Deus, O Criador



Introdução:

A guerra entre os Criacionistas e os evolucionistas, está longe de seu fim. Porém, cada dia que se passa, mais argumentos científicos e não científicos se acumulam provando a existência de Deus.

A história dos deuses

1. Os Antigos Egípcios criam e adoravam diversos deuses, tais como: Osiris, o deus Sol; Apis, o deus representado pelo boi; adoravam a rã e outros mais.
2. Os Babilônicos adoravam Marduk.
3. Os povos da Mesopotâmia adoravam Baal, Tamuz, Istar, Moloque, etc.
4. No tempo do Novo Testamento, os Romanos além de adorar o imperador, adoravam Jupter e os gregos adoravam a grande deusa Diana, e assim por diante.

Geralmente estes deuses estavam relacionados com o amor, a guerra, a agricultura, e a vida do povos que os adoravam.
Diante deste desafio politeísta, o povo da Bíblia Tem apresentado diante do mundo em todas as gerações e em todos os tempos JEOVÁ, o Deus Criador e Mantenedor de todos.

Os desafios modernos

1. Os ATEUS E CÉTICOS declaram abertamente a não existência de Deus.
2. Os DEÍSTAS declaram que Deus existe, mas não está interessado na manutenção, nem no cuidado deste mundo.
3. Os PANTEÍSTAS declaram que Deus está permeando a própria natureza. Este argumento fortalece a tese de que você é deus, e que deus e a natureza são um e a mesma coisa.
Entretanto, como TEÍSTAS, temos o dever de proclamar a existência de um Deus Criador, Salvador e Mantenedor de todas as coisas. Um Deus pessoal interessado no bem estar de Suas criaturas.

As afirmações Bíblicas:

1. "No Princípio criou Deus os céus e a terra." (Gen. 1:1)
2. "...de eternidade em eternidade Tu és Deus." declara Davi. (Sal. 90:2)
3. Isaías proclama a superioridade de Deus como Criador sobre os deuses que nada criaram. (Isa. 45:14-25)

Pergunta:     De onde veio você, e o que isto implica em sua vida?

Resposta:

1. Os evolucionistas, dizem que são oriundos de germes, moluscos e macacos.
2. Nós, os criacionistas, aceitamos o relato da genealogia de Jesus que Diz: "...E Cainã de Enos, e Enos de Sete, e Sete de Adão e Adão de Deus." (Luc. 3:38)

Saber que somos descendentes de Adão, que foi criado por Deus, significa que somos filhos de um Pai celeste e maravilhoso que possui atributos de bondade e amor que nos inspiram a viver felizes e seguros neste mundo mal.

I Parte- DEUS É ÚNICO

Os pagãos têm seus deuses provenientes dos astros, o homem comum constrói deus de madeira, ferro, prata e ouro; o homem moderno põe sua confiança no deus mamon (dinheiro), e os ateus dizem sarcasticamente que Deus não existe.

Nós porém, acreditamos em um Deus único. Único por Sua natureza, Único por Seu relacionamento com o homem, Único por Seu amor.

O que a bíblia nos diz a respeito deste Deus Único.

1. A confissão de fé dos israelitas denominada SHEMÁ, era a proclamação e a aceitação de Deus como ÚNICO. "Ouve Ó Israel, o Senhor nosso Deus, é o ÚNICO Senhor." (Deut. 6:4)
2. A palavra hebraica ÚNICO, é derivada de duas palavras: A primeira é ECHAD, que significa ÚNICO COMPOSTO, ou uma unidade composta. A segunda palavra é YACHID, que significa também ÚNICO, só que UNIDADE ABSOLUTA. Moisés foi cuidadoso ao empregar ECHAD, para representar a UNIDADE COMPOSTA de Deus. Por isso Ele é ÚNICO.
3. Eu sou o primeiro e o último e além de Mim não há deus. (Isa. 44:6)
4. Como Deus, anuncio as coisas que estão para vir. (Isa. 44:7)
5. Eu Sou o Senhor, e além de Mim não há outro. (Isa. 45:5 e 6)
6. Antes de Mim nenhum deus se formou, e depois de Mim, nenhum haverá. (Isa. 43:10)
7. Há um só Deus para nós. (I Cor. 8:6)
8. Tu és grande e operas maravilhas, só Tu és Deus. (Sal. 86:10)

A singularidade deste Deus

1. Os deuses criados pelos homens, geralmente eram temíveis. Eram deuses maus, traiçoeiros, desleais, infelizes e exigentes. Na verdade esses deuses são o reflexo dos próprios homens que os criavam segundo seus próprios sentimentos e ações. Esses deuses queriam sempre ser servidos .

2. Nosso Deus, pelo contrário, sempre está pronto para servir o homem, ajudá-lo e fortalecê-lo. Em Isaías 44:8 a palavra Deus significa literalmente ROCHA, um termo bíblico usado normalmente para mostrar como Deus é forte e dura para sempre. Esta passagem mostra que Seus filhos podiam de fato confiar nEle.

3. Se chegasse um momento em que Deus deixasse de ser, toda forma de vida chegaria ao seu fim. A vida continua só porque Deus existe. Sem Deus, cessaria toda atividade no universo, uma vez que tudo depende dEle. As flores crescem pela Sua intervenção, as sementes germinam e reproduzem a vida graças a atividade divina, os seres humanos vivem porque Deus está cuidando de cada um. Este é o Deus vivo ao Qual servimos.

Um Deus singular em todos os aspectos.

1. Paulo diz que só há um Deus. Ele é ÚNICO. (I Cor. 8:4)
2. Paulo diz também que há um só Senhor. ÚNICO. (Efe. 4:5)
3. Paulo também diz que há um só Espírito. ÚNICO. (Efe. 4:4)
4. Paulo também diz que só há um mediador. ÚNICO. (I Tim. 2:5)

Esta singularidade da trindade é vista no conceito de ÚNICO, como uma unidade composta de Pai, Filho e Espírito Santo. Os três constituem a DIVINDADE.

II Parte – IGUAIS, MAS DIFERENTES

Quando dizemos que uma coisa é igual à outra, queremos dizer isto mesmo. Porém, quando dizemos que Pai, Filho e Espírito Santo são iguais, entramos num mistério, por isso embora iguais, são diferentes. Isto só pode ser dito e aplicado para a Divindade.

Em que são Iguais

1. Os três são "Criador". A palavra usada para Deus em Gênesis 1:1, é ELOHIM plural de ELOAH, que literalmente traduzida seria ‘Deuses’.
2. Os três são prescientes. (Isa. 46:10; Luc. 22:31 e Heb. 9:8)
3. Os três são Deus. ( Isa. 40:28; Rom. 9:5 e Atos 5:3)
4. Os três são Coeternos. (Sal. 90:2; Miq. 5:2 e Heb. 9:14)
5. Os três são Santos. (Isa. 6:3; Atos 3:14 e II Cor. 13:13)
6. Os três são Oniscientes. (Sal. 33:13; Mat. 9:4 e I Cor. 2: 10 e 11)
7. Os três são Onipotentes. (Gên. 28:3; Mat. 28:18 e Sal. 139)
8. Os três são Onipresentes. (Sal. 139:1 e 8; Mat. 18:20)
9. Os três são Jeová. (Isa. 40:28; I Cor. 2:16 e Atos 28:25)
10. Os três são Senhor. (Sal. 86:12; Mat. 14:32 e II Cor. 3:17 e 18)

Em que são diferentes

1. São diferentes, porque são três pessoas com distintas personalidades.
Alguns textos sagrados nos mostram estas pessoas distintas:

a) "Eleitos segundo a presciência de DEUS PAI, em santificação do ESPÍRITO, para a obediência e aspersão do sangue de JESUS CRISTO..." ( I Pedro 1:2 )
b) "Mas quando vier o CONSOLADOR, que EU, da parte do PAI, vos hei de enviar, aquele ESPÍRITO, de verdade, que procede do PAI, ELE, testificará de MIM" ( João 15:26 )

2. São diferentes porque têm atividades distintas no plano da salvação.
Alguns textos nos mostram estas Pessoas realizando tarefas distintas.

a) No concerto Eterno, entre os membros da Divindade, ficou acertado que Jesus viria morrer no lugar do homem pecador.
"...Entretanto o amor divino havia concebido um plano pelo qual o homem poderia ser remido...Cristo tomaria sobre Si a culpa e a ignomínia do pecado. ...Cristo atingiria as profundidades da miséria para libertar a raça que fora arruinada."- Patriarcas e Profetas pág. 57.

b) Assim, quem morreu na cruz foi Jesus.
"...Onde O crucificaram, e com Ele outros dois, um de cada lado, e JESUS no meio." (João 19:18)

c) Hoje, quem intercede pelos pecadores é o Espírito Santo.
"Quando Ele (O ESPÍRITO SANTO) vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo..." (João 16:8)

3. Mesmo na criação tiveram atividades diferentes.

a) O Pai – (Gen. 2:7) O Filho – (João 1:3) O Espírito Santo. (Gen. 1:2)

Conclusão:

Embora às vezes tenham tarefas específicas, os três estão envolvidos na obra de criação e restauração. Mesmo Seus nomes são muitas vezes intercambiáveis entre Eles.

III Parte – UNIDOS, MAS DISTINTOS

Na explicação anterior de iguais, mas diferentes, mostramos as diversas atividades que cada membro da Divindade realiza. No estudo de hoje, focalizaremos a unidade existente entre Eles, mas também focalizaremos a distinção que existe entre Eles.

Nomes distintos e nomes iguais

Alguns nomes ou títulos, são distintos e usados exclusivamente para tal pessoa da Divindade, enquanto outros nomes são aplicáveis a qualquer um dos três. Exemplos:

1. O nome Jesus por exemplo é aplicado exclusivamente para Jesus, Aquele que morreu na cruz.
2. O nome Messias também é usado somente para identificar Jesus.
3. O nome Pai, é geralmente usado para Deus o Pai.
4. O Consolador normalmente é usado para o Espírito Santo.
5. Deus é um termo intercambiável, usado em várias textos para qualquer um dos três.
6. Criador é outro termo usado para qualquer um dos três.
7. Senhor é outro título usado para qualquer um.
8. Mesmo o nome Jeová é aplicado para qualquer um dos três membros da Divindade.

Esta distinção não é fruto de separação existente entre os membros da Divindade. Porque, mesmo sendo distintos, Eles atuam tão unidos que é difícil às vezes dizer de Quem é a obra.

Exemplos:

1. "Embora o Pai não seja o Filho, ainda assim o Pai está no Filho e o Filho está no Pai." (Lição pág. 9). João acrescenta: "Não crês tu que Eu estou no Pai, e que o Pai está em Mim? As palavras que Eu vos digo, não as digo de Mim mesmo, mas o Pai que está em Mim, é quem faz as obras." (João 14:10)

2. Por causa desta unidade, Jesus diz: "Quem Me vê a Mim, vê o Pai." (João 14:6)

3. O Pai envia o Filho e envia o Espírito Santo, mas ao mesmo tempo, Jesus envia o Espírito Santo. (João 14:24 e 26)

4. Jesus foi dado pelo Pai e pelo Espírito Santo, mas ao mesmo tempo, deu-Se a Si mesmo. (João 6:51 e 3:16 e Mat. 1:18 e 20)

Você percebe claramente a distinção e a unidade nestes textos apresentados?

A unidade e distinção existentes entre os membros da Divindade são um modelo para nossa vida.

"Nossa unidade com Deus reflete a unidade exposta na Bíblia a respeito dEle, o Criador. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um Deus, uma unidade de três pessoas coeternas, coexistentes e distintas."

"Quando Adão saiu das mãos do Criador, trazia ele em sua natureza física, intelectual e espiritual, a semelhança de seu Criador." – Educação pág. 15.

Juntas e distintas

Há algumas passagens bíblicas onde os três membros da Divindade aparecem unidas, comprovando a existência de três pessoas distintas.
Exemplos:

1. "Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai do Filho e do Espírito Santo." (Mat. 28:19)
2. "A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo, seja com vós. Amém." (II Cor. 13:13)

IV Parte – O PRINCÍPIO, O MEIO E O FIM DA CRIAÇÃO

Se você perguntar a respeito dos acontecimentos da história a um biólogo que não pauta seus estudos pela Palavra de Deus, a um naturalista não cristão, ou mesmo a um estudante da Bíblia cujas lentes estejam maculadas pela teologia popular, por certo dirão o seguinte:

A) O biólogo e o naturalistas dirão que a natureza segue seu curso natural sem a intervenção direta de Deus. Ou seja, a natureza age independente de Deus. Ela segue seu curso natural.

CITAÇÃO:
"Por apegarem-se às leis da matéria e da natureza, muitos perdem de vista, se é que não negam, a intervenção contínua e direta de Deus. Propugnam eles a idéia de que a natureza atua independentemente de Deus, tendo inerentemente suas próprias restrições e capacidade de atuar. Têm eles em mente uma distinção definida entre o natural e o sobrenatural. O natural é atribuído à causas comuns, sem ligação com o poder de Deus..." – Testemunhos Seletos, vol.3, pág. 259.

B) O teólogo míope, talvez afirmará que nosso destino já está traçado. O que nos resta é apenas aguardar o desenrolar dos acontecimentos.

Pergunta: E qual é nosso conceito a respeito da atuação de Deus tanto na história como na natureza?

Respostas:

1. Cremos que a natureza age única e exclusivamente pelo poder de Deus. A natureza não tem poder em si mesmo não derivado do controle de Deus.

2. Em alguns casos, houve intervenção de Deus de modo sobrenatural na natureza. Exemplos: O dilúvio; quando a terra abriu a boca e tragou Coré, Datã e Abirão; as comoções da natureza quando Jesus morreu e outras.

3. Porém, tanto a intervenção sobrenatural, quanto o funcionamento natural da natureza constituem atos contínuos de Deus.

4. Não cremos que a história desenhe seu próprio destino baseada na força dos fortes ou na inteligência dos mais capacitados. Cremos que os atos da história também estão sob o controle de Deus.

5. Deus deseja que todos se salvem e venham ao conhecimento da verdade. Isto, entretanto, não está determinado por acaso, sorte ou destino. A salvação é um processo de escolha que os seres humanos dotados de inteligência fazem ao aceitar o oferecimento que Cristo nos dá gratuitamente. Note: Se é uma questão de escolha, alguém poderá livremente não escolher.

Os passos de Deus na história

1. Cristo sempre cuidou de Seus filhos através de toda história. (I Cor. 10:1-4)
2. Cristo nos incumbiu da partilhar com o mundo obra de reconciliação feita na cruz. (II Cor. 5:18-22)
3. Cristo virá outra vez para restaurar a vida daqueles que acreditaram nEle. (Atos 1:11)

Conclusão: DEUS NO PASSADO, NO PRESENTE E NO FUTURO

O Apóstolo Pedro nos diz: "Eles voluntariamente ignoram isto: que pela Palavra de Deus já desde a antigüidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste. Pelas quais coisas pereceu o mundo de então, coberto com as águas do dilúvio. Mas os céus e a terra que agora existem, pela mesma Palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios." (II Pedro 3:5-7)

Os atos de Deus na história.

1. A primeira grande intervenção de Deus em nossa história, foi a Criação. (Gên. Cap.1)

Segundo as pesquisas mais recentes, especialmente no campo da biologia molecular e da bioquímica, somos levados cada vez mais a crer na existência de um Deus Criador. Por que?

Porque as novas descobertas estão mostrando que uma célula por exemplo é tão complexa, que é impossível sua existência sem um Arquiteto Construtor que a tenha feito assim.

2. A segunda grande intervenção de Deus na história, foi o nascimento, a vida, a morte e a ressurreição de Cristo. (João 1:1 e 14)

Sem dúvida nenhuma, este ato de Deus no meio da história se constitui como a maior e mais extraordinária ação de Deus.

3. O terceiro grande ato de Deus na história será a Segunda Vinda de Cristo a esta terra para buscar Seus escolhidos. (João 14:1-3)

Escatologicamente, este será o último ato do drama que envolveu a redenção do homem. Com este ato, a Divindade inaugurará a nova Criação na história.

Observação:

É interessante notarmos que esses atos mencionados, são atos extraordinários de Deus. Entretanto, ao longo da história Deus tem Se revelado para construir a história com atos menos relevantes, mas necessários à proteção, cuidado e guia de Seu povo através dos tempos.

A presença de Cristo na história como fator de proteção e salvação

"Através de todas as páginas da história sagrada, nas quais o trato de Deus com Seu povo escolhido se acha registrado, ...a glória de Deus Se manifestava por meio de Cristo. Não somente por ocasião do advento do Salvador, mas através de todos os séculos após a queda e promessa de redenção. – Med. Matinal 1965, pág. 102.

Observação:

A história que Deus tinha em mente para o ser humano, era a comunhão perpétua entre Ele e Suas criaturas. Mas com a entrada do pecado, a história foi escrita de modo diferente. Como a conhecemos hoje, ela terminará quando Jesus inaugurar a Nova Terra. Então se cumprirá o que está escrito no último parágrafo do livro O Grande Conflito.

O grande conflito terminou, pecado e pecadores não mais existem, o universo inteiro está purificado. Uma única palpitação de júbilo e alegria vibra por toda vasta criação de Deus. Todas as coisas animadas e inanimadas desde o menor átomo até os grandes planetas, e todas as criaturas irão declarar em perfeito gozo que Deus é amor. Este será o começo de uma nova história.

Ivanaudo B. de Oliveira