A igreja de Éfeso

Verso Central: "Assim, a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente" (Atos 19:20).

Leituras da semana: Atos 19; 20:17-38

I - Introdução

A igreja de Éfeso era afortunada por ter tido o ministério de Paulo. Imagine – ter Paulo como pastor? Que bênção! Mas também precisava de um Paulo. A igreja tinha muitos inimigos, alguns ferozes como animais selvagens (I Cor. 15:32), e isso explica ainda mais a proximidade de Paulo para com a congregação de Éfeso. Não é de admirar que seu ministério tenha sido longo e árduo. Mas quando ele partiu, tinha uma satisfação que faria inveja a qualquer pastor: "Porque jamais deixei de vos anunciar todo o desígnio de Deus" (Atos 20:27).

Entre outros associados com a igreja estavam Áquila e Priscila, Apolo, Timóteo e João, o apóstolo. Cada um deles teve seu papel na construção dessa igreja, uma das melhores do primeiro século. O que podemos aprender ao pesquisar esse momento fascinante e instrutivo da história cristã primitiva?

II - Éfeso: Jesus versus Diana (Atos 19:24-29)

Localizada na extremidade ocidental da Ásia Menor, com fácil acesso ao Mar Egeu, Éfeso estava em condição de gloriar-se no primeiro e no segundo séculos d.C. Como quarta maior cidade do Império Romano, capital da Ásia Menor, Éfeso gabava-se de uma rica herança de riqueza, filosofia e lei romana.

Talvez, o ponto mais atraente na cidade fosse o seu templo a Diana, deusa da fertilidade "que toda a Ásia e o mundo" adoravam (Atos 19:27). Conhecida como Ártemis pelos gregos e Diana pelos romanos, a deusa tinha uma seita de seguidores que praticavam a magia e a astrologia. A adoração dessa figura também trazia para a cidade uma enxurrada de adoradores e turistas. Construído de mármore e coberto de ouro, seu templo media 130 por 70 metros e abrigava no centro do seu santuário interno a imagem de Diana. No tempo de Paulo, o templo era considerado uma das sete maravilhas do mundo, e o comércio, a indústria e a economia da cidade dependiam das multidões que se aglomeravam ali para adorar Diana.

Nessa cidade, absorvida na adoração da deusa da fertilidade, Paulo entrou proclamando "não serem deuses os que são feitos por mãos humanas" (Atos 19:26). Em outras palavras, sua mensagem atingiu o coração de tudo o que aquele povo considerava mais precioso.

1. Qual foi o verdadeiro motivo que despertou os efésios contra a verdade? Atos 19:24-28

O conflito entre Cristo e Diana é tão antigo quanto o conflito entre Cristo e Satanás. Nem sempre a guerra é sobre o que é certo e o que é errado, nem sobre quem oferece uma boa vida e quem não o faz. O conflito é um apelo pelo que é imediato em oposição ao que é eterno, o emocional em lugar do espiritual, os prazeres da vida em lugar da salvação do pecado.

Em Éfeso, os dois se puseram em confronto. Paulo estava de um lado, e Demétrio do outro, e os dois estavam apelando em nome da religião. Essa constatação ergue um ponto que não podemos esquecer: enfrentamos uma Éfeso em toda parte, mesmo no nosso coração.

Leia novamente o argumento contra Paulo e sua fé. Note como seus oponentes tentaram parecer que sua preocupação era por alguma coisa importante quando, de fato, estavam preocupados com o seu próprio sustento. Pode acontecer de fazermos o mesmo, isto é, dar a aparência de que nos preocupamos com algo importante quando, de fato, nossa grande preocupação trata dos nossos interesses?

III - Éfeso: Áquila e Priscila

A primeira visita de Paulo a Éfeso foi muito breve, no término da sua segunda jornada missionária, entre Corinto e Antioquia, a caminho de Jerusalém. Em Corinto, ele encontrou Áquila e Priscila. Os três tinham muito em comum: eram judeus que haviam recebido Jesus como o Messias. Eles haviam viajado bastante – Paulo em missão, o casal, a negócios. Eles eram refugiados – o casal havia sido expulso de Roma, e Paulo, de muitas cidades. E os três eram fabricantes de tendas.

Forjados pela necessidade, nascidos pelo amor a Jesus, e sentindo a obrigação de compartilhar o evangelho, o trio formava uma equipe ministerial eficaz. Depois de testemunhar em Corinto, os três foram a Éfeso (Atos 18:19). Lá, Paulo pregou seu primeiro sermão (como era seu costume) aos judeus na sinagoga local. Seu público ficou tão impressionado que todos solicitaram que eles ficassem mais tempo ali, mas ele recusou, prometendo: "Se Deus quiser, voltarei para vós outros" (v. 21). O apóstolo deve ter sentido o potencial de Éfeso se tornar um grande centro cristão, e então deixou para trás Áquila e Priscila. O dois fiéis voluntários foram instrumentos no estabelecimento dos primeiros crentes em Éfeso. Mais tarde, quando Paulo escreveu de Éfeso a Primeira Epístola aos Coríntios (c. 57 d.C.), ele enviou à igreja de Corinto as saudações de Priscila e Áquila e da igreja que reunia em sua casa (I Cor. 16:19). O casal leigo e a igreja de Éfeso nos deixaram um modelo significativo no ministério leigo, particularmente do ministério em equipe.

2. Que características essenciais para a vida e o ministério cristão se podem encontrar em Áquila e Priscila? Atos 18:2, 3, 18 e 19; Rom. 16:3 e 4; I Cor. 16:19

Áquila e Priscila foram uma bênção não só para a igreja de Éfeso mas também para o movimento missionário no sentido de levarem Apolo ao conhecimento pleno da verdade (Atos 18:26). Conseqüentemente, a primeira igreja ganhou um pregador culto, eloqüente, educado e destemido.

Releia Romanos 16:3 e 4. Por quantas pessoas você estaria disposto a arriscar a vida? Por que causas você arriscaria a vida? Reflita nas suas respostas. Que conclusões você pode tirar delas sobre você mesmo?

IV - Apolo em Éfeso (Atos 18:24-28)

3. Que mensagem sutil, mas importante para nós, existe no fato de um cristão ser chamado pelo nome de um deus grego? (Veja também Dan. 1:7)

Mesmo antes de Paulo começar seu ministério plenamente amadurecido em Éfeso, a igreja daquele lugar estava exposta a Apolo, brilhante orador de Alexandria, a segunda cidade mais importante do Império Romano. Sendo um judeu daquele grande centro do conhecimento grego, ele era altamente culto e conhecedor da filosofia e da retórica, e conhecia bem as Escrituras (Atos 18:24). Mas o que é cultura sem convicção? E o que é convicção sem a paixão de persuadir os outros para aquilo de que se está convencido?

4. Que características de Apolo o tornavam tão poderoso evangelista? Atos 18:24-28

Apesar de tudo o que ele tinha a seu favor, Áquila e Priscila notaram uma deficiência na mensagem de Apolo. Evidentemente, "ele conhecia apenas o batismo de João" (Atos 18:25), e não o batismo de Jesus. O próprio João Batista conhecia a diferença: um era com água, o outro era com "Espírito Santo e com fogo" (Mat. 3:11). Não é suficiente passar pela cerimônia do batismo. Uma cerimônia não tem poder de salvar. É apenas o símbolo de algo mais profundo e maior. João falava de arrependimento do pecado, e este era apenas o primeiro passo. Todo o evangelho nos chama para o arrependimento e para a fé em Jesus – Sua morte e ressurreição – e para sermos transformados pelo batismo do Espírito Santo. Isso Apolo não conhecia. E Áquila e Priscila "tomaram-no consigo e, com mais exatidão, lhe expuseram o caminho de Deus" (Atos 18:26).

Assim, a igreja de Éfeso, logo nos seus primórdios, não só teve o benefício de um grande estudioso que expunha as Escrituras, mas também foi o meio de transformar esse estudioso em verdadeiro discípulo de Cristo.

Apolo sabia receber instrução e correção. Por que a disposição de receber ensino e correção é tão importante para o cristão? Qual foi a última vez que alguém tentou corrigir você sobre alguma coisa? Como você reagiu? Como você pode aprender a aceitar melhor a correção necessária?

V - Paulo em Éfeso (Atos 19:1-20)

Durante a terceira jornada missionária de Paulo, ele cumpriu a promessa feita aos Efésios (Atos 18:21) e voltou para a grande cidade onde havia passado cerca de três anos pregando e fundando uma igreja forte. "Todos os habitantes da Ásia [ouviram] a palavra do Senhor, tanto judeus como gregos" (19:10). Note a expressão "tanto judeus como gregos". A igreja de Éfeso era uma congregação mista que oferecia o pano de fundo para a alegria e celebração da unidade e dos relacionamentos sobre os quais a Epístola aos Efésios tanto fala.

O ministério de Paulo na cidade começou com a nota correta: levando a plenitude da verdade para alguns dos crentes que já estavam lá. Como no caso de Apolo, esses crentes haviam recebido o batismo de João, mas não o de Jesus, e nem mesmo haviam ouvido "que existe o Espírito Santo" (vs. 1-3). Paulo, grande mestre que era, logo lhes deu mais luz, que eles prontamente receberam.

5. Identifique os passos que Paulo deu para enfrentar a oposição em Éfeso. Note que nem mesmo o maior evangelista consegue alcançar todos os corações. Atos 19:1-20

Apesar da obstinação de alguns (v. 9), tanto gregos como judeus, por toda a província da Ásia, ouviram a mensagem do Senhor. Paulo ensinou e pregou diariamente por dois anos, e Deus operou "milagres extraordinários" por meio dele (v. 11).

Os resultados da pregação e do ministério de cura de Paulo foram surpreendentes. Muitos creram, confessaram seus pecados e abandonaram seus caminhos passados de magia e feitiçaria. O mundo do ocultismo foi quebrado, e a cidade teve uma fogueira de livros de magia no valor de vários milhões de reais (vs. 18 e 19). Mais importante do que isso, a "palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente" (v. 20). Enquanto "o nome do Senhor Jesus era engrandecido" (v. 17), a cidade foi tomada pelo temor de que o templo de "Diana [pudesse] ser estimado em nada, e ser mesmo destruída a [sua] majestade" (v. 27).

Leia os versos 18 e 19. Considere no que custou a nova fé àquelas pessoas. O que a sua fé custou a você? Examine seu coração. O que você precisa colocar na fogueira?

VI - A profundidade do ministério de Paulo (Atos 20:17-38)

Depois de servir em Éfeso por três anos, o apóstolo partiu em missão para a Macedônia, Grécia e Trôade. Então, planejou a viagem de volta a Jerusalém. O itinerário do barco incluía uma parada em Mileto, a cerca de quarenta quilômetros de Éfeso. Paulo chamou os anciãos da igreja de Éfeso a Mileto para um encontro de despedida. Entre todas as igrejas que Paulo fundou e visitou, Éfeso era muito próxima e especial para ele. A profundidade do seu amor e compromisso para com aquela igreja é vista no discurso de despedida em Atos 20:18-35.

6. Note as seguintes características do ministério de Paulo e dê uma razão por que elas são importantes para o ministério:

a. Sua vida era tão transparente quanto seu ministério (v. 18).
b. Ministrava com sinceridade (v. 19).
c. Falava da verdade publicamente e em particular (v. 20).
d. A mensagem era a mesma tanto para os judeus como para os gregos: a fé em Jesus (v. 21).
e. Em sua vida, o serviço vinha antes do próprio eu (vs. 24-26).
f. Declarava todo o conselho de Deus (v. 27).
g. Delegava responsabilidades sobre o cuidado do rebanho e advertia sobre os perigos no ministério (vs. 28-31).
h. Cria que a igreja fora comprada pelo próprio sangue de Cristo (v. 28).
i. Cria no sustento próprio (vs. 33-35).

Paulo deixou a igreja de Éfeso sob o cuidado de anciãos competentes (v. 17). O apóstolo também nomeou Timóteo como pastor dessa igreja, com a missão especial de assegurar-se de que os efésios não ensinassem "outra doutrina, nem se ocupassem com fábulas e genealogias sem fim, que, antes, promovem discussões do que o serviço de Deus, na fé" (I Tim. 1:3 e 4).

A igreja de Éfeso também teve o privilégio do ministério e do conselho de João, o discípulo amado. A presença do idoso discípulo em si deve ter sido fonte de grande força e alegria para aquela igreja.

Leia com meditação o discurso de despedida de Paulo aos Efésios em Atos 20:18-35. Que pontos o impressionam mais? Escreva um parágrafo sobre esses pontos: quais são eles, como o impressionam, o que você aprendeu deles, e como, se forem aplicados, podem melhorar a sua vida e aprofundar a sua caminhada com Deus?

VII - Estudo adicional

Leia Apocalipse 2:1-7. Note os elogios e advertências à igreja de Éfeso. Esses conselhos são válidos para você e para a sua igreja local?

"Por seus [de Priscila e de Áquila] ensinos, ele [Apolo] obteve uma compreensão clara das Escrituras, e se tornou um dos defensores mais capazes da igreja cristã. Assim, um profundo estudioso e brilhante orador aprendeu o caminho do Senhor mais perfeitamente pelos ensinos de um homem e uma mulher cristãos cujo humilde trabalho era o de fazer tendas." – SDA Bible Commentary, vol. 8, pág. 1.063.

"Os mágicos dos tempos pagãos têm seu correspondente nos médiuns espíritas, nos videntes e nos cartomantes de hoje. As vozes misteriosas que falaram em En-Dor e em Éfeso ainda estão por suas palavras mentirosas desviando os filhos dos homens. Se fosse erguido o véu que está diante de nossos olhos, veríamos anjos maus empregando todas as suas artes para enganar e destruir." – Atos dos Apóstolos, pág. 290.