Apocalipse 20 - Explicação Verso por Verso

Haverá um milênio dourado e de glória para o Planeta Terra, como querem alguns? Muitos cristãos esperam ansiosamente por isso. Com Satanás preso, eles anseiam por um suposto tempo glorioso de paz, quando milhões serão convertidos para a mensagem do evangelho. Embora a palavra milênio não esteja na Bíblia, o período de mil anos é descrito em detalhes no capítulo 20 de Apocalipse. Um estudo desse capitulo esclarece se tal período será mesmo uma era dourada ou uma noite milenar.

1 Então, vi descer do céu um anjo; tinha na mão a chave do abismo e uma grande corrente.

2 Ele segurou o dragão, a antiga serpente, que é o diabo, Satanás, e o prendeu por mil anos;

3 lançou-o no abismo, fechou-o e pôs selo sobre ele, para que não mais enganasse as nações até se completarem os mil anos. Depois disto, é necessário que ele seja solto pouco tempo.


A seqüência: Esta cena ocorre depois da morte dos ímpios e da ceia das aves de rapina dos versos anteriores.

Uma corrente: Esta corrente não é de ferro ou aço, de tungstênio ou bronze. Não pode ser uma corrente literal porque um ser espiritual não pode ser preso por uma corrente material. É uma corrente (ou cadeia) de circunstâncias, com cada um dos elos forjados por um evento sobre o qual o diabo e seus anjos não têm qualquer poder. De acordo com o dito popular, suas mãos estão atadas. Ele não pode tentar os justos, pois estes já foram levados para o Céu. Não pode enganar os ímpios, pois eles estão todos mortos.

Preso por mil anos: Dois eventos marcam o começo do fim dos mil anos. No começo dos mil anos, Satanás é preso; no fim dos mil anos, ele é solto.

O abismo: O termo vem de abussos ou abyss, no grego. O mesmo termo aparece em Apocalipse 9:1 e 2, referindo-se ao vasto e arenoso deserto árabe. Em Romanos 10:7, o termo quer dizer sepultura. Em Genesis 1:2, ele é traduzido como profundo e descreve a superfície da Terra antes da criação, quando era "sem forma e vazia". Uma linguagem quase idêntica é usada por Jeremias, que viu a Terra "sem forma e vazia" (Jeremias 4:23). Ele vê "todas as cidades... derribadas diante do Senhor" (Jeremias 4:26). Ainda não é o final definitivo, pois a descrição de Jeremias continua com estas palavras:

Pois assim diz o Senhor: Toda a Terra será assolada; porém não a consumirei de todo Jeremias 4:27).

Isaías fornece um retrato paralelo:
Eis que o Senhor vai devastar e desolar a Terra, vai transtornar a sua superfície e lhe dispersar os moradores... A Terra será de todo devastada e totalmente saqueada, porque o Senhor é quem proferiu esta palavra (Isaías 24:1 e 3).


Que Isaías está falando sobre o mesmo período (o seguinte a Apocalipse 19) é evidente pelas palavras "por isso, serão queimados os moradores da Terra, e poucos homens restarão" (Isaías 24:6, última parte).

A superfície da Terra será fendida por um terremoto e queimada pelo fogo. Vigas retorcidas e concreto esmigalhado é tudo o que restará de grandes e populosas cidades. O único som que se ouvirá será o suspiro do vento, o gemido dos espíritos maus, e o bater de asas das aves de rapina, que se fartam com carne humana, naquela grande ceia.

O destino dos ímpios: Será uma cena impressionante quando Jesus aparecer em glória (Apocalipse 19:11-16).

E a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder, em chama de fogo, tomando vingança contra os que não conhecem a Deus e contra os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus (II Tessalonicenses 1:7 e 8).

Então, será, de fato, revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o sopro de Sua boca e o destruirá pela manifestação de Sua vinda (II Tessalonicenses 2:8).


Será como se mil volts de eletricidade fossem ligados, e os ímpios fossem destruídos pela glória da Sua transcendente santidade e majestade.

O pecado não pode existir na presença de Deus. Antes que o pecado viesse ao mundo, Adão e Eva tinham comunhão diária com Deus. Depois que pecaram, eles fugiram de Sua presença (Genesis 3:10). Moisés requereu o privilégio de ver Deus face a face, mas o Senhor lhe disse: "Não Me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a Minha face e vivera" (Êxodo 33:20). Os justos poderão vê-Lo porque serão transformados (Filipenses 3:20 e 21; I Coríntios 15:22).

Um anjo fez com que os corajosos soldados romanos que guardaram a tumba de Cristo caíssem como mortos. Quando Jesus voltar, Ele vem com a glória de Seu Pai, Sua própria gloria e a gloria de milhares de anjos (Lucas 9:26).

É na vinda de Cristo que ocorrera o "culto de oração"mencionado em Apocalipse 6:15-17, e os ímpios pedirão que as rochas e montanhas caiam sobre eles, escondendo-os da face do Rei que está chegando.

4 Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos.


O julgamento durante o milênio: Os justos estarão no Céu, reinando com Cristo. A eles "foi dada autoridade de julgar". Por que isso é necessário, se o seu destino já está decidido? Paulo diz:

Ou não sabeis que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deverá ser julgado por vós, sois, acaso, indignos de julgar as coisas mínimas? (I Coríntios 6:2).

Esse julgamento não é para dar informações a Deus. Ele já sabe mais a nosso respeito do que nós mesmos. Uma pessoa infeliz no Céu estragaria o paraíso, deixando todos infelizes. Todo o conflito começaria de novo. Deus vai certificar-Se de que todos têm confiança em Sua liderança. É por isso que Ele já gastou milhares de anos lidando pacientemente com Suas criaturas aqui na Terra.

Os livros serão abertos e os justos terão mil anos para examinar esses livros. Quando terminar o julgamento, todo o Universo saberá que nenhum pecador se perdeu sem que lhe fosse dada uma oportunidade. Nenhuma pessoa será condenada por algo que não conhecia, mas cada alma perdida estará perdida porque não andou pela fé, dentro da luz que possuía.

Três surpresas: Alguém disse que, ao chegarmos ao Céu, teremos três grandes surpresas:

1. Vamos encontrar pessoas que achávamos que não estariam lá. De acordo com a nossa opinião, não eram boas pessoas. Se dependesse de nós, estariam perdidas. Mas Deus sabia de algo acerca dessas pessoas que não sabíamos.

2. Pessoas que tínhamos certeza de que estariam lá, mas na verdade não estarão. É o tipo de gente a respeito de quem poderia ser dito: "Se alguém for para o Céu, é esta pessoa." Mas Deus conhece algo acerca dessas pessoas que nós não sabemos. Nós julgamos pela aparência exterior e Deus julga pelo coração. Freqüentemente nos esquecemos de que: "Há muito de bom no que há de pior em nós / E existe muito de mal no que há de melhor em nós, / e por isso nem mesmo convém para nenhum de nós / ficar falando sobre o resto de nós."

3. A terceira surpresa é ver que nós mesmos estamos lá e que o conflito finalmente terminou, e que estamos salvos no lar.

5 Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição.

6 Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele os mil anos.


Duas ressurreições: O milênio começa com a ressurreição dos justos e termina com a ressurreição dos ímpios. Os que ressuscitam no começo desse período são levados para a vida eterna. Os que ressuscitam no fim vivem por pouco tempo, antes de morrerem para sempre.

A primeira ressurreição: O fato de que os que participarem da primeira ressurreição reinarão com Cristo por mil anos indica que esta ressurreição ocorre no começo do milênio.

Quando ocorrerá essa ressurreição?

Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor (I Tessalonicenses 4: 16 e 17).

O milênio começará com a volta pública de Cristo. A Bíblia diz que Ele virá nas nuvens, e "todo olho O verá" (Apocalipse 1:7).

Quatro categorias: Quando Cristo voltar, haverá duas categorias de pessoas, cada uma subdividida em duas outras:

Os justos:

Vivos
Mortos

Os ímpios:

Vivos
Mortos

Os justos mortos serão ressuscitados e os justos vivos serão transladados. Juntas, essas duas categorias serão levadas para o Céu para viver e reinar com Cristo por mil anos. Os ímpios mortos serão deixados em suas sepulturas e os ímpios vivos serão mortos. Juntas, essas duas categorias permanecerão aprisionadas pela morte ate que termine o milênio.

7 Quando, porém, se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão

8 e sairá a seduzir as nações que há nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a peleja. O número dessas é como a areia do mar.

9 Marcharam, então, pela superfície da terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu e os consumiu.


Gogue e Magogue: Estes termos simbólicos são adaptados dos nomes dos inimigos de Israel vindos do norte (Ezequiel 38:2). Aqui, eles representam todos os inimigos de Deus - os que vêm do Norte, do Sul, do Leste e do Oeste, ou seja, todas as nações perdidas de todas as gerações que já passaram pelo mundo.

A cidade amada: O Apocalipse focaliza duas cidades: Babilônia e a Nova Jerusalém. A cidade amada e a esposa do Cordeiro, um símbolo da Igreja cristã. João vê esta poderosa cidade descendo em toda a sua radiante glória. Ela desce no local da antiga Jerusalém (Apocalipse 21:2, Zacarias 14:4 à 6 e 10).

“Naquele dia, estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras, que está defronte de Jerusalém para o oriente; o monte das Oliveiras será fendido pelo meio, para o oriente e para o ocidente, e haverá um vale muito grande; metade do monte se apartará para o norte, e a outra metade, para o sul. ... porque o vale dos montes chegará até Azal” (Zacarias 14:4 e 5).

A segunda ressurreição: Os mortos perdidos são ressuscitados com a voz de Jesus. Os dois grupos ouvem a Sua voz, com mil anos de diferença. Jesus disse:

Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a Sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo (João 5:28 e 29).

Ataque à cidade: Sob o comando do seu grande marechal, as nações perdidas surgem de todos os quadrantes para atacar a cidade amada. Todos parecem dispostos a ser enganados uma segunda vez. O pecado lhes deixou acostumados a pensar de maneira irracional.

Satanás tem um exercito formidável. Os gigantes que viveram antes do dilúvio e alguns que vieram depois, como Golias e seus contemporâneos, Alexandre o Grande, Napoleão, Hitler e outros grandes talentos militares de todas as épocas farão parte daquele exercito. Bilhões de homens e mulheres os seguem, uma fileira após a outra.

10 O diabo, o sedutor deles, foi lançado para dentro do lago de fogo e enxofre, onde já se encontram não só a besta como também o falso profeta; e serão atormentados de dia e de noite, pelos séculos dos séculos.


Eles estabelecem um "Dia D" e começam a contagem regressiva para o ataque final à Santa Cidade. Mas, no último minuto, Deus intervém. Desce fogo do céu e os destrói a todos.

Este é o fim do grande conflito. Pecado e pecadores são, finalmente, destruídos para sempre.

O lago de fogo: O lago de fogo ardeu por um curto período no começo dos mil anos, queimando a besta e o falso profeta. Agora, ao fim dos mil anos, ele é “aceso outra vez” para receber Satanás e todos os pecadores da Terra que voltaram a viver por ocasião da segunda ressurreição.

"Porque o salário do pecado é a morte" (Romanos 6:23). "E o pecado, uma vez consumado, gera a morte" (Tiago 1:15). "Os ímpios, no entanto, perecerão... serão aniquilados e se desfarão em fumaça" (Salmo 37:20).

Quando as cidades de Sodoma e Gomorra foram destruídas, elas foram punidas com o "fogo eterno" (Judas 7). Em Lamentações 4:6 lemos que Sodoma "foi subvertida como num momento". Trata-se de uma punição com efeitos eternos. Não é um processo, mas um efeito (Malaquias 4:1, Salmo 37:10).

11 Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.

12 Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros.

13 Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras.

14 Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo.

15 E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo.


O texto de Apocalipse 20:11-13 é uma figura simbólica do julgamento da humanidade, que mostra que todas as pessoas serão julgadas, todas as pessoas que nasceram neste mundo desde a criação de Adão no Édem até a Volta de Cristo.

A salvação é uma dádiva de Deus, nós a aceitamos (obtemos) mediante a fé, e essa fé, essa aceitação da graça de Deus, tem que mudar a nossa vida para melhor, para nos tornarmos mais parecidos com Cristo. E as nossas novas “obras de amor” tem que ser melhores que as anteriores.

“Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. (Marcos 12:30 e 31)

O verso 12 diz que seremos julgados segundo as nossas obras, isto é, segundo o que fizemos de bom ou mau, de certo ou errado.

Boas obras não salvam, se você não aceitar a cristo como seu salvador, mas obras ruins mostram que você não O aceitou.

O julgamento (a análise da vida de cada pessoa e dos seus atos) acontece nos céus e termina antes da volta de Cristo, nós não estaremos fisicamente lá (Hebreus 9:24-27), nossos nomes irão passar no tribunal no Céu, um a um, e seremos julgados pelos nossos atos relatados nos livros (Daniel 78:9 e 10 e Eclesiastes 12:13 e 14). E quando Ele voltar, virá dar a sentença:

"Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória; e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas; e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda; então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.
Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos." (Mateus 25:30-34 e 41)


Aí só existirão 2 grupos: Os salvos e os perdidos. Em qual dos dois você vai estar? Só depende de você, das suas escolhas, de onde você colocou o seu coração; se você resolveu amar a Deus de todo o seu coração se tornando cada dia mais parecido com Ele e por conseguinte amando o seu próximo ou se preferiu amar mais a Você mesmo e as coisas deste mundo.

Desejamos que você escolha a Deus, mas essa decisão é somente sua.

O grande trono branco: De forma simbólica, todos os seres humanos que já passaram pela Terra se reúnem em volta do grande trono branco de Deus. Todos os reis e todos os seus súditos. Todos os conquistadores e os povos que por eles foram subjugados. Todos os tiranos e as pessoas que eles perseguiram. Todos os papas, os sacerdotes, pregadores e suas congregações. O rico e o pobre, o cruel e o bondoso, os povos de todas as nações, línguas e cores.

Eventos que marcam o começo dos mil anos:

1. A segunda vinda de Cristo.
2. A ressurreição dos justos mortos.
3. A transladação de todos os justos para o céu.
4. A destruição dos ímpios.
5. A prisão de Satanás.

Eventos que ocorrem durante os mil anos:

1. A Terra fica deserta.
2. No céu, os santos procedem o julgamento.

Eventos que marcam o fim do milênio:

1. A ressurreição dos ímpios mortos.
2. A libertação de Satanás.
3. A descida da Cidade Santa sobre o Monte das Oliveiras.
4. Satanás lidera os ímpios num ataque a cidade.
5. Desce fogo do céu e os ímpios são destruídos.
6. A Terra purificada torna-se a habitação dos santos.