Apocalipse 21 - Explicação Verso por Verso

O último conflito finalmente termina e este planeta manchado de sangue e transformado em um lugar de paz e felicidade. As esperadas promessas são cumpridas. Este é o clímax em direção ao qual todo o livro se movimenta.

1 Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe.


Pois eis que eu crio novos céus e nova Terra; e não haverá lembranças das coisas passadas, jamais haverá memórias delas (Isaías 65: 17).

Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos novos céus e nova Terra, nos quais habita justiça (II Pedro 3:13).


O mar já não existe: Para João, ali na ilha penal de Patmos, o mar representava uma cruel separação e solidão. Ele ouvira as ondas batendo furiosas e agitadas na costa rochosa. Vira bestas ferozes se levantando como símbolos de grandes nações dominadoras. Mas agora era como se toda a água do mar houvesse evaporado com o fogo que destruiu os ímpios.

2 Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.


A cidade desce: João olha para o céu e vê algo simplesmente incrível. Uma enorme cidade flutua majestosamente no ar, e desce até tocar o solo da Terra.

3 Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles.

4 E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.


Toda lágrima: Assim como nossa mãe costumava fazer, nosso meigo e amável Pai celestial enxuga as lágrimas dos nossos olhos. Junto com essas lágrimas, a morte, a tristeza, o choro e a dor são erradicados para sempre.

Toda dor: Não haverá mais dor de cabeça, nem dor de dente, nem dor no coração. Deus promete um tempo em que não haverá mais nem ossos quebrados, nem lares quebrantados. Não haverá mais crueldade física ou mental, nem dor. Não haverá mais dolorosos mal entendidos.

5 E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras.


Tudo novo: Ele não fará coisas novas, mas novas todas as coisas. A Terra não será destruída, mas renovada. O Éden será restaurado, e a Nova Jerusalém será a capital do reino restaurado. Jesus promete que haverá uma restituição de todas as coisas (Isaías 35:1 e 2). Este velho mundo, onde o Criador sofreu vergonha, humilhação e morte a fim de redimi-lo, será refeito para ser a habitação dos salvos.

6 Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida.

7 O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho.


O começo e o fim: Jesus é o começo. Ele criou a Terra, e ela era muito boa (Genesis 1:31). Seis mil anos de pecado quase obliteraram a perfeição com a qual ela foi criada. Mas Jesus também é o fim. E, quando Ele recriar a Terra, ela será muito boa outra vez. Os seres humanos começam projetos e os deixam inacabados. Deus nunca abandona uma tarefa ou a deixa incompleta. Sua promessa é:

Estou plenamente certo de que Aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao dia de Cristo Jesus (Filipenses 1:6).

Vencedores: A herança é prometida aos que vencerem. Cada cidadão do reino será testado e provado. Pecadores nunca seriam felizes no reino de Deus. Precisamos vencer o pecado através do sangue de Jesus.

8 Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.


Os covardes: A primeira categoria que fica sem a herança é a dos "covardes". Eles poderiam estar por toda a eternidade com o seu Salvador, mas têm medo de ficar ao lado do seu Senhor. Temem ser ridicularizados pelos amigos, temem a perda do prestígio social ou a possibilidade de perder o emprego. Eles não são criminosos, assassinos, adúlteros ou bêbados. Pessoas boas e honestas se perderão e serão classificadas junto aos abomináveis, porque temem fazer o que é certo. É preciso coragem para tomar uma posição pela verdade.

Os incrédulos: Há os que pensam que é um sinal de erudição duvidar da Palavra de Deus. A descrença deixará muita gente fora do reino de Deus.

Todos os mentirosos: Os desonestos estão classificados entre os assassinos e idólatras. Às vezes, classificamos a mentira como "mentira branca", "mentira preta", "mentira de negócios", "mentira diplomática" e "mentira social". Tudo isso é mentira, todavia, e os que contam mentiras ou agem enganosamente não estarão entre os vencedores. O verso 27 fala acerca de pessoas que mentem. Há pessoas que não falam mentiras, mas não hesitam em agir enganosamente. Isso pode ser feito com um olhar ou um menear da cabeça.

Um advogado conta que, dos três mil casos com que lidou até hoje, nenhum dos seus clientes jamais contou-lhe toda a verdade. A verdade é algo muito tênue. Um erro pode estar muito perto da verdade, mas continua sendo um erro. Uma pequena palavra ou até mesmo uma vírgula mal colocada pode transformar uma Frase verdadeira numa mentira.

9 Então, veio um dos sete anjos que têm as sete taças cheias dos últimos sete flagelos e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro;


A esposa do Cordeiro: Em Apocalipse 17, um dos anjos das pragas, possivelmente o mesmo anjo, mostrou uma mulher diferente a João. Era Babilônia, a grande cidade que praticou imoralidade com reis. Esta mulher (de Apoc. 21:9) também é uma cidade, mas ela é gloriosa, radiante, prospera, limpa e segura. Pura e formosa, é merecedora do próprio Cordeiro.

10 e me transportou, em espírito, até a uma grande e elevada montanha e me mostrou a santa cidade, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus,

11 a qual tem a glória de Deus. O seu fulgor era semelhante a uma pedra preciosíssima, como pedra de jaspe cristalina.


Pedra de jaspe cristalina: É difícil imaginar um jaspe transparente. O verso 18 fala de ouro puro, semelhante a vidro límpido.

12 Tinha grande e alta muralha, doze portas, e, junto às portas, doze anjos, e, sobre elas, nomes inscritos, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.

13 Três portas se achavam a leste, três, ao norte, três, ao sul, e três, a oeste.


Muralhas: Em muitos países as muralhas são necessárias para garantir a segurança militar. Eu já morei em lugares onde até mesmo as casas precisam de cercas ou de muros altos ao redor do terreno para garantir a proteção. Os muros transparentes da Nova Jerusalém não são para proteção. Eles são muros amigáveis, com portas abertas. E nessas portas estão inscritos os nomes das doze tribos de Israel.

14 A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e estavam sobre estes os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.


Doze fundamentos e doze portas: Nos doze fundamentos da cidade estarão inscritos os nomes dos doze apóstolos. Não é uma cidade judaica. Muitos judeus, entretanto, estarão lá através da salvação em Jesus Cristo. Os nomes das doze tribos de Israel estarão inscritos nas portas. Antigo e Novo Testamento estão juntos. Os vencedores de todas as épocas entram na cidade.

15 Aquele que falava comigo tinha por medida uma vara de ouro para medir a cidade, as suas portas e a sua muralha.

16 A cidade é quadrangular, de comprimento e largura iguais. E mediu a cidade com a vara até doze mil estádios. O seu comprimento, largura e altura são iguais.

17 Mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, medida de homem, isto é, de anjo.


As medidas: As medidas em volta da cidade, como as palavras comprimento e largura dão a entender, e como era costume dos antigos ao medir as cidades, totalizam 12 mil estádios, ou seja, cerca de 2.400 quilômetros [algumas versões modernas trazem 2.200 km]. Isso quer dizer que a cidade é um quadrado perfeito, com 600 quilômetros de cada lado. A área da cidade, portanto, seria de 360 mil quilômetros. Alguém calculou que caberiam 39 bilhões de pessoas na cidade. Seja como for, o espaço é suficiente para todos os salvos de todas as eras.

18 A estrutura da muralha é de jaspe; também a cidade é de ouro puro, semelhante a vidro límpido.


Ouro puro: As pessoas dão tudo pelo ouro. Para muitos, o ouro é mais importante do que a família, a saúde e até mesmo a vida eterna. Os remidos, os quais deram muito maior importância às questões espirituais do que aos bens do mundo, terão ouro aos seus pés ao caminhar pelas ruas da gloriosa cidade.

19 Os fundamentos da muralha da cidade estão adornados de toda espécie de pedras preciosas. O primeiro fundamento é de jaspe; o segundo, de safira; o terceiro, de calcedônia; o quarto, de esmeralda;


Jaspe: Existem muitas espécies de jaspe, com variadas cores. Algumas são de puro verde; outras são matizadas com outras cores. Na maioria das vezes, o jaspe é de um verde transparente com veios avermelhados.

Safira: Esta é uma das gemas mais preciosas. Ela é azul como o céu e quase tão transparente e brilhante como o diamante.

Calcedônia: Uma pedra preciosa semitransparente, as vezes de um vermelho esbranquiçado, outras vezes meio leitosa. É uma espécie de ágata ou ônix. O ônix, em tempos mais remotos, era provavelmente de uma cor azul esbranquiçada e semitranslúcida.

Esmeralda: O quarto fundamento é uma pedra preciosa de uma cor verde-aveludada. Em termos de dureza, vem logo depois do rubi.

20 o quinto, de sardônio; o sexto, de sárdio; o sétimo, de crisólito; o oitavo, de berilo; o nono, de topázio; o décimo, de crisópraso; o undécimo, de jacinto; e o duodécimo, de ametista.


Sardônio: Mistura de calcedônia e cornalina. É uma gema que mescla o vermelho com o amarelo.

Sárdio: Também é chamada de cornalina e tem uma cor encarnada. O vermelho, às vezes, é bastante vivo.

Crisólito: Esta pedra é de um amarelo-dourado e é translúcida. A palavra significa "pedra dourada".

Berilo: Uma gema de cor azul ou verde-amarelada, às vezes descrita como verde-mar.

Topázio: O topázio dos dias de hoje parece ser considerado amarelo; mas parece que o topázio da antiguidade era de um verde-pálido. Tem vários matizes.

Crisópraso: Esta pedra era de um amarelo pálido e de cor esverdeada, às vezes descrita como "verde-maçã".

Jacinto: Esta pedra tem a cor vermelho-sangue, ou ainda violeta ou canela.

Ametista: Uma gema de estrema dureza e brilho, de cor violeta, normalmente encontrada na Índia.

Um arco-íris: É significativo notar que o arranjo de cores é semelhante ao arranjo encontrado no arco-íris, ainda que mais complexo. Que contraste esta cena deve ter proporcionado a João, cercado de poeira e terra na inóspita ilha de Patmos.

21 As doze portas são doze pérolas, e cada uma dessas portas, de uma só pérola. A praça da cidade é de ouro puro, como vidro transparente.


As pérolas são produzidas como resultado de sofrimento. Quando um grão de areia penetra no interior da concha da ostra, parece haver apenas uma coisa que a ostra pode fazer. É inútil negar a existência da areia, pois ela esta lá. Também não adianta rebelar-se. Assim, vagarosa e pacientemente, a ostra começa produzir uma camada após outra de uma substância plástica e leitosa, que finalmente cobre as arestas cortantes do grão de areia, deixando-o envolvido com uma linda cobertura, que endurece até tornar-se uma linda pérola. Assim, a provação é superada, e a adversidade torna-se em bênção.

Todos os que entrarem na Nova Jerusalém passarão por uma porta de pérola, um símbolo do sofrimento. Por meio da abundante graça de Deus, eles transformaram suas provações em triunfo; cada pecado vergonhoso é coberto com a justiça de Cristo.

Ruas de ouro: É difícil imaginar ruas de ouro transparente como o vidro. Os formosos palácios de cada lado das ruas têm sua imagem refletida abaixo, como se fosse a expansão infinita do céu. Quem caminha sobre essas ruas de ouro tem a impressão de estar suspenso entre as alturas infinitas acima e as inimagináveis profundezas abaixo. O reflexo das mansões, em ambos os lados, compõe uma linda e agradável cena, muito alem de tudo o que jamais se pôde imaginar.

22 Nela, não vi santuário, porque o seu santuário é o Senhor, o Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro.


O templo: O santuário celestial tem destaque no livro do Apocalipse. No sistema sacrifical, o templo foi o símbolo que apontava para o sacrifício de Cristo. Mas agora o templo cumpriu o seu papel e "Miguel, o Grande Príncipe", levantou-se. No novo céu e na nova Terra não haverá nem pecado nem sacrifício. A única coisa que nos fará lembrar o preço da nossa redenção serão as cicatrizes nas mãos, nos pés e no lado do nosso Salvador.

23 A cidade não precisa nem do sol, nem da lua, para lhe darem claridade, pois a glória de Deus a iluminou, e o Cordeiro é a sua lâmpada.

24 As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória.


A iluminação da cidade: Não haverá lanternas, nem lamparinas de querosene, nem lâmpadas elétricas. Não haverá geradores para produzir energia elétrica. Nem mesmo a luz do Sol será mais necessária, pois ela pareceria fraca em comparação com a fulgurante glória do nosso Deus.

25 As suas portas nunca jamais se fecharão de dia, porque, nela, não haverá noite.


Portas abertas: Nos tempos bíblicos, as portas da cidade eram fechadas à noite. Na Nova Jerusalém, não haverá noite. As portas levam os nomes das tribos judaicas, mas todas as nações podem entrar livremente. Ninguém fica de fora por motivos raciais.

26 E lhe trarão a glória e a honra das nações.

27 Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro.


Que felicidade será viver na nova Terra! Assim como Adão alegrava-se no jardim do Éden, também os remidos se deliciarão com os frutos do paraíso. Quando o Senhor restaurar o paraíso na Terra, nenhum de seus habitantes dirá "estou doente", pois os que ali habitarem serão perdoados de sua iniqüidade (Isaías 33:24). O deserto se tornará em pomar, e os filhos de Deus habitarão em moradas de paz e em moradas bem seguras (Isaías 32: 15-18). Então, quando a maldição for removida, as árvores do campo darão o seu fruto, a terra produzirá suas colheitas, e o Senhor lhes dará uma planta memorável (a árvore da vida) através da qual eles serão preservados para sempre (Ezequiel 34:27-31).

Quão brilhante e gloriosa a Terra será! Deus fará coisas maravilhosas para nós. Não admira que Paulo tenha dito:

Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou em coração humano o que Deus tem preparado para aqueles que O amam. Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito (I Coríntios 2:9 e 10).