2:2                   c. 1Jo 4:9, 10


O meio de nossa salvação é o sangue de Cristo (1Jo 1:7; 5:6, 8), isto é, Seu sacrifício expiatório (1Jo 2:2; 4:10). A cruz não é mencionada diretamente em 1 João. Porém, o sangue e o sacrifício expiatório apontam para a cruz. Não é o exemplo de Jesus que nos salva, por mais importante que seja. É Sua morte. E, ainda, Seu exemplo nos convida a caminhar como Ele fez (1Jo 2:6).

Para João, a salvação dos crentes é uma realidade presente. Ele a descreve de várias maneiras:

· Eles O conheceram (1Jo 2:2, 3).
· Estão nEle (1Jo 2:5; 5:20).
· Seus pecados foram perdoados (1Jo 2:12).
· Venceram o Maligno (v. 13).
· Passaram da morte para a vida (1Jo 3:14).
· Têm a vida eterna (1Jo 5:12, 13).

V - Comportamento cristão

Embora, em sua primeira epístola, João trate de erros teológicos, ele novamente fala de ética. João vê claramente que a teologia condiciona a ética e que uma teologia errônea pode levar a atos errados. Consequentemente, é importante ser tão corretos em nossa teologia quanto possível. Devemos nos certificar de que nossa compreensão teológica de Deus e das Escrituras seja madura, crescente e correta.

Devemos também nos certificar de que a nossa teologia se traduza em práticas corretas. É triste ver alguém, um grande defensor da ortodoxia teológica, fugir com o cônjuge de seu vizinho. É trágico quando estudantes e seminaristas de teologia usam desonestidade nas provas.

5. Recapitule os textos seguintes e, nas linhas abaixo, resuma o que eles nos ensinam sobre o comportamento ético. 1Jo 2:1; 3:4, 15, 17, 18; 5:2, 3. Se puder, leia também 1Jo 1:7, 15, 16; 3:7; 4:7.

Com apelos diretos e indiretos, João enfatiza o comportamento ético. Ele pede que os cristãos não mintam, não pequem, não odeiem seus irmãos ou irmãs, não amem o mundo com suas atrações e orgulho, e não pratiquem a iniquidade. Ao contrário, ele diz que devemos ser obedientes, fazer o que é certo e amar uns aos outros de maneira tangível. Embora Paulo seja mais detalhista que João (veja, por exemplo, Ef 4:25-5:21), João resumiu tudo quando apontou para a necessidade de guardar os mandamentos de Deus e andar e viver de maneira semelhante à vida de Jesus (1Jo 2:6).

João deixa claro que nascer de Deus, conhecer a Deus, amar a Deus, é algo que muda nossa vida. Conforme João, a verdade não é algo em que se deve acreditar, somente; é algo a ser vivido. Talvez nenhum outro verso diga isso de maneira mais clara que 1 João 3:7: “Filhinhos, não vos deixeis enganar por ninguém; aquele que pratica a justiça é justo, assim como Ele é justo”.

Como podemos andar e viver como Jesus? O que significa isso na prática? Você está enfrentando alguma coisa, agora mesmo, que talvez exija muita graça e força para agir como Cristo agiria?

VI - Verdade e mentiras

Desde o tempo dos antigos gregos até os dias de hoje, tem havido a noção de que a verdade é relativa, que não existem absolutos e que os seres humanos estão longe de ter algum padrão absoluto transcendente para guiá-los e orientar suas ações. Eles têm que decidir por si mesmos o que é verdade e o que é erro, o que é bom e o que é mau, o que é moral e o que é imoral. Isso é conhecido basicamente como relativismo, e embora venha em diversos disfarces, o ponto básico é o mesmo: Não existe padrão absoluto de verdade, bondade ou moralidade. Nessa posição, temos que chegar a essas coisas por nós mesmos – fazendo o melhor que pudermos de acordo com nossa própria cultura, comunidade e tradições.

6. O que Jesus disse sobre a natureza da verdade absoluta? Jo 14:6

Jesus não aceita a idéia de que a verdade é relativa. Em palavras tão claras quanto possível, Jesus mostra a realidade da verdade absoluta e, nEle, nós a vemos manifesta na forma de uma pessoa!

7. Que ensina João sobre a verdade? 1Jo 2:4, 21; 3:19; 4:6; 5:20

João sabe que existem absolutos; mais ainda, ele deixa muito claro que existe uma clara distinção entre verdade e mentira, contraste que tende a ser obscurecido nas visões relativistas de mundo. Existe verdade absoluta. Deus é verdade. Jesus e o Espírito Santo são verdade. Por outro lado, mentirosa é a pessoa que faz afirmações não confirmadas pelos fatos, que confessa amar a Deus e não guarda os mandamentos e que nega que Jesus seja o Cristo. Em contraste, os cristãos sinceros conhecem a verdade, amam a verdade e pertencem à verdade. Assim, a verdade é tanto o que aceitamos intelectualmente como o que praticamos.

Sem dúvida: De acordo com a Bíblia, a verdade absoluta existe. Mas é tudo absoluto? Não existem coisas que não sejam tão firmes, mas relativas, pessoais, culturais e mutáveis? Como podemos aprender a distinguir entre o que deve ser absoluto e invariável e o que pode mudar e ser relativo, dependendo das circunstâncias?

VII - Estudo adicional

Atos dos Apóstolos, p. 546-554: “Uma Testemunha Fiel”.

Hoje, 1 João é muito necessário, porque todos os tipos de falsas idéias estão sendo promovidos. João apela a seu público e a nós para que não creiamos em tudo e não aceitemos novas doutrinas sem profunda análise, mas que provemos se um ensino é ou não verdadeiramente bíblico. É necessário discernimento para distinguir a verdade do erro.

De acordo com João, o cristianismo autêntico tem estes sinais: (1) crença em Jesus como Filho de Deus, que veio em carne; (2) observância dos mandamentos de Deus; e (3) amor a Deus e aos outros. João quer lançar um fundamento sólido e ajudar seu público a ter a garantia da salvação pela fé em Jesus Cristo como proclamado nas Escrituras.

Perguntas para consideração:

1. Por mais que seja difícil entender, por parte dos que creem em absolutos morais, a idéia de relativismo moral tem certa lógica. Se não existe Deus ou Criador e somos resultado puramente de forças casuais, de onde mais a moralidade deveria vir se não de nós mesmos? E se mudarmos de idéia sobre o que é moral... bem, e daí? De um ponto-de-vista puramente prático, o que há de errado nesse tipo de pensamento?

2. Anos atrás, quando lhe foi perguntado o que o governo britânico poderia fazer para ajudar os cidadãos a viver mais de acordo com a moral, o primeiro-ministro Harold McMillan respondeu: "Eu sou só o primeiro-ministro. Vá falar com o Arcebispo." Como aquilo que estudamos ajuda os membros da igreja a respeitar mais a moral? Ou é o propósito do evangelho nos tornar mais virtuosos?

Respostas sugestivas para as perguntas:

Pergunta 1: a. Deus nos perdoa e nos purifica; b. Intercede por nós e provê nossa expiação; c. Concede Seu Espírito; d. Destrói as obras do Diabo; e. Concede-nos Seu próprio Filho; f. Dá-nos a vida eterna; g. Ouve as nossas orações.
Pergunta 2: Relações familiares: Pai-filho; pais, jovens, filhos.
Pergunta 3: O amor.
Pergunta 4: Mediante o sacrifício do Filho.
Pergunta 5: O crente evita o pecado e o ódio. Ama os semelhantes, especialmente os irmãos de fé. Guarda os mandamentos, vive em comunhão, não ama o mundo.
Pergunta 6: Que a verdade era e é Ele mesmo.
Pergunta 7: É encontrada em Jesus Cristo e em Deus Pai.