Vivendo a nova vida

Verso Central: "Antes, sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou" (Efés. 4:32).

Leituras da semana: Rom. 1:26-32; 3:10-18; 12:2; I Cor. 2:9-16; Efés. 4:17-32; Filip. 4:8 e 9

I - Introdução

A apresentação de Paulo sobre as implicações práticas da unidade cristã começaram com um chamado aos cristãos, tanto judeus como gentios, para que andassem "de modo digno da vocação a que [foram] chamados" (Efés. 4:1). Essa caminhada impõe várias demandas sobre nós. A primeira é a preservação da unidade do corpo de Cristo em meio à diversidade (vs. 1-12). A segunda, nosso estudo desta lição, trata de andar em um novo caminho, decisivo para manter a unidade sobre a qual Paulo fala.

Esse novo caminho não é uma modificação ou melhoria do antigo. É uma transformação radical que rejeita os valores antigos e adota um estilo de vida totalmente novo – em pensamento, caráter, valores, relacionamentos e motivos. É passar da morte para a vida. É uma mudança de senhor: de Satanás para Cristo.

II - Despojando-se do velho homem (Efés. 4:17-22)

Uma vida digna "da vocação a que [fomos] chamados" (Efés. 4:1) não é apenas uma vida de unidade e crescimento, como vimos na semana passada, mas também uma nova vida. Essa nova vida é uma série de negativas e positivas. A primeira negativa é despojar-se do velho homem (v. 22). A vida cristã começa com um claro rompimento com o passado, e Paulo apelou aos efésios para que não mais andassem "como também andam os gentios" (v. 17). Para os romanos, Paulo usou uma linguagem mais séria e os chamou a crucificarem o velho homem "para que o corpo do pecado [fosse] destruído" (Rom. 6:6).

1. Mencione algumas das características do velho homem em Efésios 4:17-24. Compare com Romanos 3:10-18. Que tipo de quadro ele apresenta da humanidade em geral? Mudou alguma coisa nos mais de dezenove séculos desde que Paulo escreveu?

Note que, em sua descrição aos Efésios, Paulo usa palavras como escuridão, ignorância e cegueira, coisas que os levaram à decadência moral. Por causa do pecado, a mente deles não podia compreender as verdades espirituais. Como resultado, a vida deles era desperdiçada na inútil busca de Deus em si mesmos, nos ídolos desprezíveis ou na vã filosofia. Eles se perdiam em ensinos fantasiosos e viviam na escuridão espiritual (Efés. 4:18; veja também Rom. 1:19-21). Sua sensibilidade moral estava tão comprometida que não podiam fazer distinção entre o bem e o mal. Os prazeres do corpo, comportamento particularmente imoral e contrário aos padrões, haviam se tornado seu passatempo favorito. Viviam em "depravação", "impureza" e "avidez" (Efés. 4:19; veja também Rom. 1:26-32).

Essa era a vida deles – a vida do velho homem – antes de irem a Cristo. Então, Paulo apela aos crentes: não voltem jamais para o velho homem.

Examine o verso 19. Como alguém pode se tornar insensível? Você já experimentou esse princípio negativo em sua vida? Por que é perigoso chegar a esse ponto, mesmo sendo um professo cristão ? Qual é a única proteção contra esse problema?

III - "Revestindo-se do novo homem" (Rom. 12:1 e 2; Efés. 4:20-24)

2. Tendo dito aos crentes para despojar-se do velho homem (Efés. 4:22), que conselho Paulo deu? Efés. 4:22-24

Quando aceitam a Cristo, os crentes abandonam o antigo estilo de vida dos gentios. Mas abandonar não é suficiente. O cristianismo não é uma religião de negação. Espera-se que o crente se erga a um patamar mais elevado de vida moral e espiritual. Então, Paulo aconselha: "E vos renoveis no espírito do vosso entendimento, e vos revistais do novo homem" (Efés. 4:23 e 24).

Se a vida do velho homem era caracterizada por uma mente fútil, a vida do novo homem se distingue pela mente renovada. "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Rom. 12:2).

3. Como os crentes devem ter a mente renovada? Rom. 12:2; I Cor. 2:9-16; Filip. 4:8 e 9

Depois de descrever a vida fútil, obscura e pecaminosa dos gentios (Efés. 4:17-20), Paulo afirma que eles haviam sido ensinados a deixar essa vida quando foram a Cristo. Usando três verbos – aprender, ouvir e instruir, Paulo lembra aos crentes que eles já conheciam bem o efeito da salvação e do novo nascimento em seu estilo de vida. Essa verdade não chegara até eles de qualquer fonte humana, mas do próprio Jesus (Efés. 4:21). O uso que Paulo faz do nome de Jesus não é acidental. Ele quer que os crentes saibam que o Jesus histórico – encarnado, crucificado, ressuscitado e ascendido ao Céus – Ele mesmo é a verdade, Ele mesmo é o revelador da verdade (João 14:6).

"Aqueles que recebem o Salvador se tornam filhos de Deus. ... Sua mente é transformada. ... Em vez do amor supremo ao eu, eles passam a apreciar o amor supremo a Deus e a Cristo." – SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.117.

Em sua experiência como cristão, você achou que de repente seus pensamentos, seu coração, motivos e ações ficaram puros? Se não, que coisas práticas você pode fazer a fim de alcançar essa meta desejada? Ao mesmo tempo, você está fazendo alguma coisa que pode dificultar esse trabalho de purificação?

IV - Viver a nova vida (Efés. 4:25-29)

O apóstolo não é um teórico afastado da realidade. Em determinado momento ele pode nos elevar às alturas majestosas da teologia; mas em outro, ele pode nos fazer descer às realidades de nossa vizinhança. Assim, ele esboça quatro imperativos da nova vida, simples mas vitais para manter bons relacionamentos.

1. Deixe a mentira; fale a verdade (Efés. 4:25).

4. Como a mentira prejudica os seus relacionamentos com os outros?

2. "Irai-vos e não pequeis" (v. 26). Por sermos humanos, inevitavelmente enfrentamos situações que nos deixam irados, e talvez até com razão. Em todo caso, quando enfrentamos a raiva, três precauções precisam ser respeitadas: "Não pequeis"; isto é, não permita que isso o leve ao ressentimento ou à transgressão da lei. Não permita que o Sol se ponha sem corrigir a situação. Não dê ao diabo a oportunidade de usar a raiva para destruir a unidade e o relacionamento.

5. Como o diabo usou raiva contra você e suas relações?

3. "Não furte mais; antes, trabalhe" (v. 28). O furto toma muitas formas – desde o furto declarado, até a retenção do que pertence legalmente a outro, e a destruição do nome ou do caráter de outro. O cristão vive por um elevado plano moral. Trabalho honesto, vida desinteressada, generosidade e defesa dos direitos dos outros são marcos da nova vida em Cristo.

6. Usando a definição acima, você ou alguém que você conhece tem sido tentado a furtar?

4. Guarde sua língua, seja edificante no que fala (v. 29). As palavras são ferramentas poderosas. Bem usadas, podem ser grande bênção. Mas Paulo adverte contra a conversa corrupta. A palavra grega corrupta também significa podridão. Depravação, vulgaridade, blasfêmia e "fofoca" não têm lugar em nosso falar. A fala do cristão deve edificar e construir.

7. Quando você foi ferido por palavras prejudiciais pela última vez?

Pense também nas suas respostas às perguntas do dia. O que elas lhe dizem sobre a importância de viver como "novo homem" (v. 24) para a unidade sobre que Paulo fala?

V - "Não entristeçais o Espírito de Deus" (Efés. 4:30)

"E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção" (Efés. 4:30).

A igreja de Éfeso teve início quando o apóstolo impôs as mãos sobre os crentes para receberem o Espírito Santo (veja Atos 19:1-7). Não é de admirar que Paulo fale tanto sobre o Espírito Santo em Efésios – pelo menos doze vezes.

8. O que Paulo diz sobre o Espírito em Efésios?
        a. Efés. 2:18         b. Efés. 3:16         c. Efés. 5:9         d. Efés. 6:17


Em outro lugar, Paulo declara que o Espírito dá vida (II Cor. 3:6), filiação (Rom. 8:16), entendimento (I Cor. 2:10-16), fruto (Gál. 5:22), esperança para o futuro (Gál. 5:5), dons espirituais (I Cor. 12:4-11), santificação (Rom. 15:16), poder interior (Rom. 8:11) etc.

Paulo dava grande importância ao papel do Espírito Santo na vida do crente e da congregação. Vem daí a sua admoestação: Não entristeçais o Espírito Santo. Essa declaração revela sem rodeios que o Espírito não é simplesmente um poder divino mas uma Pessoa ativa da Divindade, sensível aos relacionamentos. Entristecer o Espírito Santo é equivalente a entristecer o Pai e o Filho. Tudo o que temos que fazer é ler a Bíblia e ver quanto Deus Se importa com as nossas ações e como nossos pecados e nossa desobediência Lhe causam dor. Existem responsabilidades morais e espirituais em todos os que são trazidos à família de Deus pelo Espírito, e quando violamos essas responsabilidades, nós O entristecemos. É difícil entender que Deus pode realmente ser entristecido pelo que fazemos, mas é isso que a Bíblia nos diz, e certamente a vida de Jesus mostra o cuidado amoroso que Deus tem por Suas criaturas. Assim, se Ele nos ama e Se importa conosco, não é de admirar que fique aflito pelo que fazemos.

Nas últimas vinte e quatro horas, que coisas você fez que podem ter entristecido o Espírito Santo? Essas ações eram inevitáveis? Se não, por que você as praticou?

VI - "Sede imitadores de Deus" (Efés. 4:31–5:1)

A ordem de Paulo para os salvos que agora vivem como um corpo unido de judeus e gentios é que andem na nova vida. Essa nova vida envolve muitos verbos: abandonar, adotar, perseverar e não entristecer o Espírito. Na lição de hoje, Paulo apresenta em resumo uma expressão do novo caminho: "Sede imitadores de Deus" (Efés. 5:1).

9. Como podemos, seres pecadores que somos, ser imitadores de Deus? O que Paulo quer dizer?

Depois de dizer que devemos ser imitadores de Deus, Paulo faz a admoestação pessoal e íntima: "como filhos amados" (v. 1). Quando pai e filho têm um relacionamento íntimo e próximo, passando tempo um com o outro e compartilhando as atividades da vida, freqüentemente o filho tende a ser como o pai. Assim, quanto mais tempo passamos com Deus em oração, meditação e estudo, mais semelhantes a Ele podemos nos tornar.

"Assim como os filhos imitam seus pais, devemos nós imitar a Cristo. Seu grande amor por nós O levou a sacrificar-Se a fim de podermos viver. Nosso amor aos outros deve ser do mesmo tipo – um amor que vai além do afeto, até o serviço abnegado." – Life Application Bible, sobre Efésios 5:1-2.

10. Que três qualidades devem assinalar nossa vida? Como essas qualidades são um reflexo de Deus? O que você pode fazer para manifestar essas qualidades em sua vida? Efés. 4:32

Era véspera de Natal. Uma criança com roupas esfarrapadas estava examinando as vitrines brilhantes de uma loja, com os olhos fixos em uma bonita boneca. Ela não tinha meios para comprá-la. Naquele momento, um homem tirou da vitrine aquela boneca. O rosto da pequena menina se entristeceu, mas logo se iluminou quando o homem saiu da loja e deu a boneca a ela. Ela olhou para cima e perguntou: "Você é Deus?" Talvez ninguém tenha dito alguma coisa parecida para você, mas como você tem refletido aos outros o caráter de Deus?

VII - Estudo adicional

A obra transformadora de Cristo: "O próprio Jesus, em Sua infinita misericórdia, está operando nos corações humanos, efetuando transformações espirituais tão admiráveis, que os anjos as contemplam com estupefação e alegria. O mesmo abnegado amor que caracteriza o Mestre, manifesta-se no caráter e na vida de Seus verdadeiros seguidores. Cristo espera que os homens se tornem participantes de Sua natureza divina enquanto estão aqui no mundo, refletindo assim não somente Sua glória para louvor de Deus, mas iluminando as trevas deste mundo com as irradiações do Céu." – Testemunhos Para a igreja, vol. 5, pág. 731.

Membros não renovados: "A aquisição de membros que não foram renovados no coração e reformados na vida é uma fonte de fraqueza para a igreja. Esse fato é muitas vezes passado por alto. Alguns pastores e igrejas acham-se tão desejosos de assegurar um aumento de membros, que não dão testemunho fiel contra hábitos e costumes não cristãos." – Ibidem, pág. 172.