Apocalipse 19 - Explicação Verso por Verso

"Sua presença é solicitada..." Você acaba de receber dois convites formais para dois banquetes, mas não pode aceitar os dois. Se você perder a primeira ceia, certamente participará da segunda. Todos irão participar de uma delas, e cabe a você decidir qual.

1 Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus,

2 porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos.

3 Segunda vez disseram: Aleluia! E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos.


O grande coro de aleluia:

1. Para Quem: O triunfo é atribuído ao Senhor nosso Deus.

2. Por Quem: Muitas pessoas no Céu - os representantes de toda a Igreja de Deus.

3. Como: As palavras usadas para expressar sua gratidão são importantes:

Aleluia: Esta palavra é usada freqüentemente nos Salmos. Quinze deles começam ou terminam com "aleluia". Ela não é usada em nenhum outro lugar do Novo Testamento. É repetida quatro vezes nesta passagem.

Salvação: Esta é uma atribuição do Senhor. A salvação é do Senhor e pode ser obtida através dEle.

Glória: Houve um tempo em que a causa de Deus parecia estar sofrendo derrota em todas as frentes. O mundo parecia estar vencendo, e o nome de Deus sendo menosprezado. A glória não parecia pertencer a Deus. Agora, não há mais duvida, e a glória pertence a Deus. Seus inimigos fizeram guerra contra Ele, mas foram completamente derrotados.

Poder: Por algum tempo, parecia que o poder e a malignidade do inimigo eram fortes demais para serem vencidos. Mas agora temos certeza. Salvação, glória e poder pertencem ao Senhor.

4 Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus, que se acha sentado no trono, dizendo: Amém! Aleluia!

5 Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes.

6 Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso.

7 Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou,

8 pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos.

9 Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus.


São chegadas as bodas do Cordeiro: Esta exclamação de júbilo é uma das passagens mais sublimes das Escrituras.

Costumes dos casamentos orientais:

1. O noivado (contrato de casamento): Era um compromisso muito mais sério do que os noivados do nosso mundo ocidental. Quando Deus chamou a nação de Israel, Ele falou em termos de um contrato de casamento. "Desposar-te-ei comigo em justiça" (Oséias 2:19). Deus sempre teve uma igreja composta de todas as nações e de cada geração. Quando o Filho Deus assumiu nossa carne, ocorreu o noivado.

2. O pagamento do dote: Este era um detalhe importante do contrato de casamento. Para a noiva, a igreja, o Noivo celestial pagou um dote de valor infinitamente superior ao dinheiro. Ele pagou com o Seu próprio sangue, por Ele dado gratuitamente.

3. Preparação da noiva: Enquanto a noiva está se aprontando, o Noivo esta preparando um lugar para ela (João 14:1-3). Durante o intervalo em que estão separados, a noiva deve ficar pronta. Ela esta vestida "de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos" (Apocalipse 19:8).

4. O casamento: O casamento não era oficiado em uma igreja. Era uma cerimônia simples, quando o noivo dava conhecimento público de seu direito à noiva. Isso era feito ao Ele colocar o seu manto sobre os ombros dela, enquanto a procissão se movia pela estrada, até o lugar onde ocorreria a Festa.

Quando terminou o Seu ministério intercessório, Jesus foi até o Ancião de Dias para receber o reino e o domínio pelos quais Ele morreu (Daniel 7:13 e 14). Este é o casamento do Noivo, o qual ocorre antes da Sua volta à Terra, para os Seus santos. Os santos que estão aguardando, aqueles que serão arrebatados para encontrar-se com Ele, são levados para a "ceia das bodas do Cordeiro", na casa do Pai.

Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias. Sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das festas de casamento; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram (Lucas 12:35 e 36).

5. A Festa de casamento: Era um evento espetacular que durava vários dias ou mesmo semanas. O pai da noiva dava a festa, a qual normalmente acontecia na casa do pai. Esta era a ocasião de honrar o filho e, no caso de um casamento real, o rei doava uma cidade ou província inteira para o jovem casal como sinal de afeição e honra. Este presente era oferecido pouco antes do casamento.

A noiva: Em Apocalipse 21:9, a noiva é definida como a Cidade Santa, a Nova Jerusalém. Em outras passagens, a igreja é chamada de noiva. Será uma contradição? A cidade é a noiva, mas uma cidade sem habitantes é apenas um amontoado de prédios e ruas. São as pessoas que ocupam esses prédios que fazem da cidade o que ela é. A cidade santa não é mencionada no Apocalipse como a noiva, até que os santos já a estejam ocupando.

Os convidados: A igreja, coletivamente, é a noiva do Cordeiro, mas os crentes, como indivíduos, são os convidados para a festa de casamento.

Júbilo: Na conversão de qualquer pessoa, há jubilo por parte das hostes angelicais (Lucas 15:10). Cada vez que alguém se une à igreja, há uma expressão de Júbilo da parte de todos os membros. O próprio Redentor aceita a recompensa por tudo o que fez e sofreu por nos. Ele vê a obra da sua própria alma e fica satisfeito.

O Noivo: "O teu Criador é o teu marido" (Isaías 54:5). Cristo é o Marido da igreja. Nas Escrituras, a relação entre Deus e o Seu povo é muitas vezes ilustrada pelo noivo e a noiva (Isaías 54:5; Jeremias 2:32; 6:2; Oséias 2:19 e 20; Mateus 9:15; João 3:29; II Coríntios 11:2; Efésios 5:32).

10 Prostrei-me ante os seus pés para adorá-lo. Ele, porém, me disse: Vê, não faças isso; sou conservo teu e dos teus irmãos que mantêm o testemunho de Jesus; adora a Deus. Pois o testemunho de Jesus é o espírito da profecia.


É proibido adorar os anjos: João, transbordando de inexprimível alegria e gratidão, cai aos pés de Gabriel para adorá-lo; mas aquele que permanece na presença do Senhor, um canal de comunicação entre Deus e o homem, ergueu o profeta e, apontando para o trono, disse: ''Adora a Deus.” Adorar mesmo a mais elevada das criaturas de Deus é idolatria. Tantos os anjos como os santos adoram a Deus e a Cristo. Em uma segunda ocasião (Apocalipse 22:8 e 9), João estava prestes a outra vez adorar um anjo, e mais uma vez foi impedido.

11 Vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. O seu cavaleiro se chama Fiel e Verdadeiro e julga e peleja com justiça.

12 Os seus olhos são chama de fogo; na sua cabeça, há muitos diademas; tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo.


Olhos como chama de fogo: Como em Apocalipse 1:14 e 2:18, aqui é dito que os Seus olhos são "como chama de fogo”. A expressão significa que a consciência divina observa tudo e vai até cada mal escondido. Juízos penetrantes são atributos característicos dEle.

Muitos diademas: Os santos, no Céu, têm coroas (Apocalipse 4:4 e 10), expressão de sua dignidade real. Mas na cabeça de Cristo há diademas, denotando Sua autoridade absoluta e suprema.

O dragão tem sete diademas em sua cabeça (Apocalipse 12:3), e a besta tem diademas em seus dez chifres (Apocalipse 13:1). Mas na cabeça de Cristo, o Vencedor, há muitos diademas.

Os diademas estão na cabeça que foi coroada com uma coroa de espinhos, a cabeça que se apoiou sobre o humano peito de sua mãe. Foi esta cabeça que não teve onde repousar durante o Seu ministério terrestre. Esta cabeça foi espancada e cuspida pelos Seus inimigos e atada com bandagens na tumba. Ela inclinou-se quando Ele morreu na cruz. Esta é a cabeça que João viu coroada com muitos diademas.

13 Está vestido com um manto tinto de sangue, e o seu nome se chama o Verbo de Deus;


Um manto tinto de sangue: O sangue pode se referir ao que foi derramado por nós, ou ao sangue de Seus inimigos, sobre quem Ele prevaleceu. Esta impressionante figura de linguagem proclama Sua vingança em termos judiciais aos que pelejam contra o Cordeiro.

O Verbo de Deus: Dos oito escritores sagrados do Novo Testamento, João é o único que aplica este título a Cristo. Em seu evangelho, João disse:

No principio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus (João 1:1).

Assim como o Verbo, Ele representa e expressa Deus em Seu ser, caráter e obras. Nossas palavras devem ser a expressão do que somos. As palavras de Cristo foram a expressão absoluta do que Ele é.

14 e seguiam-no os exércitos que há no céu, montando cavalos brancos, com vestiduras de linho finíssimo, branco e puro.

15 Sai da sua boca uma espada afiada, para com ela ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo-Poderoso.


Três símbolos de juízo:

1. Uma espada aguda para imediato castigo judicial: Quando Jesus falou no jardim, Seus inimigos caíram por terra (João 18:5 e 6). Dele foi dito: "Ninguém falou como esse homem." Sua Palavra golpeia e mata. O poder é Irresistível. Mais terrível em seus efeitos do que qualquer arma engendrada pela habilidade do homem é a palavra falada do Senhor.

2. Cetro de Ferro: A regra severa e inflexível exercida sobre nações rebeldes está sugerida no rígido cetro de Ferro. "Ele mesmo as regerá," Isto é, governará. É a Sua função e Ele é investido com plenitude de poder para exercê-la.

3. O lagar: Esta é uma expressão de "furor". O poderoso Deus está irado. A Mim Me pertence a vingança... diz o Senhor" (Romanos 12:19). "O lagar, Eu o pisei sozinho, e dos povos nenhum homem se achava comigo" (Isaías 63:3).

16 Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.


Rei dos reis e Senhor dos senhores: Esta é uma grande afirmação de Sua glória. Em Apocalipse 17:14, os mesmos títulos Lhe são dados na ordem inversa.

17 Então, vi um anjo posto em pé no sol, e clamou com grande voz, falando a todas as aves que voam pelo meio do céu: Vinde, reuni-vos para a grande ceia de Deus,

18 para que comais carnes de reis, carnes de comandantes, carnes de poderosos, carnes de cavalos e seus cavaleiros, carnes de todos, quer livres, quer escravos, tanto pequenos como grandes.


Um anjo posto em pé no Sol: Ele esta de pé bem no centro da autoridade governamental, onde pode ser visto par todos e de onde pode observar toda a cena do conflito.

A segunda Ceia, uma Festa de morte: Os que procuraram assassinar a verdade, indivíduos de todos os povos, representando todas as classes, jazem ali, mortos pela Palavra a qual rejeitaram. Enquanto Cristo volta para o Céu com os remidos, as aves do céu devoram os corpos dos que foram mortos. Esta ceia é uma Festa da morte.

O anjo convida as vorazes aves de rapina para participar dessa ceia dos mortos. Reis, capitães, homens poderosos, cavalos e seus cavaleiros, livres e cativos, pequenos e grandes ali jazem no silêncio da morte. Os seus corpos são presas das aves do céu. Eles foram mortos pela espada. Cristo fala e, de imediato, o juízo cai sobre as hostes opositoras ali reunidas. Os que foram mortos levantam-se outra vez, depois de terminados os mil anos.

Lemos cinco vezes que a carne é alimento para as aves do céu. Que fim humilhante para o orgulho, a pompa, o poder e a nobreza dos seres humanos! Os corvos, as águias e outras aves de rapina alimentando-se com a carne dos grandes e poderosos, cujos nomes podem estar gravados nas páginas da história. "E todas as aves se fartaram das suas carnes" (Apocalipse 19:21). Elas comem até se fartarem.

O significado da ceia:

1. A facilidade com que se alcançou a vitória. Não será uma luta difícil para Cristo. Será uma ceia, ou como podem dizer alguns, "uma barbada".

2. A palavra ceia indica que haverá um último esforço, a última grande oposição, assim como a ceia (ou jantar) é a ultima refeição do dia.

19 E vi a besta e os reis da terra, com os seus exércitos, congregados para pelejarem contra aquele que estava montado no cavalo e contra o seu exército.


A batalha final: O revelador nos leva para a batalha final. Esta será a mais universal união de poderes que jamais se viu. Nem Cesar nem Napoleão puderam reunir tamanha coligação. Satanás está por detrás do movimento, dotado do poder de fazer milagres. O propósito deles é fazer guerra contra Aquele que está montado no cavalo e contra o Seu exército.

As nações do mundo, esclarecidas e cristianizadas, são tão enganadas por Satanás que ousam desafiar o Rei dos reis e Senhor dos senhores. A soberania da Terra será decidida de uma vez por todas nessa batalha.

20 Mas a besta foi aprisionada, e com ela o falso profeta que, com os sinais feitos diante dela, seduziu aqueles que receberam a marca da besta e eram os adoradores da sua imagem. Os dois foram lançados vivos dentro do lago de fogo que arde com enxofre.

21 Os restantes foram mortos com a espada que saía da boca daquele que estava montado no cavalo. E todas as aves se fartaram das suas carnes.


Um dia, a besta e o falso profeta, os dois grandes sistemas enganadores, serão finalmente lançados no fogo consumidor de Deus, e os ímpios, que por tanto tempo foram jactanciosos e desafiadores, serão finalmente destruídos.