O Bode para Azazel



"E lançará sortes quanto aos dois bodes: uma para o Senhor e a outra para Azazel." (Levítico 16:8 NVI).


O dia da Expiação

Em posse do sangue do bode para o Senhor (que representava o sangue de Cristo), o sumo-sacerdote aplicava-o no altar dos holocaustos e no altar do incenso, os quais haviam sido diariamente (durante um ano) aspergidos com o sangue das ofertas que simbolizava os pecados confessados (Levítico capítulo 4; Hebreus 9:1-10). E, no lugar santíssimo, ele aplicava esse sangue no propiciatório(a), na presença de Deus, a fim de satisfazer as exigências de Sua lei; pois, pecado é transgressão da lei e sem sangue não há perdão (I João 3:4; Hebreus 9:22). Esta ação simbolizava o imensurável preço que Cristo pagou pelos nossos pecados (Hebreus capítulo 9:23-28; Isaías capítulo 53). Dessa forma, o sumo-sacerdote efetuava expiação pelo povo e pelo santuário; ambos eram purificados.1

Na etapa seguinte, representando a Cristo como mediador, o sumo sacerdote assumia sobre si mesmo os pecados que haviam poluído o santuário e os transferia para o outro bode que se encontrava vivo, e tinha sido sorteado para Azazel. Após a transferência, ele era conduzido para fora do acampamento de Israel. Este ato removia os pecados do povo, os quais durante o ano, tinham sido simbolicamente transferidos para o santuário através do sangue dos sacrifícios de perdão que ocorriam diariamente. Deste modo o santuário estava habilitado para mais um ano de atividade ministerial (Levítico 16:29-34);2 e todas as coisas eram colocadas em ordem entre Deus e Seu povo.3

O dia da Expiação ilustra o processo de julgamento que lida com a erradicação do pecado. A expiação realizada nesse dia prefigurava a aplicação final dos méritos de Cristo a fim de banir a presença do pecado por toda a eternidade, e para tornar efetiva a reconciliação do universo, sob o governo de Deus.

O bode para Azazel

A análise cuidadosa de Levítico capítulo 16 revela que Azazel representa Satanás, e não Cristo, como alguns errônea e terrivelmente ensinam. Os fatos que apoiam esta afirmativa são:

- Azazel é tratado como um ser pessoal que é o oposto, e se opõe, a Deus. O verso de Levítico 16:8 diz, literalmente, dois bodes: "um para o Senhor e o outro para Azazel."

- O santuário era inteiramente purificado pelo sangue do bode destinado para o Senhor antes que o bode de Azazel fosse introduzido na cerimônia (Levítico 16:20).

- O bode para Azazel não era morto como sacrifício, e assim não poderia ser usado como um meio para trazer o perdão, uma vez que "sem derramamento de sangue, não há remissão" (Hebreus 9:22).


Portanto, na compreensão da parábola do santuário (Hebreus 9:9-12), o bode sorteado para o Senhor simbolizava a Cristo e o Seu sacrifício em favor do perdão e, o bode para Azazel simbolizava Satanás e a sua culpa pelos pecados cometidos (João 8:44 cf. Ezequiel 28:12-17, Isaías 12-14). No dia da Expiação, o sumo-sacerdote purificava o santuário mediante o sangue expiatório do bode destinado para o Senhor, somente depois que a expiação se achava completa é que o ritual envolvia o bode para Azazel (Levítico 16:20-22).

"Então colocará as duas mãos sobre a cabeça do bode vivo e confessará todas as iniquidades e rebeliões dos israelitas, todos os seus pecados, e os porá sobre a cabeça do bode. Em seguida enviará o bode para o deserto aos cuidados de um homem designado para isso." (Levítico 16:21 NVI).


A flexão verbal "confessará" é traduzida do hebraico "yadah", e significa: arremessar, jogar (em alguém, em algo, ou, para fora), atirar, lançar, entregar. O ato de "colocar as mãos" sobre o bode de Azazel não representava a confissão de arrependimento pelos erros cometidos mas, lançava sobre ele, a responsabilidade (a culpa) pela origem e consequências do pecado. Em seguida esse bode era banido do arraial israelense para sempre. Isso simboliza o que ocorrerá no futuro com Satanás. Assim como o bode de Azazel era exilado para o deserto, restando-lhe tão somente aguardar a morte, da mesma forma Satanás será solto neste mundo desolado e sem vida; e, aguardará o fim dos mil anos para receber sua devida punição (Apocalipse 20:4-10).

Cristo através de Seu sangue proporciona condição para que o pecador arrependido seja perdoado e alcance a salvação pela graça, que é obtida mediante a fé depositada nEle (Efésios 2:8; I Pedro 1:10 e11). Porém, o sacrifício de Jesus não elimina a punição final àquele que foi o originador do pecado. A sentença final será declarada e imposta a Satanás, e aos seguidores ao fim do julgamento (cf. Levítico 23:28-30, Êxodo 32:33). O ritual realizado com o bode para Azazel ilustra a eliminação da "raiz e galhos (ramos)" do pecado (Malaquias 4:1); serão como se nunca tivessem existidos (Ezequiel 28:18-19; Isaías 65:17).

A liturgia mosaica que era realizada pelo sumo sacerdote no santuário terrestre é similarmente, hoje, realizado por Cristo o sumo sacerdote do santuário celestial (Hebreus capítulo 8). Ele tem ministrado, mediante o Seu sangue derramado na cruz do Calvário (Colossenses 1:20), os benefícios de Sua completa expiação pelo Seu povo(b). Quando Ele houver completado a Sua obra de redenção e purificação do santuário celestial, lançará (transferirá) os pecados de Seu povo para Satanás, o originador e instigador do mal. De nenhuma forma se pode dizer que é Satanás quem efetua a expiação pelos pecados dos cristãos penitentes (Apocalipse 22:14). Cristo realizou esta obra por completo. Mas Satanás será responsabilizado por todos os pecados que ele sagazmente proporcionou e instigou que os salvos praticassem.

A visão que João teve do milênio, descreve em traços vívidos o banimento de Satanás. Ele viu que no começo dos mil anos, "o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás", foi posto em cadeias e confinado ao "abismo". Isso retrata a cessação temporária das atividades de perseguição e engano de Satanás. Ele estará impedido de iludir e seduzir as nações com seus ensinos e desejos "até se completarem os mil anos" (Apocalipse 20:2-3). O termo abismo utilizado por João vem do grego "abussos", e descreve apropriadamente as condições da Terra nessa ocasião(c).4 Assolada pelas sete últimas pragas que antecedem a volta de Cristo, e coberta com os cadáveres dos ímpios, a Terra estará em completa desolação.5 Confinado à Terra, Satanás estará "preso" por meio de uma cadeia de circunstâncias. Uma vez que nesse tempo não haverá sobre a Terra qualquer vida humana, Satanás não terá a quem tentar ou perseguir. Restando-lhe tão somente aguardar a sua devida punição (Apocalipse 20:10-15).

"Durante mil anos Satanás vagueará de um lugar para outro na Terra desolada, para contemplar os resultados de sua rebelião contra a lei de Deus. Durante este tempo os seus sofrimentos serão intensos. Desde a sua queda, a sua vida de incessante atividade baniu a reflexão; agora, porém, está ele despojado de seu poder e entregue a si mesmo para contemplar a parte que desempenhou desde que a princípio se rebelou contra o governo do Céu, e para aguardar, com temor e tremor, o futuro terrível em que deverá sofrer por todo o mal que praticou, e ser punido pelos pecados que fez com que fossem cometidos."6

O judeu Marcus Moritz Kalisch, hebraísta e comentarista bíblico formado pela universidade de Berlim e pela faculdade Rabínica de Berlim, sobre este tema declara:

"Após as refinadas concepções dos versos anteriores(d), não é uma pequena surpresa deparar-se com uma noção condizente, não a definitiva, porém a mais rudimentar cena de educação religiosa - a noção do infeliz demônio ou diabo Azazel, o originador e promotor do pecado, habitando os desertos, recebendo de volta, por meio de um bode, as transgressões na qual a sua malignidade incitou os hebreus."7

"(...) Portanto, eles(e) não representavam realmente um dualismo peculiar; ainda que implícito o reconhecimento de dois antagonistas e forças opostas no mundo moral, uma vez que Azazel, embora passivo no cerimonial do dia da Expiação, foi considerado como tendo sido o mais ativo ao longo do ano como um tentador e instigador do pecado."8

"Assim como Deus e Azazel são contrastados, igualmente são o santuário e o deserto, em um reside a vida, tranquilidade, bênção e santidade, no outro situa-se o isolamento sombrio e a irreversível escassez, portanto, o covil apropriado de gnomos e espíritos malignos, que a partir de suas tenebrosas solidões iludem e corrompem a mente dos homens. Movendo-se no mesmo círculo de idéias, o Talmude declara, que no tempo do Messias 'o sedutor será levado para uma região deserta e desolada, onde ele não encontrará ninguém para hostilizar com sua sagacidade e traiçoeiras habilidades'."9


A "Enciclopédia Judaica", referência internacional quanto a história dos israelitas e do judaísmo, comenta:

"Longe de envolver o reconhecimento de Azazel como uma divindade, o envio do bode foi, como afirmado por Nahmanides(f), uma manifestação simbólica da idéia de que os pecados do povo e seus resultados malignos foram conduzidos de volta para o espírito da desolação e ruína, a origem de toda a impureza. O próprio fato de que os dois bodes foram apresentados diante de YHWH [Deus] antes que um fosse sacrificado e o outro encaminhado para o deserto, foi a prova de que Azazel não estava relacionado com YHWH [Deus], mas considerado simplesmente como a personificação da maldade, em contraste com o governo justo de YHWH [Deus]."10


O ministro presbiteriano James Hastings, graduado pela universidade de Aberdeen, foi enciclopedista e editor; e uma de suas literaturas afirma:

"(...) O exemplo mais marcante dessa transmissibilidade, todavia, é visto na principal cerimônia pela qual os pecados da nação são transferidos para a cabeça do 'bode para Azazel', 'o espírito demoníaco no deserto."11 "Azazel. O nome em hebraico do espírito no deserto a quem um dos dois bodes foi enviado, carregado com os pecados do povo, no ritual do dia da Expiação. (...) Azazel é um nome próprio no original, em particular o nome de um espírito poderoso ou demônio que supostamente habita o deserto ou 'região solitária'. (...) No livro de Enoque(g), Azazel aparece como o príncipe dos anjos caídos (...)"12


A "Chambers's Encyclopaedia", fundamentada na enciclopédia alemã "Konversations-Lexikon" (Brockhaus Enzyklopädie), traz o seguinte esclarecimento:

"Azazel, um nome que ocorre em Levítico 16 no relato das cerimônias do dia da Expiação, interpretado por alguns como o 'bode expiatório', que foi levado para o deserto carregado com os pecados do povo; por outros, com muito maior probabilidade, como uma designação de um ser a quem o bode foi enviado - Satanás, de acordo com Hengstenberg, ou um demônio da religião pré-mosaica de acordo com Ewald(h)."13


Ernst Wilhelm Hengstenberg, teólogo luterano, foi acadêmico e professor nas universidades de Bonn e Berlim, seus trabalhos tiveram reconhecimento na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Quanto ao assunto em pauta, ele declara:

"A maneira na qual a frase, 'para Azazel', é contrastada com, 'para Jeová', necessariamente requer que Azazel deveria designar uma existência pessoal e se assim for, apenas Satanás pode ser cogitado. Se por Azazel, Satanás não é apresentado, não há razão para que as sortes fossem lançadas. Não veremos nenhuma razão para que a decisão fosse atribuída a Deus; pois o sumo sacerdote não atribuiu meramente um bode para oferta pelo pecado, e o outro para enviar ao deserto."14


A "International Standard Bible Encyclopedia", considerada uma clássica referência bíblica, foi elaborada por historiadores, arqueólogos, linguistas, lexicólogos, geógrafos, teólogos(i), entre outros profissionais. Ela traz a seguinte informação no verbete "Azazel":

"(...) Em tempos posteriores a palavra Azazel foi por muitos judeus e também pelos teólogos cristãos, como Orígenes, considerada como o próprio Satanás que havia se afastado de Deus. (...) Qualquer que seja o significado da imposição de mãos em outras condições, se a ênfase situa-se mais sobre a alienação ou na apropriação de propriedade, nesta circunstância ela é certamente apenas um símbolo da transferência de culpa, que era confessada sobre o bode e então levada para o interior do deserto através do bode sobre o qual fora colocada."15


Outra referência literária escriturística, e que teve a participação de vários teólogos e historiadores, é a "New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge". Em seu verbete, "Azazel", ela comenta:

"O significado da palavra tem ocasionado muita discussão. Partindo do fato de que 'para o Senhor' e 'para Azazel' estão em oposição (verso 8), muitos acreditam que ele seja o nome de um ser contrário ao Senhor: um monstro no deserto, um demônio, ou precisamente Satanás. (...) O contraste entre 'para Senhor' e 'para Azazel', no verso 8 porém, favorece a interpretação de Azazel como um nome próprio, e por si mesmo sugere uma referência a Satanás."16


O "Novo Dicionário da Bíblia" (New Dictionary of Bible), considerado o maior produto da Tyndale Fellowship for Biblical Research, esclarece:

"O termo 'azazel’ (em nossa versão, 'bode emissário') ocorre somente na descrição sobre o dia da Expiação (Lv 16.8, 10, 26). Há quatro interpretações possíveis: 1. A palavra denota o 'bode emissário' (...). 2. É usada como infinitivo, "a fim de remover" (...). 3. Significa uma região(j) desolada (cf. Lv 26.22). 4. É o nome de um demônio que vagueava naquela região (...). A maioria dos eruditos prefere esta última possibilidade, já que no verso 8 o nome aparece em paralelismo ao nome do Senhor. Como anjo caído, Azazel é frequentemente mencionado em Enoque (6.6 em diante), mas provavelmente o autor do livro adquiriu essa ideia de Lv 16. O significado do ritual deve ser que o pecado, de maneira simbólica, foi removido da sociedade humana e levado para a região da morte (cf. Mq 7.19). Não é subentendido que um sacrifício fosse apresentado ao demônio (cf. Lv 17.7)."17


Thomas Kelly Cheyne(l) (clérigo anglicano) e John Sutherland Black(m) (escritor escocês), publicaram a "Encyclopaedia Biblica", e desta extrai-se a seguinte declaração:

"O significado de Azazel é muito discutido; é, claro, um assunto fortemente relacionado com a investigação sobre a origem de seu uso. Pelo menos é certo que, enquanto Azazel recebe um bode, Jeová recebe outro; ambos devem ser seres individuais. (...) Em todo o caso, devemos admitir que os antigos tradutores que identificaram Azazel com Satanás tem alguma plausibilidade do lado deles. Podemos, ao menos, ousar a dizer com Reuss(n) que: 'a concepção de Azazel situa-se no caminho que posteriormente conduzirá ao diabo'. Pois Azazel é certamente descrito em algum sentido como um ser hostil a Deus."18


O Alcorão, livro sagrado islâmico, também refere-se a Azazel como sendo Satanás:

"O diabo (Sheitan ou Iblis) tem como nome próprio Azazel. Ele foi expulso do Éden por rejeitar a se prostrar diante de Adão, quando Deus ordenou-lhe (Surah 7:10-17). Sua hoste demoníaca é numerosa e terrível."19


Considerações Finais

Quão apropriado é o último ato de Deus no trato com o pecado, fazer retornar sobre a cabeça de Satanás todos os pecados e culpas que, partindo originalmente dele, causaram uma vez tal tragédia na vida daqueles que agora foram libertados pelo sangue expiatório de Cristo. Completa-se desta forma o ciclo, encerra-se o drama. Somente quando Satanás, o instigador do pecado, for finalmente exterminado, poder-se-á afirmar apropriadamente que o pecado foi erradicado do universo de Deus. Neste sentido harmonizado podemos entender de que modo o bode emissário [bode de Azazel] tomava parte no dia da Expiação' (Levítico 16:10). Com os justos estando salvos, os pecadores 'desarraigados' e Satanás não mais existindo, então - e somente então - estará o universo no mesmo estado de harmonia em que se encontrava antes do surgimento do pecado.20


Texto baseado em: Nisto Cremos, 7.ª ed., 2003, São Paulo: CPB, cap. 23, p. 414-415; ibidem, cap. 26, p. 473-474.

a. Tampa (cobertura) da arca da aliança; local da arca onde Deus Se manifestava (Êxodo 25:17-22).
b. Acesse: O Tribunal Celestial; Jesus, o Advogado
c. Isso indica que a situação da Terra durante o milênio reflete pelo menos, em parte, as condições da Terra no princípio, quando ela era "sem forma e vazia e as trevas cobriam a face do abismo." (Gênesis 1:2). Fonte: SDA Bible Commentary, edição revista, vol. 7, p. 879.
d. Levítico 16:1-5.
e. O bode para o Senhor e o bode para Azazel.
f. Moses Ben Nahman (Nahmanides), atuou como rabino em Gerona e, rabino-chefe em Catalunha. Entre os principais estudiosos rabínicos da Espanha, Nahmanides foi pressionado a participar de um debate público com os cristãos diante do rei James I de Aragão, e de seus súditos mais notáveis. Após sua vitória nesse debate foi forçado a fugir da Espanha. Fonte: "Nahmanides". (2010). Encyclopædia Britannica. Chicago: Encyclopædia Britannica.
g. Obra literária apócrifa que centraliza seus temas no patriarca Enoque registrado no livro de Gênesis.
h. Georg Heinrich von Ewald foi professor de Antigo Testamento e de idiomas orientais na universidade of Göttingen e, de teologia na universidade de Tübingen.
i. Anglicanos, batistas, congregacionalistas, luteranos, metodistas, presbiterianos, e etc.
j. Alguns atribuem que Azazel seja alguma localidade geográfica, porém, não existe nenhum lugar registrado com esse nome. Moisés frequentemente mencionava o nome das regiões e localidades citadas nos seus escritos, por exemplo: montes de Seir, monte Horebe, monte Sinai, deserto de Berseba, deserto de Sur, deserto de Sin, e etc. Outro fator que inviabiliza esta interpretação eram as constantes mudanças do acampamento de Israel que impossibilitaria a ida nesse suposto local. Fonte: JENNINGS, D. (1837). Jewish Antiquities, 9.ª ed., London: Thomas Tegg and Son, book III, chap. VIII, p. 450; "Azazel". (1915). International Standard Bible Encyclopedia, vol. I, Chicago: Howard-Severance Company, p. 343a.
l. Foi professor de Antigo Testamento na Balliol College, e de interpretação da Sagrada Escritura na Oxford University.
m. Foi autor e editor do "Dictionary of National Biography" e colaborador da "Encyclopædia Britannica" (1911).
n. Édouard Guillaume Eugène Reuss foi teólogo luterano e filósofo, estudou teologia na universidade de Göttingen e línguas orientais na universidade de Halle. Entre suas obras literárias, destaca-se a "Die Geschichte der Heiligen Schriften des Alten Testaments", que é uma enciclopédia da história de Israel, abrangendo deste o seu início até a invasão de Jerusalém pelo general Tito.
1. Levítico 16:16 cf. Hebreus 9:13-14; Daniel 8:14 cf. Hebreus 8:1-3, Hebreus 9:23-25.
2. Hasel, "Studies in Biblical Atonement II: The Day of Atonement". In: Sanctuary and Atonement, p. 115 e 125.
3. Hasel, "The 'Little Horn', the Saints, and the Sanctuary in Daniel 8". In: Sanctuary and Atonement, p. 206-207; TREIYER, Day of Atonement, p. 252-253.
4. WHITE, E. G. Grande Conflito, O; São Paulo: CPB, sec. IV, cap. 41, p. 658-659.
5. II Tessalonicenses 2:7-8 cf. Apocalipse 16:18-21, Jeremias 25:31-33, Malaquias 4:1-3.
6. WHITE, E. G. ob. cit., p. 660.
7. KALISCH, M. M. (1872). A Historical and Critical Commentary on the Old Testament, vol. III, part. II, London: Longmans and CO., chap. XVI, p. 207b-208.
8. Ibidem, p. 209b.
9. Ibidem, p. 210a.
10. "Azazel". (1902). The Jewish Encyclopedia, vol. II, New York: KTAV Publishing House, Inc., p. 366 (Azazel Personification of Imputiry).
11. HASTINGS, J.; et. al. (1909). Dictionary of the Bible, New York: Charles Scribner's Sons, p. 75b (Atonement, Day of).
12. Ibidem, p. 77 (Azazel).
13. 'Azazel". (1901). Chambers's Encyclopaedia: A Dictionary of Universal Knowledge, vol. I, London: William & Robert Chambers, p. 621.
14. HENGSTENBERG, E. W. (1850). Egypt and the Books of Moses, N.Y.: Robert Carter & Brothers, chap. VI, p. 170-171.
15. "Azazel". (1915). International Standard Bible Encyclopedia, vol. I, Chicago: Howard-Severance Company, p. 343-344. Too in: BEECHER, C. (1864). Redeemer and Redeemed: An Investigation of the Atonement and of Eternal Judgment, Boston: Lee and Shepard, p. 68.
16. "Azazel". (1951). The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge, vol. I, Grand Rapids, MI: Baker Book House, p. 824.
17. DOUGLAS, J. D.; et. al. (2006). O Novo Dicionário da Bíblia, 3.ª ed., São Paulo: Vida Nova, p. 135.
18. "Azazel". (1899). Encyclopaedia Biblica: A Critical Dictionary of the Literary Political and Religious History the Archaeology, Geography and Natural History of the Bible, vol. I, Toronto: George Morang & Company, colunn 395.
19. ZWEMER, S. M. (1907). Islan: A Challenge to Faith, New York: Student Volunteer Movement, chap. IV, p. 89.
20. SDA Bible Commentary, edição revista, vol. I, p. 778.