O AMOR NUNCA DEIXA DE EXISTIR

I Coríntios 13:8


INTRODUÇÃO

Paulo enumerou e definiu o lugar dos dons do Espírito Santo na Igreja (I Coríntios 12). Mostra que a possessão de todos estes dons e de outros poderes adicionais não faz de ninguém um cristão, a menos que possua o Dom supremo do AMOR.

Este maravilhoso poema do capítulo 13, em prosa, tem sido chamado o maior, o mais intenso e o mais profundo que Paulo escreveu.

Nele se apresenta:

· A natureza do amor.
· O valor do amor.
· Duração eterna, em comparação com os dons transitórios.

O AMOR É UM DOM DO ESPÍRITO!

Este Dom é o de maior valor a qualquer virtude descrita.

I - AS MELHORES VIRTUDES E DONS NÃO SUBSTITUEM O AMOR

A - Línguas Humanas – É o poder de expressão que possuem os oradores, os excelentes e bem dotados.

B - Línguas Angélicas – A elevada linguagem dos anjos.

Sim amor – ÁGAPE, no sentido mais sublime, se descreve assim:
· O amor que reconhece o valor na pessoa amada.
· O amor que se baseia em um princípio e não na emoção.
· Amor que provém do respeito pelas admiráveis qualidades que o amado tem.
· Este é o amor que existe entre o Pai e Jesus.
· É o amor redentor da Divindade e em uma humanidade perdida. São João 15:1.
· O amor é a qualidade especial que se demonstra no trato com os demais, os cristãos. São João 13:34-35.
· É o amor que se pratica para demonstrar a relação do crente com Deus.
· O amor não é um sentimento enfermo e emocional que tem seu centro no eu e nos desejos egoístas.
· O amor enfoca o interesse e a preocupação em outros e produz uma conduta correta.

O amor que é humano é semelhante ao METAL.

METAL QUE RETINE – Faz muito ruído e dá a impressão de ser algo de muita importância. É o som monótono como o toque de um címbalo.

C - Dom de Profecia - Falar como um mensageiro inspirado por Deus.

D - Mistérios – É a capacidade de entender as maravilhas da vida, descobrindo os segredos da natureza.

E - Ciência – É o Dom do conhecimento, agudo e profundo.

F - Fé – Uma classe de fé que capacita o homem para fazer proezas excepcionais para Deus. Sem amor, não tem valor.

G - Reparte-se todos meus bens – Isto eqüivale a distribuição de todos meus bens dado aos pobres, mas feito sem amor, é igual a um ato de hipocrisia.

H - Para Ser Queimado – O martírio que tem o propósito da glorificação próprio não tem nenhum mérito. O sacrifício maior não vale nada sem amor, não tem esperança de vida eterna.

Todas estas virtudes são admiráveis e importantes, porém ineficazes sem o amor.

“A mente que não se entregou a Cristo, e não é movida pelo Seu Espírito, está sob o domínio de Satanás, que realiza nela como lhe apraz.”

Aquele que não tem um conhecimento pessoal do amor de Deus, estará perdido. Os esforços para realizar o bem a outros serão estéreis.

II - O QUE É E O QUE NÃO É O AMOR

AS EXCELENTES CARACTERÍSTICAS SUPERIORES DO AMOR – I Coríntios 13:4-7

Os que realmente se amam.

A - O QUE É O AMOR – I Coríntios 13:4

1. É sofrido:

a) A paciência e longaminidade em um mundo onde prevalecem a impaciência e a intolerância, é um precioso atributo.
b) O amor é magnânimo com as faltas, fracassos e debilidades de outros. Reconhece que todos os seres humanos são falíveis.
c) A paciência é o oposto à precipitação, às expressões e os pensamentos passionais e à irritabilidade.
d) Sofrido – É o estado mental que capacita o homem para ser paciente, tranqüilo, quando é provocado, oprimido, calmo e perseguido. Este é um dos frutos do Espírito. (Efésios 4:2).

2. É benigno , significa:

a) Ser gentil, manifestar bondade, ser considerado, suave.
b) Descreve a natureza bondosa dos que são movidos pelo Espírito de deus. Sempre procura, palavras, ações e uma simpatia compreensiva e sensibilidade ante as lutas e dificuldades de outros.
c) Em todas as circunstâncias da vida, boa ou má, triste ou alegre, o amor é suave e gentil.
d) O amor é o oposto do ódio, o qual manifesta com severidade, ira, aspereza, dureza e vingança.
e) O amor por outro lado é bondoso, faz o bem, é gentil e cortês, não fere seus sentimentos, o ajuda a ser feliz.

B - O QUÊ O AMOR NÃO É – I CORÍNTIOS 13:4-6.

1. Não tem inveja.
a) Isto é não manifesta sentimentos maus e desagradáveis para outros, porque tem alguma vantagem sobre alguns. Sentimentos que produzem lutas e divisões.
b) Inveja e os ciúmes, de todos os defeitos humanos, um dos mais cruéis e desprezíveis (Provérbios 27:4) – Lúcifer foi vencido pela inveja, Agora ele procura implantá-lo no lar, na igreja e no governo. Somente o amor pode expulsar os ciúmes.

2. Não é jactancioso – “Ser vanglorioso” – “Jactar-se”.
a) O amor não apregoa seus próprios louvores.
. é humilde
. não trata de ensoberbecer-se.
Aquele em cujo coração se encontra o verdadeiro amor, recorda a vida e a morte de Jesus, e instantaneamente rechaça cada pensamento que o leve a justificação própria.

b) O amor verdadeiro reconhece que tudo vem de Deus, e não encontra lugar para a vã jactância, porque a possessão de tudo vem de Deus.

3. Não se inflama – “inchar-se”, “orgulhar-se”.
a) O amor não inflama a pessoa de vaidade.
b) O amor não produz engrandecimento próprio. Aqueles que são muito capazes, que tem conhecimento superior, cria neles um estado subjetivo de orgulho.
c) O amor não se compraz na auto estima que promove a vanglória.
d) O verdadeiro amor não busca louvores de outros por qualquer coisa que se tenha alcançado.

4. Não faz nada indevido (Verso 5)
a) Algo indevido significa:
· atuar indecorosamente
· comportar-se de forma desonrosa, estar desnudo.
b) O amor nunca é descortês, rude, tosco, nunca se conduz de tal maneira que possa ferir a sensibilidade alheia. Cristo sempre procedia com cortesia e correção para com todos. Não responderá o amor aos impulsos do coração natural de devolver a rudeza e a aspereza com descortesia.
c) O amor procura promover a felicidade alheia. Isto induz a evitar tudo o que causaria uma ofensa ou impediria o verdadeiro gozo.
d) O amor impede todo fanatismo e posição extremista em sua conduta, que o leve a explosões emotivos e desenfreados que desonrem a Deus.
e) O amor está sob o domínio da razão, portanto não pode ser uma emoção ou sentimento.

5. Não busca o Eu
a) Buscar o Eu significa: “egoísmo puro”; “a busca egoísta de vantagem”, “a influência ou o louvor”, esta é a característica do amor humano. A não busca do Eu é difícil de entender para o coração não santificado.
b) A natureza egoísta do ser humano inverteu a ordem divina, induzindo a concentrar seus afetos e interesses em si mesmos (Jeremias 17:9). O ser humano se interessa em primeiro lugar em si mesmo e com freqüência esse interesse predomina sobre todos os demais.
c) O verdadeiro amor que nasce de Cristo, coloca o eu em último lugar e a outros primeiro (Mateus 5:43-46).Aquele que está dominado pelo amor desinteressado de Deus, esquece-se do eu e está completamente dominado pelo desejo de fazer a vontade de Deus. Por isso ele pode dar sua vida em favor de outros.
d) O amor cristão, não tem em conta as exigências do coração natural de dedicar-se a si mesmo. Está disposto a sacrificar sua comodidade, seu tempo, sua tranqüilidade, seus recursos, seus dons em favor de outros.

6. Não se irrita
a) Nada pode perturbar a mansidão do perfeito amor. Aquele que se entregou ao Senhor e está morto para o pecado, nada pode irritá-lo ou desgostá-lo. Simplesmente entrega tudo nas mãos de Deus. Um dos efeitos mais visíveis da conversão é a mudança de caráter que antes era irritável, cheia de ressentimentos e fácil de irar-se.

7. Não guarda rancor
a) Não toma em conta o mal “que lhe tenham feito”, não guarda, não rechaça, ou carrega o mal por conta de outro.
b) Este é outro belo atributo cristão do amor.
c) Aquele que está dominado por este amor, não é severo, não está disposto a encontrar faltas em outros ou atribuir-lhes motivos equivocados.

8. Não se alegra com a injustiça (Verso 6)
a) Não se compraz em nenhuma sorte de injustiça, mesmo ao se tratar de amigos ou inimigos. A injustiça que é pecado, é completamente estranha à natureza divina do amor.
b) O amor não se regozija com os defeitos de outros, nem se alegra porque tenha descoberto que são culpáveis de algum mal. Não se compraz na malignidade ao escutar a notícia de que alguém tenha equivocado. Este é capaz de ajudar ao que não o ama (Provérbio 10:12), quando está em dificuldades (Provérbios 11:13). Os que não estão santificados pela verdade são os que se comprazem no mal proceder de outros. (romanos 1:32).

9. Fica feliz com a verdade (Por contraste).
. significa: virtude, justiça, bondade.
. O amor não se compraz nas faltas, senão nas virtudes de outros.
. O amor se interessa no progresso da verdade, se compraz na liberação do homem dos grilhões do pecado, porque isto o coloca em contato com a verdade.

III - ATÉ QUE EXTREMOS PODE CHEGAR O AMOR CRISTÃO – I CORÍNTIOS 13:7, 8

A - O amor tudo sofre

1. Significa: “cobrir”, “proteger”, “resistir”, “suportar”, “tudo perdoa”.
2. O amor oculta e faz silêncio das coisas, como as faltas de outros, que o egoísmo ou o coração natural o poderão expor alegremente.
3. Este amor não sente desejos de examinar as debilidades alheias, ou de permitir que sejam inspecionados por alguma outra pessoa.

B - O amor tudo crê

1. Interpreta a conduta alheia da melhor maneira possível, dando bons motivos a outros. Isto não significa ser crédulo, crendo em coisas absurdas, sem discriminar entre o certo e o errado.
2. Não crê em qualquer coisa ou prejuízo deles a menos que haja mais evidências irrefutáveis.
3. O amor em relação com Deus, não tem dúvidas acerca da Palavra de Deus. Tudo aceita e obedece com gratidão.

C O amor tudo espera

1. Não importa quão obscuras sejam as aparências e quantos motivos haja para colocar em dúvida a sinceridade de outros, o amor continua esperando que tudo termine bem, e mantém esta posição até que desapareça toda possibilidade de que assim seja. Esta fé no próximo, inspirada pelo amor, motiva o indivíduo a ser um defensor da causa alheia, na oposição.
2. O amor se baseia na confiança. Está disposto a fazer frente ao ridículo, a luta e ao desprezo em defesa de outros.

D - O amor tudo suporta

1. Suporta serenamente as dificuldades, provas, injúrias, e todos os ataques que promove o adversário de Deus, através de outros.
2. Demonstra infinita paciência.
3. Está preparado para considerar a conduta desfavorável de outros com paciência compreensiva e com simpatia inspirada por Deus. (Mateus 22:37-40).

CONCLUSÃO

A O amor nunca deixa de existir

1. Não “Cair do seu lugar”, “minguar”, “perecer”; “não acaba nunca”.
2. O amor genuíno não cai como uma folha ou como uma flor.
3. O amor cristão permanece inalterável, imanando sua fragrância de fé, esperança e segurança ao seu redor, tanto nos momentos de alegria e tristeza.
4. Assim deve ser, pois o amor é o mesmo fundamento da lei de Deus, é eterno.
5. Cultivemos este fruto do Espírito.
6. Poderemos estar seguros de que este tipo de amor não fará nenhuma vicissitude na vida que ele não seja capaz de fazer frente.
7. Poder depender sempre do amor “ágape”, o que vem de Deus para resolver os problemas que atingem nossos lares. AMÉM.


(Arnaldo Enríquez)