O Milênio A mudança será maior do que imaginamos


“Olhei para a Terra, e ei-la sem forma e vazia. [...] Olhei, e eis que não havia homem nenhum, e todas as aves dos céus haviam fugido. Olhei ainda, e eis que a terra fértil era um deserto” (Jeremias 4:23-26).

Diante de tantas notícias sobre as mudanças climáticas, tem-se a impressão de que as palavras do antigo profeta se cumprirão mais cedo do que pensávamos. Os cientistas estão dizendo que a Terra caminha para a condição descrita por Jeremias.

O profeta faz deliberadamente uma ligação com Gênesis 1:2, na tentativa de impactar Israel para que se prepare para a invasão iminente de Nabucodonosor. Ele usa uma hipérbole para descrever a terrível destruição que o invasor traria. Ele diz que a Terra retornaria ao seu estado anterior à criação, “sem forma e vazia”. Quando João escreveu o livro do Apocalipse, também fez uma ligação com Gênesis 1:2, usando a palavra grega abussos (Ap 20:1), que é semelhante à palavra hebraica tehom, traduzida pela maioria das versões em português como “abismo” (Gênesis 1:2 e Apocalipse 20:1).

Hoje, vemos o texto de Jeremias não apenas como uma referência ao passado, porém, mais importante, como uma profecia do futuro milênio.

Esse ponto, entretanto, parece estar perdido nas traduções. Você consegue enxergar o plano de Deus? Antes que o primeiro Céu e a primeira Terra fossem criados, a Terra era sem forma e vazia, num estado de tehom. No fim dos tempos, a Terra voltará ao seu estado original – tehom. Deus já está preparando um novo Céu e uma nova Terra. O pecado manchou nossa história. Deus está apagando a lousa para iniciar um novo trabalho. Ele recomeçará tudo. Seus planos para o planeta Terra irão se cumprir. O Paraíso não está perdido. Ele não está frustrado pelo pecado ou por Satanás. “Eis a Rocha! Suas obras são perfeitas” (Deuteronômio 32:4).

Sim, a mudança climática está chegando. Mas será muito mais radical do que estão prevendo.

A Terra ficará sem forma e vazia, no estado de tehom, durante mil anos, por causa do que aconteceu no início daquele período. Pedro relata que “os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a Terra e as obras que nela existem serão atingidas” (2Pedro 3:10).

Ganhando o Direito

É vital que compreendamos a verdade sobre a condição da Terra durante o milênio. Os adventistas crêem que todos os salvos estarão no Céu, com Jesus, nesse período. Jesus disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14:2). Ele prometeu: “vou preparar-vos lugar” (v. 2).

Jesus está preparando um lugar no Céu para nós. Somente o diabo e seus demônios irão habitar esse lugar desolado, que conhecemos como planeta Terra, durante o milênio. E apenas no fim dos mil anos, descerá “A cidade santa, a nova Jerusalém que descia do Céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo” (Apocalipse 21:2).

Outro fator – provavelmente, o mais importante – que conduz a modelos equivocados a respeito do milênio, é a idéia de um reino político e do Estado dos judeus ou da igreja sobre as nações. Um estudioso identifica esse como o erro mais comum entre todos os outros. Isso é grave, já que, na realidade, faz da segunda vinda de Jesus uma decepção. Seria muito triste se, após a segunda vinda de Cristo, a vida continuasse como antes, apesar de os justos reinarem sob a direção de Jesus? Se 1844 foi um desapontamento, esse seria a mãe do todos os desapontamentos!

Precisamos abandonar a idéia de um reino político para o Messias. Esse foi um erro cometido pelos discípulos. Judas traiu Jesus e Pedro O negou – na verdade, todos os discípulos estavam despreparados para o evento da cruz – por causa da sua visão equivocada a respeito de um Messias “político”.

Essa idéia também é perigosa, pois pode levar “as multidões, desde o menor até o maior”[1], a serem enganadas por Satanás em suas personificações do segundo advento de Jesus – que Ellen White chama de “o poderoso engano, quase invencível”.[2] Jesus disse: “O Meu reino não é deste mundo. Se o Meu reino fosse deste mundo, os Meus ministros se empenhariam por Mim, para que não fosse Eu entregue aos judeus; mas agora o Meu reino não é daqui” (João 18:36). Quando entenderemos o verdadeiro significado de Suas palavras?

Terceiro ponto: O milênio é o capítulo final da história da aliança de Deus, o compromisso que Ele assumiu de salvar “todo aquele” que aceitar. O que Deus prometeu a Adão e Eva fora dos portões do paraíso e a todas as gerações que se sucederam, está se cumprindo agora. A “grande voz” vinda do trono pronuncia a linguagem típica do pacto: “Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles” (Apocalipse 21:3).

Deus está finalizando a história da salvação. Aqui vemos a tendência final de todas as coisas; o destino final de todos os que aceitaram a salvação de Deus; o destino dos que a rejeitaram; o processo de julgamento determina o destino deles e defende o nome de Deus; o destino final de Satanás e dos agentes que usou para realizar sua obra na Terra e, especificamente, a morte é destruída. Finalmente, o novo Céu e a nova Terra são introduzidos com sua impressionante glória. Sim, é Jesus quem torna real essas promessas. “Pois quantas forem às promessas feitas por Deus, tantas têm em Cristo o ‘sim’” (2 Coríntios 1:20 NVI)

Essa é a Maior

Sim, a mudança climática está chegando. Mas será muito mais radical do que estão prevendo. A segunda vinda de Jesus não irá apenas mudar o mecanismo do planeta Terra. A Terra, como conhecemos, terá um fim. “O tempo vai parar”. Se a cruz divide a História, a segunda vinda é seu epílogo. Se a cruz é o centro da história da salvação, a segunda vinda é o seu capítulo final. Ninguém deveria convencer-nos a pensar de outro modo.

Os mil anos formam uma ligação entre muitas idéias, aparentemente sem conexão, mas o divisor de águas para toda a escatologia é a segunda vinda de Jesus. Uma linda harmonia se apossa da mente quando vemos a maneira com que como Deus concluirá a história da salvação.

Milênio e o Fim do Pecado

O milênio é um período de mil anos, quando Cristo reinará com Seus santos no Céu entre a primeira e a segunda ressurreição. Durante esses anos, os ímpios mortos serão julgados. A Terra estará totalmente desolada, sem nenhum habitante humano vivo, e ocupada por Satanás e seus anjos. No fim dos mil anos, Cristo e os salvos descerão, com a Santa Cidade, do Céu para a Terra. Os ímpios mortos, então, serão ressuscitados e, juntamente com Satanás e seus anjos, cercarão a cidade. Deus, porém, enviará fogo para consumi-los e purificar a Terra. Assim, o universo será libertado do pecado e dos pecadores para sempre (Apocalipse 20; 1 Coríntios 6:2, 3; Jeremias 4:23-26; Apocalipse 21:1-5; Malaquias 4:1; Ezequiel 28:18, 19).


David Macdonald (Pastor em Bundaberg, Queensland, Austrália).


1 O Grande Conflito, p. 625.
2 Ibid., p. 624.