Apocalipse 10 - Explicação Verso por Verso

Eu tenho apenas um minuto
E nele apenas sessenta segundos.
Ele me é imposto, não posso recusá-lo.
Não fui atrás dele, não escolhi com ele ficar.
Sofrerei se perdê-lo.
Terei que prestar contas se dele abusar.
Apenas um minúsculo minuto,
Mas há nele eternidade.
(Autor desconhecido)

O tempo e inexorável. A ciência, com todas as suas revoluções e descobertas, não consegue parar o tempo, nem fazer com que ele se repita. Em Apocalipse 10, vemos que haverá um dia em que o relógio profético de Deus vai parar e o tempo não mais existirá.

1 Vi outro anjo forte descendo do céu, envolto em nuvem, com o arco-íris por cima de sua cabeça; o rosto era como o sol, e as pernas, como colunas de fogo;

2 e tinha na mão um livrinho aberto. Pôs o pé direito sobre o mar e o esquerdo, sobre a terra,

3 e bradou em grande voz, como ruge um leão, e, quando bradou, desferiram os sete trovões as suas próprias vozes.


Quem era o anjo visto por João? Para os que já estudaram o livro de Daniel, esta linguagem parece estranhamente familiar.

Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo. ... Ouvi o homem vestido de linho, que estava sobre as águas do rio, quando levantou a mão direita e a esquerda ao céu e jurou, por Aquele que vive eternamente, que isso seria depois de um tempo, dois tempos e metade de um tempo. E, quando se acabar a destruição do poder do povo santo, estas coisas todas se cumprirão (Daniel 12:1 e 7).

Quem é Miguel? Ele é "O grande Príncipe". É identificado em Daniel 9:25 como "Messias, o Príncipe". Mas se Miguel é identificado como o Arcanjo, seria Cristo, então, um anjo?

1. O Arcanjo não é um anjo. Ele é o chefe dos anjos. O presidente dos Estados Unidos e o comandante-em-chefe do exército, mas não é um soldado.
2. Anjo, aqui, é uma referência a um mensageiro. Cristo é um mensageiro. Ele não é um ser criado, como um anjo.

Outra evidência: Em I Tessalonicenses 4: 16 nos é dito que é a voz do Arcanjo que despertará os mortos por ocasião da primeira ressurreição. Em João 5:25 nos é dito que e a voz do Filho de Deus que despertará os mortos.

"Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro" (I Tesalonicenses 4:16).

"Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão." (João 5:25)


4 Logo que falaram os sete trovões, eu ia escrever, mas ouvi uma voz do céu, dizendo: Guarda em segredo as coisas que os sete trovões falaram e não as escrevas.

5 Então, o anjo que vi em pé sobre o mar e sobre a terra levantou a mão direita para o céu

6 e jurou por aquele que vive pelos séculos dos séculos, o mesmo que criou o céu, a terra, o mar e tudo quanto neles existe: Já não haverá demora,


Outra vez, o verso 6 fala a linguagem do quarto mandamento, a qual diz que o Senhor fez o céu, a Terra e tudo o que neles há (Êxodo 20:8-11). Como no livro de Daniel, o Filho de Deus apóia o Seu juramento nos Dez Mandamentos.

O tempo da profecia: Quando o papa Pio VI foi capturado por Bertier, general de Napoleão, e foi exilado, a profecia de 1.260 anos passou a ter um novo significado para os estudantes da Bíblia. Muitos chegaram à conclusão de que o período começou no reinado do imperador romano Justiniano, em 538, e terminou com a Revolução Francesa, em 1798.

Os 2.300 dias: Os 2.300 dias de Daniel 8:14 foram considerados 2,300 anos por rabinos judeus já no século 9. No século 13, Arnold Villanova, um teólogo cristão e medico, também considerou os 2.300 anos como sendo dias. Em 1769, Johann Petri, um ministro da Igreja Reformada Alemã, percebeu que as 70 semanas de Daniel 9 foram dadas para que compreendêssemos os 2.300 dias de Daniel 8.

Baseados em suas conclusões sobre a profecia de 2.300 dias, centenas de pregadores na Europa, América e em muitos outros lugares predisseram a volta literal de Cristo no ano de 1844, ou por volta disso. Entre esses pregadores estavam lideres congregacionalistas, metodistas, batistas, presbiterianos, episcopais e católicos. Era uma mensagem que tocava o coração e apelava as congregações mais espirituais.

Não haveria mais demora: O anúncio do anjo não era a respeito do fim do tempo literal, mas do fim do tempo profético. Não há profecia cronológica na Bíblia que se estenda alem de 1844.

7 mas, nos dias da voz do sétimo anjo, quando ele estiver para tocar a trombeta, cumprir-se-á, então, o mistério de Deus, segundo ele anunciou aos seus servos, os profetas.


Qual é o mistério?

"Pois, segundo uma revelação, me foi dado conhecer o mistério, conforme escrevi ha pouco, resumidamente; pelo que, quando ledes, podeis compreender o meu discernimento do mistério de Cristo, o qual, em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos Seus santos apóstolos e profetas, no Espírito, a saber, que os gentios são co-herdeiros, membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho" (Efésios 3:3-6);

O grande mistério do evangelho é Jesus Cristo. Ele é o único meio de salvação, não apenas para os gentios, mas também para os judeus. "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo" (Mateus 24: 14).

Desde o século 19, vivemos no tempo da sétima trombeta. Durante o século 19, a pregação do evangelho começou com poder especial, e a cada dia esse poder está aumentando. Vivemos nos dias em que o mistério de Deus acabará. Um dia, em breve, o Sol surgira no horizonte, e esse será o último dia de pregação do evangelho. Ninguém sabe quando isso ocorrerá. Os que não permitirem que o evangelho atue em sua vida não somente perderão a salvação, mas perderão também uma grande oportunidade de levar a salvação a outros.

Muito em breve o mistério de Deus acabará. A pregação do evangelho estará concluída.

E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim (Mateus 24:14).

8 A voz que ouvi, vinda do céu, estava de novo falando comigo e dizendo: Vai e toma o livro que se acha aberto na mão do anjo em pé sobre o mar e sobre a terra.


O livrinho: No livro de Daniel encontramos estas palavras:

E Ele disse: Vai Daniel, porque estas palavras estão encerradas e seladas até ao tempo do fim (Daniel 12:9).

O documento que é aberto na visão de João é o mesmo documento que foi selado nas visões de Daniel. Por quanto tempo deveria ele ficar selado? Daniel 12:7 diz que deveria ser por 1.260 anos.

O livro de Daniel está sendo aberto nos últimos dias. Profecias que antes não eram entendidas, agora o são. Nem tudo no livro de Daniel foi selado. Nabucodonosor sabia quem era a cabeça de Duro na imagem de Daniel. Havia muitas coisas que foram entendidas.

O que realmente confundiu Daniel naquelas visões foram as profecias de longo tempo. Sobre elas, ele disse: "Espantei-me acerca da visão.” As profecias que o deixaram confuso foram as 70 semanas, os 1.260 dias e os 2.300 dias.

Há uma razão pela qual mestres judeus e rabinos foram, por séculos, proibidos de ensinar e interpretar a profecia das 70 semanas. Em 1656 ocorreu uma disputa na Polônia entre alguns preeminentes rabinos e os católicos com respeito as 70 semanas. Os rabinos foram tão pressionados pelo argumento que provava a messianidade de Jesus, e que o tempo do Seu sofrimento foi no fim das.70 semanas, que interromperam a discussão. Depois disso, os rabinos tiveram uma reunião e estabeleceram uma maldição sobre qualquer Judeu que tentasse confirmar a cronologia do período profético. Assim era a maldição: "Que apodreçam os ossos e a memória de quem tentar contar as 70 semanas."

9 Fui, pois, ao anjo, dizendo-lhe que me desse o livrinho. Ele, então, me falou: Toma-o e devora-o; certamente, ele será amargo ao teu estômago, mas, na tua boca, doce como mel.

10 Tomei o livrinho da mão do anjo e o devorei, e, na minha boca, era doce como mel; quando, porém, o comi, o meu estômago ficou amargo.


Comendo a Palavra: Jeremias disse: "Achadas as Tuas palavras, logo as comi" (Jeremias 15:16). Ezequiel também falou a respeito de "comer o rolo" e "na boca, me era doce como o mel" (Ezequiel 3:1-3).

O anúncio da iminente volta do nosso Senhor em glória foi recebido com grande entusiasmo. Multidões dos mais devotos cristãos, especialmente na América e na Europa, ficaram emocionadas pela mensagem e, tal como o profeta João, tomaram o livro e o comeram. A alegria encheu-lhes o coração. Mas estavam fadados ao desapontamento. Quando chegou a hora e Cristo não apareceu, aquilo foi um golpe esmagador para a sua fé. O que tinha sido doce como o mel, agora era amargo como o fel.

11 Então, me disseram: É necessário que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis.


Por mais emocionante que fosse a mensagem que se espalhou pela igreja antes de 1844, ela não era a mensagem final de Deus. Uma nova luz ainda iria iluminar a vereda dos estudiosos da Palavra de Deus. Uma mensagem mais grandiosa, abrangendo profecias nem sequer imaginadas, estava para ser focalizada como resultado desse estudo. Em sua plenitude, aquela mensagem foi pregada para muitos povos, nações e línguas.

A última mensagem de Deus reúne aqueles que permanecerão firmes na história final, e é uma mensagem que abrange cada verdade de cada reforma através dos tempos.

Nos próximos versos, é ordenado que João meça o templo. A divisão dos capítulos não foi inspirada. Os primeiros versos de Apocalipse 11 São uma seqüência do capitulo 10.

Foi dito a João:

1. Para comer o livrinho.
2. Para profetizar outra vez.
3. Para medir o templo de Deus.

A palavra "medir" significa "examinar", "avaliar". Foi exatamente isso que os crentes fizeram depois do desapontamento de 1844. Daniel 8:14 diz que, no fim dos 2.300 dias, o santuário seria restaurado ao seu estado original. A solução para o desapontamento estava em prestar mais atenção no significado e no ministério do santuário celestial.